Busca en El Ciudadano

A ditadura de Áñez é responsável por mais de 1.000 violações do DD. HH na Bolívial

Em 10 de novembro, um golpe de estado contra o novo presidente constitucional reeleito, Evo Morales, que foi forçado a renunciar – sob ameaça de morte – ocorreu na Bolívia depois que um grupo ultra-católico de extrema direita se aliou à embaixada dos EUA

A ditadura de Áñez é responsável por mais de 1.000 violações do DD. HH na Bolívial

Autor: Alexis Rodriguez
30/12/2019

Em 10 de novembro, um golpe de estado contra o novo presidente constitucional reeleito, Evo Morales, que foi forçado a renunciar – sob ameaça de morte – ocorreu na Bolívia depois que um grupo ultra-católico de extrema direita se aliou à embaixada dos EUA. Unidos e uma cúpula da polícia para obter o líder indígena do chefe de estado.

Desde então, o vácuo de poder gerado após a partida prematura de Morales, bem como o vice-presidente Álvaro García Linera, geraram uma perseguição contra tudo o que representava ou se aproximava do socialismo que prevalecia no país, no estilo da época do Inquisição, quando o ódio e o racismo foram a principal fonte de perpetrar assassinatos, torturas e vandalismos, sob a proteção do fundamentalismo religioso e em nome de «Deus».

Isso levou à imposição de uma ditadura de fato liderada pela ultra-católica, aporofóbica e xenofóbica, Jeanine Áñez, uma mulher que detesta os povos indígenas, a tilda de satânicos, ignorantes e feiticeiros.

Añéz, patrocinado pela extrema-direita boliviana que conta com o apoio econômico do empresário separatista de Santa Cruz Luis Fernando «facho» Camacho, o ex-candidato presidencial perdedor Carlos de Mesa e a diretiva policial, impôs uma ditadura selvagem que persegue e desaparece a todas as pessoas que denunciam sua arbitrariedade e se manifestam contra elas, bem como àquelas que exigem o retorno da ordem constitucional e da democracia ao país andino, que até recentemente era o que apresentava os melhores números de crescimento e estabilidade econômica. continente americano.

A arbitrariedade e a violência desencadeada pela ditadura de Áñez, e controlada pela extrema direita, receberam denúncias de diferentes organizações que garantem o respeito pelos direitos humanos.

Bolivia

Parlasul encontrou as violações na Bolívia

Nesse sentido, uma delegação do Parlamento do Mercosul (Parlasur) constatou que desde que a ditadura foi instalada na Bolívia, pelo menos 32 pessoas foram perseguidas, torturadas e mortas.

Todas essas violações sistemáticas dos direitos humanos pelo governo de fato foram reveladas pelo Parlasul após uma visita ao país andino, que vive em extrema ansiedade e praticamente sem lei.

Em uma sessão do Parlasul, com sede em Montevidéu, Uruguai, a chefe da Comissão de Direitos Humanos, Cecilia Merchán, divulgou o relatório das atividades realizadas pela comissão durante sua permanência na Bolívia.

https://twitter.com/PaoAly1/status/1208988625343565826

«A delegação da Comissão de Cidadania e Direitos Humanos estabeleceu uma grande agenda nos dias 27 e 28 de novembro de 2019 no território do Estado Plurinacional da Bolívia após os eventos que se constituíram em golpe cívico-militar e de acordo com o mandato aprovado na Declaração 64/2019 pela sessão plenária do Parlamento do Mercosul », explicou o deputado.

Merchán disse que realizou reuniões com todos os blocos políticos, com organizações de direitos humanos, com a Ouvidoria, que recebeu o maior número de reclamações, e manteve contato direto com os depoimentos das vítimas.

«Confirmamos o assassinato de 32 pessoas com armas de alto calibre, mais de 800 pessoas feridas, incluindo uma menina. Houve detenções arbitrárias, além de queima de casas, tortura e assédio público ”, afirmou Merchán sobre casos de violação dos direitos humanos.

Bolivia

Judiciário não garante o direito à vida

Além disso, o relatório apresentado pelo Parlasur acrescenta que o Poder Judiciário da Bolívia não garante “nem garante os direitos mais elementares à vida e à integridade física na Bolívia no momento; ainda existem mais de mil pessoas detidas, 55 que não o fazem. eles têm defesa ou devido processo legal ».

Nesse sentido, Merchán disse que a comunidade internacional deve «exigir uma lei de garantias constitucionais para que todos possam participar do processo de reestruturação, reiniciando uma vida democrática».

Da mesma forma, o parlamentar solicitou a presença de organizações internacionais que garantam o desenvolvimento correto do próximo processo eleitoral na Bolívia.

Nesse sentido, outra organização internacional como a Assembléia Permanente de Direitos Humanos (APDH) denunciou que, após o golpe de estado contra Evo Morales, um genocídio foi desencadeado na Bolívia.

Esta nova denúncia contra os governantes de fato da Bolívia foi apresentada na Justiça Federal Argentina.

A APDH, patrocinada por um grupo de advogados especializados em casos de crimes contra a humanidade, foi constituída como reclamante para acusar a autoproclamada «presidente» Jeanine Añez e um pouco mais de uma dúzia de oficiais que a acompanhavam desde o golpe de estado a partir de 10 de novembro.

Dentro do que a jurisdição internacional permite, a APDH forneceu evidências documentais (mais de uma centena de comunicações, vídeos, áudios e artigos de jornais) para apoiar seu trabalho de 24 cartas assinado por advogados do Coletivo Nacional Mario Bosch. O grupo presta homenagem ao criminoso do Chaco e ativista de direitos humanos que morreu em novembro de 2016.

A queixa é a terceira que foi apresentada na Argentina desde a derrubada do ex-presidente Evo Morales, que terminou seu mandato em 22 de janeiro.

O primeiro foi apresentado em 22 de novembro no tribunal de María Romilda Servini de Cubría e foi «por crimes perpetrados na Bolívia contra argentinos e bolivianos com documentação argentina».

A denúncia foi feita por Daniel Segovia, do Conselho de Política Indígena da Argentina e pelo vice-boliviano Víctor Gutiérrez, juntamente com organizações da DD. HH como mães da Plaza de Mayo. O promotor Guillermo Marijuan a descartou com a velocidade do raio e o magistrado a registrou.

A segunda denúncia avança na Justiça Federal de Córdoba desde 29 de novembro e foi promovida pelo Comitê de Solidariedade com os Povos da América Latina.

Bolivia

Terceira denúncia na Argentina contra Áñez

Agora, o APDH acaba de formalizar a terceira denúncia, que cabia ao Tribunal 8 por Marcelo Martínez De Giorgi e será analisada pelo promotor Carlos Rívolo.

No texto apresentado nos Tribunais de Comodoro Py, o APDH promove a denúncia “pelos crimes de genocídio e contra a humanidade cometidos pelas autoridades de fato que assumiram o controle político no Estado Plurinacional da Bolívia em 10 de novembro do ano em curso ».

Os queixosos são María Elena Nadeo, Gisela Cardozo e Norma Ríos pelo órgão de Direitos Humanos com o patrocínio dos advogados Eduardo Tavani e Roberto Martínez.

Boklivi

As acusações vão contra Añez, o ministro do governo designado, Arturo Murillo, sua dupla de comunicação, Roxana Lizarraga (que ameaçou jornalistas estrangeiros com prisão por sedição), outros sete membros do gabinete, Luis Fernando Camacho, Carlos Mesa Guisbert, ex Comandante das Forças Armadas, Williams Kaliman Romero, e seu sucessor Sergio Carlos Orellana Centellas, além de outros chefes militares, policiais e civis que agiram antes e depois do golpe.

O argumento da denúncia é baseado no assassinato de 34 pessoas, várias delas em massacres como Senkata (El Alto) e Sacaba (Cochabamba) e mais de 1.000 feridos, várias centenas de mulheres ilegalmente detidas, torturadas, estupradas e dezenas de pessoas isoladas em embaixadas sem a possibilidade de se exilar, todas sob o regime ditatorial de Áñez.

Evo

Para o APDH, os fatos que ele denunciou constituem «a perseguição de um grupo ou grupo com sua própria identidade, com base em razões políticas, raciais, nacionais, étnicas, culturais, religiosas, de gênero ou outras razões universalmente reconhecidas como inaceitáveis pelo direito internacional. , em conexão com qualquer outro ato mencionado neste parágrafo ou com qualquer crime sob a jurisdição do Tribunal Penal Internacional, em conformidade com o artigo 7, subseção H, do Estatuto de Roma ».

A apresentação também indica que, como a Argentina não reconheceu o regime de Añez e os denunciados dirigem o governo de fato ou participam dele, é solicitada “a detenção de todos eles com urgência – de acordo com os tratados que governam o assunto – para que pode ser extraditado e julgado em nosso país».


Comenta

Síguenos y suscríbete a nuestras publicaciones