lunes, abril 6, 2020

A decisão de Felipe VI de negar o pai e tentar salvar a coroa espanhola

A medida tomada pelo monarca responde a uma jogada de marketing político para tentar minimizar o impacto do escândalo gerado por Juan Carlos, o chamado "rei corrupto"

A corrupção sacode a coroa espanhola. O que parece ser – de fora – o repúdio de um filho a seu pai, é uma estratégia de marketing político para tentar evitar o colapso da Monarquia.

Em meio ao surto do coronavírus COVID-19, que enche o país de terror com mais de 1.000 mortos e 20.000 infectados, o rei Felipe VI de Bourbon, anunciou que renuncia à herança de seu pai, Juan Carlos I, e deixou o país. chamado «monarca emérito» sem a alocação percebida dos Orçamentos Gerais do Estado para essa condição.

A decisão foi tomada depois que a mídia britânica, como o The Telegraph, revelou que o atual chefe de Estado, Felipe VI, é o segundo beneficiário da fundação através da qual Juan Carlos recebeu 100 milhões de euros da Arábia Saudita. Como parte do pagamento, comissões para convencer as empresas do país ibérico a reduzir os custos de seus projetos na península Arábica.

Segundo relatos, essa grande soma de dinheiro é depositada em contas bancárias localizadas em paraísos fiscais.

Em um comunicado, a Casa del Rey garantiu que Felipe VI soube há um ano de sua «suposta designação como beneficiária da Fundação Lucum, desde o momento da morte de Sua Majestade, o rei Don Juan Carlos».

A informação chegou ao Monarch, de acordo com a nota oficial, através de um escritório de advocacia britânico que não anexou a documentação que a credenciava. A empresa, Kobre & Kim, representa os interesses de Corinna Larsen, ex-amante de eméritos.

No comunicado em que Felipe fica completamente desapegado de seu pai, ele ressalta que renuncia à herança «que pode corresponder pessoalmente a ele, bem como a qualquer ativo, investimento ou estrutura financeira cuja origem, características ou finalidade não estejam alinhados com a legalidade ou com os critérios de retidão e integridade que regem sua atividade institucional e privada”.

O engano da renúncia à herança

No entanto, para a imprensa espanhola, a medida tomada pelo monarca responde a um movimento de marketing político para tentar minimizar o impacto do escândalo gerado por Juan Carlos, o chamado «rei corrupto».

A realidade é que Felipe VI não poderá renunciar à herança de seu pai até que este morra, então sua afirmação é apenas uma declaração de intenções, muito conveniente diante da opinião pública.

Isso foi confirmado a El Diario por um grupo de juristas especializados, que explicou que o Código Civil espanhol «afirma claramente que não é possível renunciar a uma herança até que ocorra a morte da pessoa que lega».

“Não é possível repudiar a herança antecipadamente; e é que até que a morte do falecido ocorra, não há direito de herança para os chamados à herança. Só é possível falar em meras expectativas de sucessão «, disse Marcos López Suárez, professor de Direito Civil da Universidade da Corunha.

“O anúncio é um brinde ao sol. É muito óbvio que é algo que não pode ser feito. De fato, eu ficaria surpreso se nenhum notário aceitasse essa afirmação por seu próprio prestígio profissional «, disse Esther Arroyo Amayuelas, professora de Direito Civil da Universidade de Barcelona.

O especialista duvida que as fundações no exterior às quais o comunicado se refere e nas quais Juan Carlos I e seu filho apareceriam como beneficiários – Lucum e Zagatka – estejam realmente dentro do patrimônio do emérito e sejam incluídas em uma herança futura. .

«Entendo que é um patrimônio separado que produz benefícios e que possui alguns destinatários entre os quais o atual rei parece estar. O que Felipe VI gostaria de dizer com esta comunicação é que ele renuncia a ser um beneficiário «, ele explicou que na Espanha seria impossível iniciar fundações como essas, uma vez que a lei exige que eles aloquem seus ativos para fins de interesse geral não é privado.

«Mera declaração de intenções»

Os meios de comunicação também apontam que, convenientemente, Felipe VI renunciou à herança em meio à pandemia de coronavírus, apesar de durante um ano ele ter conhecimento de ser um beneficiário das fundações ‘offshore’ de Juan Carlos I, por ser tão Ele transferiu o ex-amante de seu pai, Corinna Larsen, há um ano, que revelou informações sobre as contas cheias de milhões de dólares que o «emérito» tem em paraísos fiscais.

Relacionado:  CELAC: O fórum necessário para a América Latina enfrentar o COVID-19 juntos

“Isso aconteceu em 5 de março de 2019. Quase um mês depois, em 12 de abril, ele assinou um ato perante um notário, afirmando que havia informado ao pai que não aceitaria nenhuma participação ou benefício da Fundação Lucum ou em nenhum outro que não seja «plena e estritamente consistente com a lei ou com os critérios de transparência, integridade e exemplo que informam sua atividade institucional e privada», destacou

Na opinião do jurista López Suárez, esse ato também é «uma mera declaração de intenções», uma vez que o repúdio a uma herança, embora deva ser feito antes de um notário em um instrumento público, deve ser feito quando a abertura da sucessão ocorrer. Isto é, no caso concreto, depois que Juan Carlos I. morreu. A partir desse momento, a declaração de vontade pela qual a herança é repudiada é irrevogável; mas antes desse momento falta virtualidade.

Relacionado:  CELAC: O fórum necessário para a América Latina enfrentar o COVID-19 juntos

Enquanto Mónica García Goldar, doutora em Direito e especialista em sucessões, destacou o fato de que no ato não há menção de toda a herança e apenas parece renunciar a participações que não estão de acordo com a «legalidade» e «transparência» »Apesar de, no comunicado divulgado pela Casa Real, aludir à renúncia« à herança (…) que lhe pode corresponder pessoalmente ».

¿Quem paga as despesas da coroa?

O outro ponto que chama a atenção é que Felipe VI anunciou que deixa o pai sem sua atribuição dos Orçamentos Gerais do Estado.

Do dinheiro que recebe anualmente, oito milhões de euros, o monarca atribui um salário a cada membro da família.

A remuneração de Juan Carlos vem aumentando desde 2015, quando recebeu 187.356 euros por ano, para os 194.232 com os quais encerrou em 2019, o que representa um pagamento mensal de 16.186 euros brutos.

No entanto, Felipe VI tem outros jogos dedicados pelos diferentes ministérios que apóiam o maquinário da monarquia.

«Por exemplo, nem o parque móvel, nem as residências, nem a segurança dos membros da família real são responsáveis pelo bolso de Felipe, muito menos pelo ‘salário’ de Juan Carlos, mas pelo Patrimônio ou pelo Ministério do Interior. «Vanitatis indicado.

100 milhões para coronavírus

O jornal New York Times causou grande rebuliço em 2012, quando publicou que a fortuna de Juan Carlos ultrapassava 1,8 bilhão de euros (2,3 bilhões de dólares).

Após o novo escândalo, o jornal disse que continua sendo «um segredo» como ele acumulou «sua considerável riqueza pessoal».

Outras publicações, como Forbes ou Eurobusiness, também publicaram artigos mencionando os bilhões de suas fortunas.

Na Espanha, nunca foi dado um número aproximado, mas, diante da pandemia de coronavírus, ficou claro que os 100 milhões que recebeu das comissões da Arábia Saudita serviriam para adquirir 22 milhões de máscaras para impedir a propagação, cobrir o teste de descarte por quase 1,5 milhão de cidadãos e compre 6.500 respiradores para hospitais, conforme revelado pela Infolibre.

Quanto aos profissionais de saúde, um médico na Espanha cobra uma média de 4.416 euros brutos por mês, de modo que os milhões inscritos na conta da fundação vinculada a Juan Carlos de Borbón serviriam para contratar cerca de 14.393 profissionais de saúde durante um mês.

Apesar da estratégia política de marketing aplicada por Felipe VI para tentar salvar a Monarquia, a rejeição do povo espanhol à corrupção de Juan Carlos e da família real já é um grito nas ruas.

Comentarios

Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos , gracias :)

   Conocer más >
4,317,962FansMe gusta
393,873SeguidoresSeguir
393,630SeguidoresSeguir
17,600SuscriptoresSuscribirte

Edición Impresa El Ciudadano

Dona a El Ciudadano Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos y obtén tu ciudadanía :)

   Donar >

#Covid 19 SARS-COV2

Formalizarán a alcaldes de Coelemu y Quirihue por impedir traslado de...

La Fiscalía Regional de Ñuble anunció que formalizará a los alcaldes de Quirihue, Richard Irribarra (militante del Partido Radical), y de Coelemu, Alejandro Pedreros (independiente...

Los Más Leídos