¡Agora ou nunca! Aviso da OPS de que o COVID-19 poderia salvar vidas na América

51
OPS

A Organização Panamericana da Saúde (OPS) enviou uma mensagem vigorosa aos governos do continente americano, avisando que agora é hora de retardar a propagação da pandemia causada pelo coronavírus COVID-19.


Em 31 de março, Carissa F. Etienne, diretora da OPS, ofereceu uma conferência de imprensa na sede da agência em Washington, Estados Unidos, onde fez um apelo urgente às autoridades competentes dos países para que tomem medidas que garantam que o A disseminação do vírus não causa mais estragos mortais na região do que já causou.

Etienne destacou que desde o primeiro caso ocorrido na China, em dezembro de 2019, até 31 de março de 2020, três meses depois, nos Estados Unidos, 188.949 casos confirmados foram relatados com o número infeliz de 3.561 pessoas que perderam a vida.

O representante máximo da OPS alerta que o tempo para diminuir a propagação do COVID-19 está diminuindo nas Américas e, em vista disso, os países devem agir agora, com medidas drásticas que permitam alcançar a virulência da doença. não fique fora de controle.

Para desacelerar as infecções, Etienne pede às autoridades e governos que «tomem medidas urgentes para garantir o espaço do hospital, leitos, pessoal de saúde e equipamentos médicos necessários para lidar com o possível afluxo de pessoas com a doença».

O alerta de Etienne ocorre quando muitos países das Américas relatam casos de transmissão comunitária do COVID-19, ou seja, que o vírus já está na população comum e não é exclusivo dos viajantes.

«Ainda existe um curto período para retardar a disseminação do vírus, reduzir o impacto nos sistemas de saúde e salvar vidas», enfatizou.

Etienne sustenta que esse momento é crítico, porque, como aconteceu em outras regiões do mundo, a pandemia deve ter uma recuperação exponencial nos casos e aumentar desproporcionalmente, o que traria uma crise de saúde insustentável para muitos países do continente se eles não fizerem previsões a tempo.

«Os países da região devem tomar medidas urgentes para preparar hospitais e centros de saúde para o que está por vir: um afluxo de pacientes com COVID-19 que precisarão de espaço hospitalar, leitos, profissionais de saúde e equipamentos médicos. Este vírus não foi e não será interrompido pelas fronteiras desenhadas nos mapas «, afirmou Etienne.

Covid

Prepare-se para consequências mais graves do COVID-19

A Diretora da OPS enfatizou que os países também devem proteger seu pessoal de saúde como nunca antes. Isso inclui treinamento sobre como evitar infecções e acesso a suprimentos e equipamentos de proteção individual adequados.

«É nosso dever protegê-los e cuidar deles, pois eles estarão na linha de frente desta batalha», disse ele.

Também é vital que os países decidam quais medidas de distanciamento devem ser adotadas, como e por quanto tempo.

Esta é a única maneira de evitar ser sobrecarregado por muitas pessoas doentes em um período muito curto de tempo.

Com base na experiência de países de outras regiões, o Dr. Etienne apontou que «parece razoável planejar essas medidas para que durem pelo menos dois ou três meses».

«Sem evidências sólidas sobre tratamentos eficazes e sem vacinas disponíveis, o distanciamento social e outras fortes medidas preventivas continuam sendo nossa melhor aposta para evitar as conseqüências mais graves da pandemia de COVID-19 em nossa região», considerou.

Relacionado:  ¿Ataque à liberdade de expressão ou cortina de fumaça?: Trump abre nova frente de guerra

Para Etienne, é essencial que a região demonstre neste momento «uma liderança ousada e compassiva» que coloca a solidariedade em primeiro lugar.

“Esse momento exige que haja liderança ousada e compassiva. Não será fácil e sabemos que pediremos às pessoas que se adaptem a uma situação extraordinária que está afetando todos os aspectos de suas vidas. Mas deixe-me enfatizar que essa pandemia é grave e precisamos fazer tudo o que estiver ao nosso alcance para mitigar o impacto do COVID-19 em nossa população «, disse a Dra. Etienne.

O Diretor da OPS enfatizou a necessidade de os países trabalharem juntos: compartilhar recursos e experiências e tomar decisões conjuntas que aceleram o acesso aos serviços de saúde, promovam pesquisa e inovação.

Também enfatizou que a OPS continuará a facilitar o intercâmbio entre países e trabalhará intensivamente com os Estados Membros, particularmente aqueles com sistemas de saúde mais fracos, para fortalecer a vigilância e a detecção precoce de casos e garantir a preparação dos serviços de saúde.

“A solidariedade em nossa região nunca teve um significado mais profundo do que hoje. A única saída dessa situação será se todos fizerem sua parte, enquanto apoiam os outros «, refletiu a Dra. Etienne.

Covid

CELAC: espaço necessário

Recentemente, o ex-presidente da Costa Rica, Luis Guillermo Solís Rivera, que também foi presidente pró-tempore da Comunidade dos Estados da América Latina e do Caribe (CELAC), escreveu um artigo sobre a necessidade de reativar esse importante bloco para enfrentar a crise da saúde na região. continente.

“Reativando a CELAC” é o artigo de Solís Rivera e publicado no NODAL, onde o ex-presidente explica o motivo de uma situação atual como a que o mundo está enfrentando como resultado da pandemia causada pelo surto de coronavírus em 2019 e, especificamente na América Latina e no Caribe, vem se recuperando no número de infecções.

“Em tempos de crise da saúde, isso pode não parecer uma prioridade para os estados do subcontinente. No entanto, uma leitura mais tranquila encontraria uma conjuntura favorável para relançar o único fórum regional em que os Estados da região têm espaço geopolítico para propor e gerenciar uma agenda focada em suas próprias visões e prioridades ”, explica Solís.

Recentemente, o presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, alertou que a região deve deixar de lado as diferenças políticas e ideológicas e se unir para enfrentar conjuntamente a pandemia, especialmente no que diz respeito às medidas preventivas a serem adotadas para diminuir os altos níveis de contágio. um vírus altamente contagioso e com características que o tornam praticamente invisível durante as duas primeiras semanas de infecção, pois é assintomático, o que abre uma lacuna de possíveis contágios desencadeados exponencialmente.

De fato, existem muito poucos países no continente americano que mantêm os números de infecção com uma curva achatada, ou seja, eles foram capazes de controlar a virulência do surto.

Entre eles, Cuba, Nicarágua, El Salvador e Venezuela, países que com o tempo decidiram aplicar quarentena coletiva e medidas de distanciamento social; ao contrário do resto dos países que decidiram não aplicá-lo e agora sofrem um grande número de infecções e mortes por COVID-19.

Diante dessa situação e do apelo urgente da OPS, a análise de Solís faz mais sentido, uma vez que a CELAC – com base em seus próprios valores fundamentais – se torna o espaço ideal para realizar a tarefa de diálogo, compreensão e solução de problemas. conflitos em comum, no mais alto nível.

Solís explica que a CELAC precisa proporcionar à América Latina e ao Caribe um ambiente em que o diálogo político seja capaz de superar visões particulares, colocando o bem-estar hemisférico coletivo diante dos conflitos existentes, cuja resolução não deve impedir o trabalho conjunto em favor de pessoas e suas necessidades básicas.