Assange, Greenwald e as ameaças que o jornalismo livre enfrenta hoje

Glenn Greenwald aceitou que existem paralelos entre o caso dele e o do australiano, além de não acreditar que Bolsonaro teria agido contra um jornalista americano se acreditasse que Trump se oporia

Os últimos anos foram impregnados pelo surgimento de governos de extrema direita em grande parte das Américas: Donald Trump, Jair Bolsonaro, Mauricio Macri, Lenín Moreno, Iván Duque, Mario Abdo Benítez, Alejandro Giammattei, Nayib Bukele, entre outros.

Nesse sentido, também surgiram ameaças contra o exercício jornalístico e a liberdade de imprensa, que em países governados por esse tipo de chefes de Estado estão perdendo espaço devido ao viés informativo que exercem e à perseguição que é gerada contra jornalistas que denunciam irregularidades. e corrupção do governo.

Nesse sentido, o jornalista americano James Risen, repórter do portal The Intercept e líder do Fundo de Defesa da Liberdade de Imprensa First Look, analisou as novas ameaças que o jornalismo atual enfrenta, especialmente as que vêm de governos .

Rise argumenta que os melhores exemplos de preconceito e intimidação no trabalho jornalístico podem ser vistos nas acusações contra Julian Assange, nos Estados Unidos, e Glenn Greenwald, no Brasil, que agora pode se tornar o modelo de uma ofensiva global contra a liberdade de imprensa.

O artigo de opinião intitulado «As novas ameaças ao jornalismo vêm dos governos» e publicado pelo The New York Times em 29 de janeiro, indica que quando o fundador do WikiLeaks foi indiciado em 2019 por Washington por publicar documentos secretos do governo dos EUA quase Uma década antes, muitos jornalistas expressaram profunda preocupação com o perigoso precedente que o caso poderia criar para o jornalismo investigativo. No entanto, poucos pareciam considerar que o caso também poderia servir de exemplo para outras nações dispostas a restringir a liberdade de imprensa.

«Na terça-feira, 21 de janeiro, Glenn Greenwald – jornalista americano residente no Brasil – foi acusado de cometer crime cibernético por uma série de reportagens nas quais foram publicadas mensagens privadas entre autoridades brasileiras que revelaram corrupção e abuso nos níveis mais altos da governo Os promotores que apresentaram a queixa criminal alegaram que Greenwald fazia parte de uma organização criminosa que interveio nos telefones celulares de funcionários do governo ”, ressalta Risen.

Trump

Greenwald, co-fundador do The Intercept, negou tudo de que é acusado e é vítima de um caso «sinistramente semelhante» ao que está sendo executado contra Assange pelo governo Donald Trump.

“Em abril de 2019, o Departamento de Justiça acusou Assange de ajudar uma fonte – Chelsea Manning, ex-analista de inteligência – a obter acesso ao banco de dados computadorizado do Exército dos EUA. Em maio de 2019, as acusações contra ele foram prorrogadas e ele foi formalmente acusado pela Lei de Espionagem pela publicação no WikiLeaks de documentos militares e diplomáticos do país ”, explica Risen.

A esse respeito, ele acrescenta: «Ambos os casos se baseiam em parte em um novo conceito processual que consiste em provar que o jornalismo é um crime focado nas interações entre jornalistas e suas fontes».

Ressuscitado também indica que os promotores agora estão analisando os processos pelos quais as fontes obtêm informações classificadas ou privadas, que depois entregam aos jornalistas.

«Como essas interações são atualmente principalmente eletrônicas, os promotores procuram penalizar o jornalismo recorrendo a leis anti-hackers para envolver repórteres na suposta atividade criminosa de suas fontes, obtendo acesso, sem autorização, a dados em computadores ou telefones celulares», diz Risen.

Trump

Erradicar o jornalismo investigativo

Risen explica que «essa estratégia frontal oferece ao governo uma enorme vantagem sobre os jornalistas e, nos Estados Unidos, fornece uma maneira de evitar preocupações relacionadas à Primeira Emenda».

Nesse sentido, Risen comenta que, se esses casos se tornarem modelos para promotores nos Estados Unidos e em outros países, eles os copiam «quase todos os jornalistas investigativos acabam sendo suscetíveis a serem acusados ​​e presos».

Risen acrescenta que, assim como existem semelhanças entre Trump e Bolsonaro, especialmente a admiração do brasileiro pelo americano, ambos os governos estão se mostrando inquisidores e apostam em tudo que lhes é desconfortável.

«Tanto o governo Trump quanto Bolsonaro parecem ter decidido experimentar essas táticas draconianas contra a imprensa, testando-as com números irritantes. De fato, na época de sua acusação formal no ano passado, já havia um debate na mídia sobre se Assange deveria ser considerado jornalista.

Em 2010, quando o WikiLeaks começou a publicar importantes vazamentos de documentos de Washington obtidos de Manning, Assange repentinamente emergiu como um novo ator no cenário jornalístico moderno. Sob sua liderança, o WikiLeaks publicou os documentos vazados, além de compartilhar muitos deles com outras importantes organizações de notícias, incluindo o The New York Times.

Relacionado:  Médicos da Itália e dos EUA duvidam que o COVID-19 tenha surgido na China
The intercept

Além de publicá-los, Assange serviu de intermediário entre fontes e jornalistas, o que dificultou a definição de seu trabalho jornalístico.

Seu envolvimento subsequente no caso entre Trump e a Rússia – em 2016, o WikiLeaks obteve e fez e-mails públicos, além de outros documentos da campanha presidencial de Hillary Clinton e do Comitê Nacional Democrata, de um hacker que se acredita estar relacionado ao Inteligência russa – transformou-o em um personagem ainda mais incendiário, com pouco apoio público (as acusações federais contra Assange não se relacionam à sua participação nessa campanha).

Risen, referindo-se a Greenwald, comenta que ele «se orgulha de ser um personagem polêmico e desdenhoso da mídia estabelecida e, de fato, tivemos confrontos públicos em relação às nossas posições divergentes sobre o caso Trump e Rússia».

«No entanto, ele também é um jornalista apaixonado que se destacou em 2013 por sua cobertura vencedora do Pulitzer de uma enorme quantidade de documentos da Agência de Segurança Nacional dos EUA vazados por Edward Snowden, ex-contratado da agência», acrescenta ele.

Greenwald Assange

Bolsonaro imita seu ídolo Trump

Em 2019, Greenwald teve outro vazamento importante, as mensagens privadas de funcionários do governo brasileiro sobre o importante caso de corrupção que levou à sentença infundada do ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, que o levou à prisão e impediu ele venceu as eleições presidenciais pelas quais era o favorito.

Relacionado:  É assim que Trump pretende esconder a crise de saúde nos Estados Unidos

“O relatório Greenwald revelou que a investigação que produziu a sentença do ex-presidente foi fortemente politizada e atormentada pela corrupção. Os relatórios eram incendiários no Brasil e, finalmente, ajudaram Lula a ser lançado em novembro. No entanto, o trabalho jornalístico de Greenwald irritou Bolsonaro, que meses antes da denúncia de 21 de janeiro já havia sido ameaçado.

Em uma entrevista que Risen fez a Greenwald na quinta-feira, 23 de janeiro, o jornalista aceitou que há paralelos entre o seu caso e o de Assange e acrescentou que não acredita que Bolsonaro teria agido contra um jornalista americano se ele pensasse que Donald Trump faria se oporia.

«Bolsonaro ama Trump, e seu governo segue o exemplo de Trump de que esse tipo de comportamento é aceitável», disse o jornalista.

Tanto é assim que o Departamento de Estado não emitiu nenhuma declaração sobre o caso do Brasil contra Greenwald, o que em governos anteriores teria sido uma prática comum.

«Trata-se de agir contra repórteres que publicam informações embaraçosas e não representam 90% dos vazamentos que saem de Washington e são vazamentos oficiais projetados para apoiar as pessoas no poder», disse Joshua Dratel, Advogado de defesa criminal em Nova York que representou informantes importantes e que também representou o WikiLeaks em uma ação civil contra ele movida pelo Comitê Nacional Democrata.

«De fato, a retórica e as ações de Trump contra a imprensa incentivaram regimes autoritários a processar e prender jornalistas, bem como a impor novas leis contra a imprensa e outras medidas destinadas a restringir a cobertura negativa», enfatiza Risen.

Moro

Criminalização das notícias para expandir o viés

Joel Simon, diretor executivo do Comitê para a Proteção dos Jornalistas, disse em uma entrevista que uma das táticas mais recentes que estão se espalhando pelo mundo é a criação de leis contra «notícias falsas», cuja definição é vaga, e que criminalizar as notícias que funcionários do governo acham errado. «Notícias falsas» é, obviamente, uma frase que Trump ajudou a popularizar.

«Esta semana, o Catar acaba de promulgar uma lei contra notícias falsas», disse Simon, e alertou que Cingapura também tem uma. «Essas leis contra notícias falsas estão totalmente correlacionadas com o governo Trump».

A prova mais trágica de que Trump está permitindo a mão dura contra a imprensa – destaca Risen – foi seu fracasso em responsabilizar o líder da Arábia Saudita, príncipe herdeiro Mohamed bin Salman, responsável pelo brutal assassinato de Jamal Khashoggi em 2018, O jornalista do Washington Post. «O governo Trump encobriu o assassinato de Khashoggi», disse Simon.

Embora, segundo Simon, os governos Bush e Obama fossem «inconsistentes» em questões relacionadas à imprensa, «estavam dispostos a discutir preocupações sobre a liberdade de expressão com outro país no contexto do relacionamento bilateral. Isso não existe mais com Trump. ”

Comentários ressuscitados: «Será trágico se jornalistas encolherem os ombros o ataque a Greenwald e não virem este caso com todas as suas implicações: que ataques à imprensa como os de Trump estão se espalhando como um vírus por todo o planeta».

James Risen é o principal correspondente de segurança nacional do The Intercept. Ele também fez parte da redação do The New York Times, que junto com outro ex-repórter do Times, Eric Lichtblau, recebeu o Pulitzer em 2006 por seus relat

Comentarios

Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos , gracias :)

   Conocer más >
4,317,829FansMe gusta
320,815SeguidoresSeguir
392,412SeguidoresSeguir
17,600SuscriptoresSuscribirte

Edición Impresa El Ciudadano

Dona a El Ciudadano Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos y obtén tu ciudadanía :)

   Donar >

#Covid 19 SARS-COV2

Los Más Leídos