¡Brasileiros em perigo! Bolsonaro impõe cloroquina controversa em pacientes com COVID-19

Tradicionalmente, a hidroxicloroquina e a cloroquina são prescritas para prevenir ou tratar infecções por malária

323

O Brasil, que ultrapassou pela primeira vez a triste marca de mil mortes diárias pelo novo coronavírus, abriu esta semana o uso de cloroquina e hidroxicloroquina, mesmo sem eficácia comprovada, em pacientes menos graves e nos primeiros sintomas do COVID. -19.

Em resposta às demandas do presidente Jair Bolsonaro, o Ministério da Saúde ampliou sua recomendação de usar os dois medicamentos em casos leves, em combinação com o antibiótico azitromicina, apesar de sua eficácia dividir a comunidade científica mundial.

A prescrição dessas substâncias, utilizada no tratamento de outras doenças como a malária, só foi recomendada até agora em pacientes críticos e em estado crítico, já admitidos em unidades de terapia intensiva e submetidos a observação médica, permitindo a descontinuação do tratamento caso apresentassem arritmia cardíaca.

O novo protocolo, embora admita que os medicamentos não são comprovadamente eficazes, inclui «diretrizes» para fornecê-lo a pacientes em todos os níveis da doença.

O documento prevê o uso de antimaláricos em diferentes doses de acordo com o andamento do tratamento e a condição do paciente, desde que autorizado por um médico e após a análise dos exames.

No entanto, de acordo com a declaração divulgada pelo Ministério da Saúde, o uso de cloroquina e hidroxicloroquina será «a critério do médico» e também exigirá «a vontade declarada do paciente».

O texto reconhece que, apesar de ser usado em vários protocolos e ter atividade comprovada em laboratório contra o coronavírus, «ainda não existem estudos clínicos completos e multicêntricos que comprovem o benefício inequívoco desses medicamentos no tratamento do COVID-19», relatou o estudo. Agência EFE.

¿Drogas perigosas?

Tradicionalmente, a hidroxicloroquina e a cloroquina são prescritas para prevenir ou tratar infecções por malária.

Em combinação com outros medicamentos, a hidroxicloroquina é frequentemente usada como parte de um plano de tratamento para várias doenças autoimunes, como artrite reumatóide e lúpus. Também pode ser usado para tratar a endocardite da febre, um tipo de infecção das válvulas cardíacas.

Enquanto isso, a cloroquina também é administrada em certos planos de tratamento para lúpus e outras doenças do sistema imunológico.

Os efeitos colaterais comuns relacionados ao uso de ambas as substâncias incluem náusea, perda de apetite, dor de cabeça, visão turva, fraqueza muscular e arritmia cardíaca.

Por esse motivo, o novo protocolo estabelece que o paciente precisa assinar um termo de consentimento no qual admite ter conhecimento de que os medicamentos podem causar efeitos colaterais “como redução de glóbulos brancos, disfunção hepática, disfunção cardíaca e arritmias e alterações visuais por danos à retina”.

Pressão de Bolsonaro

Atualmente, a Organização Mundial da Saúde (OMS) observa os resultados de ensaios clínicos realizados para tratar COVID-19 com cloroquina e hidroxicloroquina, já que até o momento existem dados insuficientes para estabelecer que esses componentes sejam úteis em pessoas com coronavírus.

Diferentes organizações de profissionais médicos e cientistas alertaram que as consequências dessas substâncias são desconhecidas, que podem até ser fatais em populações como mulheres grávidas, bebês e adultos mais velhos.

Apesar de a eficácia dos dois antimaláricos não ter sido comprovada cientificamente e, pelo contrário, terem efeitos colaterais graves, Bolsonaro exerce pressão para que seu uso seja estendido a todos os pacientes e não apenas àqueles em estado grave.

O presidente é um dos governantes mais céticos sobre a gravidade da pandemia. Classificou o COVID-19 como uma «gripecita» e critica as medidas de distanciamento social adotadas pelos governos regionais, ao mesmo tempo em que exige a normalização das atividades.

Relacionado:  Novo escândalo de "Ajuda Humanitária": assessor de Guaidó rouba empresário e ONG dos EUA

Apesar disso, a extrema direita afirmou que a cloroquina e a hidroxicloroquina serão o «tratamento que os pacientes afetados pelo COVID-19 receberão». Ele até admitiu a entrada de insumos da Índia para a produção desses medicamentos no Brasil.

Como sempre, Bolsonaro decidiu seguir os passos de seu colega americano, Donald Trump, que também apóia o uso de cloroquina em seu país, que é o epicentro global da pandemia.

De fato, o próprio Trump admitiu esta semana que se automedica e toma hidroxicloroquina para prevenir o COVID-19: “Eu tomo isso há uma semana e meia. E ainda estou aqui ”, disse ele a repórteres.

O esforço de Bolsonaro em usar essas substâncias gerou polêmica e um acentuado confronto com a comunidade médica brasileira.

A falta de acordo para a liberação no Sistema Único de Saúde de hidroxicloroquina e cloroquina fazia parte da crise que terminou com a saída do portfólio de saúde, em menos de um mês, de dois ministros da Saúde, Luiz Mandetta e Nelson. Teich.

Após essas renúncias, o general Eduardo Pazuello, especialista em logística e não em medicina, assumiu o cargo provisoriamente, transformando o Ministério em quartel, nomeando nove militares para cargos de consultoria e coordenação e como diretores do portfólio e mais três nas áreas de gerenciamento de portfólio.

Então, o desejo do Presidente se tornou realidade e o novo protocolo emitido pelo Departamento de Saúde estende o uso dos medicamentos a todos os pacientes com coronavírus.

A cloroquina «é uma esperança, como relataram muitos dos que a usaram», escreveu a Bolsonaro nas redes sociais, acrescentando que o Brasil, o país com mais casos e infecções por coronavírus na América Latina, sofre de «dias difíceis».

Ele também observou que «ainda não há provas científicas, mas está sendo monitorado no Brasil e no mundo»: acrescentou: «Estamos em guerra: pior do que ser derrotado é a vergonha de não ter lutado», segundo Crónica.

O novo protocolo sobre o uso de drogas foi publicado um dia após a Associação Brasileira de Medicina Intensiva, a Sociedade Brasileira de Doenças Infecciosas e a Sociedade Brasileira de Pneumologia desaconselharem o uso de cloroquina e hidroxicloroquina.

De acordo com um relatório preparado por 27 especialistas das três entidades, as evidências sobre a eficácia da cloroquina e seus derivados no tratamento do COVID-19 são «fracas», e o medicamento, por outro lado, tem efeitos colaterais graves, como arritmia cardíaca, disse ele. La Vanguardia.

Segundo o ex-ministro da Saúde, Luis Henrique Mandetta, que renunciou ao cargo devido a suas diferenças com Bolsonaro no tratamento da pandemia, ele denunciou que a insistência da extrema direita em forçar o uso de cloroquina no tratamento de todos os pacientes pode provocar muitas mortes, porque é um medicamento com efeitos colaterais graves.

“Começamos a experimentar pacientes graves que já estão em hospitais. Pelo que sei desses estudos, que ainda não foram concluídos, 33% dos pacientes tiveram que parar de usar cloroquina porque apresentavam arritmia, algo que pode levar à parada (cardíaca) ”, afirmou.

Mandetta explicou que a intenção de Bolsonaro com seu compromisso com esta droga é que as pessoas pensem que podem voltar ao trabalho o mais rápido possível, porque já existe um remédio.

O gigante latino-americano soma mais de 360 ​​mil infecções e 22 mil mortes, e as previsões são de que a curva continuará a subir, pois é um país com 210 milhões de habitantes, graves desigualdades, um sistema de saúde com deficiências e um presidente mais interessado em reviver a economia em vez de proteger os cidadãos da pandemia.