martes, febrero 25, 2020

Chaves para entender ou apoiar a Europa na Argentina antes do FMI

Uma turnê internacional permitiu a Alberto Fernández garantir o apoio de quatro países com peso no FMI, que juntos representam 14,2% dos votos no órgão

A Argentina busca renegociar os termos da dívida que mantém com o Fundo Monetário Internacional (FMI), a fim de desenvolver um plano que permita superar a profunda crise econômica pela qual está passando.

De fato, o governo de Alberto Fernández insiste na necessidade de o crescimento da economia antes de enfrentar vencimentos de dívida de 57,1 bilhões de dólares, contratados pelo governo de Mauricio Macri (2015-2019), dos quais já entraram no país 44 bilhões de dólares.

Isso ficou claro por Fernández, durante uma turnê que ele fez na Europa e na qual obteve o apoio de vários líderes do velho continente, em face das negociações com o FMI.

Papa Francisco ajudará seu país

Em sua primeira parada, em El Vaticano, Fernández recebeu o apoio do papa argentino, Francisco, que – segundo o presidente após a reunião – «fará todo o possível para ajudar seu país».

O Sumo Pontífice concordou e, ao falar em um seminário no Vaticano, organizado pela Academia Pontifícia de Ciências Sociais (PACS), que reuniu nada menos que o Ministro da Economia da Argentina, Martín Guzmán, e a chefe do FMI, Kristalina Georgieva, Francisco deu um impulso importante aos esforços da Argentina.

Naquela reunião, o papa citou João Paulo II, que em 1991 declarou que, embora o princípio de que as dívidas devam ser justas, “não é lícito, em vez disso, exigir ou reivindicar pagamento quando imporem ações políticas que eles levarão populações inteiras à fome e ao desespero ».

«Nesses casos, é necessário (…) encontrar meios de reduzir, adiar ou extinguir a dívida, compatível com o direito fundamental dos povos à subsistência e ao progresso», lembrou Francisco.

Francisco, que tinha Georgieva e Guzmán ao seu lado, lembrou que os Objetivos de Desenvolvimento Sustentável também reconhecem esse ponto, pois pedem às pessoas que “ajudem os países em desenvolvimento a alcançar a sustentabilidade da dívida a longo prazo, e por meio de políticas coordenadas destinadas a promover seu financiamento, alívio e reestruturação, conforme apropriado; e resolver o problema externo dos países pobres fortemente endividados para reduzir sua angústia.

Quando chegou a hora de tomar a palavra, Guzmán insistiu na necessidade de seu país alcançar a sustentabilidade da dívida, pois não é possível fazer um ajuste fiscal para pagar essas obrigações quando esse ajuste coloca em risco os mais pobres.

Por sua parte, Georgieva disse que se a América Latina quisesse aumentar seus gastos sociais, teria que aumentar a «eficiência dos gastos». Ele nunca pronunciou as palavras «dívida» ou «crédito»; nem «Argentina».

Itália apoiará Argentina

Na Itália, Alberto Fernández se encontrou com o primeiro-ministro Giuseppe Conte e com o presidente Sergio Mattarella, que ofereceu seu apoio.

Segundo a agência Télam, o chefe do Estado argentino retirou da Itália a promessa de Roma de que seus diretores do FMI intervissem a seu favor nas negociações sobre a volumosa dívida externa argentina.

Volta da alemanha

Uma das reuniões mais esperadas do presidente foi a realizada com a chanceler alemã Angela Merkel, já que Berlim tem 6% dos votos no conselho executivo do FMI, onde qualquer acordo de reestruturação da dívida argentina deve ser aprovado.

Na reunião, Merkel reconheceu a difícil situação que o país sul-americano está enfrentando devido ao alto endividamento e disse que procurará maneiras de ajudar a resolvê-lo.

“Sabemos que a Argentina não está em uma situação econômica fácil e é importante que conversemos sobre nossas relações econômicas e pensemos em como ajudar. Realizamos reuniões com o FMI e falaremos sobre isso ”, afirmou Merkel.

Solidariedade da Espanha

Fernández continuou sua turnê na Espanha, onde seu colega Pedro Sánchez também expressou sua solidariedade «para superar a difícil situação econômica e social» que a Argentina está passando e seu «apoio no processo de renegociação de dívidas» com o FMI.

Relacionado:  Caso Rosneft: EUA fora de controle ataca a Rússia para sufocar a Venezuela

«Ele me ofereceu seu apoio sincero para que a Argentina possa avançar e se levantar», disse Fernandez em sua conta no Twitter.

O apoio da Espanha é muito importante, pois os laços entre os dois países são estreitos. O país europeu é o segundo maior investidor da Argentina, onde mais de 300 empresas espanholas operam. Buenos Aires é o terceiro destino de exportações de Madri para a América Latina e abriga a maior comunidade espanhola do mundo, quase 500.000 pessoas.

França estará ao lado da Argentina

A última parada da turnê de Fernandez foi em Paris, e o presidente francês, Emmanuel Macron, garantiu que seu governo estará ao lado do país sul-americano para ajudá-lo na renegociação da dívida com o FMI.

«A França ficará com você e se mobilizará com o FMI e outros parceiros para ajudar a Argentina a retornar ao caminho do crescimento, de uma dívida sustentável», disse Macron quando recebeu seu colega argentino no Palácio do Eliseu.

Relacionado:  Caso Rosneft: EUA fora de controle ataca a Rússia para sufocar a Venezuela

«Hoje vemos tantas crises na região para sublinhar essa força da Argentina: é o sinal de grande responsabilidade e a marca de uma vontade para o interesse geral do seu país em um momento marcado por muitos desafios», acrescentou.

Por seu lado, o presidente argentino reafirmou que a negociação da dívida «é uma condição necessária para o crescimento, e o Fundo Monetário Internacional também precisa nos ouvir e nos ajudar desta vez».

«Hoje estamos mais acompanhados do que antes»

A turnê internacional permitiu ao presidente garantir o apoio dos países com peso no FMI: as quatro nações visitadas somam 14,2% dos votos e constituem o maior bloco depois dos Estados Unidos, que são 16,7%.

Em declarações à página 12, Fernández fez uma avaliação positiva de suas reuniões com líderes europeus e do impacto que isso pode ter no FMI.

Alberto Fernández.

“O FMI deve estar vendo o que está acontecendo na Europa e como a Europa quer abordar o que a Argentina oferece como solução. Sempre há casos de diálogo e negociação e parece-me que hoje estamos mais acompanhados do que antes. Há uma semana, nos sentimos um pouco mais sozinhos e agora nos sentimos muito acompanhados por grandes potências ”, afirmou.

Ele disse que a turnê foi propícia a mostrar à Europa a verdadeira face da Argentina e o modelo progressivo e aberto ao mundo que está dirigindo seu governo.

“Na Europa, alguns acreditavam que tínhamos uma vocação diferente. Essas dúvidas foram dissipadas. Eu acho que ajudou muito. Também para aqueles que, de dentro, acreditavam que estávamos nos marginalizando do mundo. Eles devem estar descobrindo o quanto mentiram para eles ”, disse ele.

¿Qual é o interesse da Europa em «ajudar» a Argentina?

O apoio da Itália, Alemanha, Espanha e França, quatro dos grandes nomes da União Européia (UE), abre a questão sobre qual é a agenda que move esses países?

Além do interesse pelo qual a Argentina pode chegar a um acordo com o FMI sobre a reestruturação de sua dívida, a Europa vê na Argentina uma fonte de recursos como o lítio, um metal leve conhecido como «ouro branco» usado na fabricação de baterias de carro.

O Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS) coloca a Argentina na quarta posição na produção mundial de lítio, atrás da Austrália, Chile e China, com cerca de 873.000 hectares de exploração disponíveis.

Por outro lado, a União Européia, especialmente a Alemanha, compete com a China na América Latina e procura maneiras de fortalecer seu impacto na região.

Em setembro de 2019, a China se tornou o principal parceiro comercial da Argentina, com uma troca comercial de quase 2 bilhões de dólares, dos quais metade eram importações.

A estratégia européia baseia-se em equiparar o poder à China, em vez de estar em desvantagem diante do grande poder econômico.

¿Veto ou apoio dos Estados Unidos?

Embora o apoio da Europa à Argentina em suas negociações com o FMI possa ser um fator importante, não é inteiramente decisivo para facilitar um acordo.

Para o economista e acadêmico Juan Valerdi, Espanha, Itália, França e Alemanha são «membros importantes» do organismo, mas «a decisão final está nas mãos dos Estados Unidos», que tem o poder de veto dentro do organismo.

No entanto, em declarações ao Sputnik, ele disse que «embora eles não tenham capacidade de decidir, os países europeus têm um peso na discussão global do novo sistema financeiro».

No momento, o presidente dos EUA, Donald Trump, parece estar interessado em «apoiar» a nação sul-americana.

«Como está a Argentina?», Trump perguntou ao embaixador da Argentina em Washington, Jorge Argüello, quando apresentou suas credenciais na Casa Branca.

“Eu disse a ele que estamos tentando fazer a economia crescer e o desemprego diminuir. Expliquei que um passo essencial é reformular os termos da crise da dívida que nos mantêm sob controle ”, afirmou o embaixador.

«Também contei a ele a expectativa que existe no meu país de ter o apoio dos Estados Unidos em uma negociação tão complexa (…) Nosso objetivo estratégico é crescer novamente. E para isso precisamos primeiro resolver a crise da dívida. Aqui quero parar, presidente, porque nosso país precisa do apoio do seu governo ”, acrescentou o embaixador.

Segundo Argüello, a resposta do inquilino da Casa Branca foi positiva. «Diga ao presidente Fernández que você pode contar com esse presidente», disse Trump, segundo El Clarín.

Diante dessa resposta, é necessário esperar que Trump indique as condições desse apoio ao governo Fernández. Por enquanto, o embaixador Argüello mostrou cautela e disse que o primeiro sinal do governo Trump de renegociação da dívida que a Argentina deve enfrentar «não significa necessariamente que eles estejam alinhados com os interesses argentinos».

Comentarios

Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos , gracias :)

   Conocer más >
4,309,092FansMe gusta
320,815SeguidoresSeguir
370,400SeguidoresSeguir
17,600SuscriptoresSuscribirte

Edición Impresa El Ciudadano

Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos y obtén tu ciudadanía :)

   Donar >

Los Más Leídos