Coronavírus no Brasil: nas sombras da pandemia cresce o poder dos evangélicos

Segundo pesquisa da empresa Datafolha, esse grupo religioso avalia positivamente a administração do presidente, por contrariar medidas de prevenção e confinamento.

466

O Brasil ultrapassou 60.000 mortes por coronavírus e 1,4 milhão de infectados, mas em meio à profunda crise causada pela pandemia do COVID-19, líderes, pastores, parlamentares, proprietários de mídia e fiéis evangélicos consolidam seu poder político .

Esses grupos religiosos foram cruciais para a extrema direita Jair Bolsonaro chegar à Presidência, com um discurso acusado de intolerância, autoritarismo e referências a Deus.

Durante o segundo turno das eleições presidenciais de 2018, eles concederam a Bolsonaro cerca de 11 milhões de votos, para que o Presidente, ciente da importância do voto evangélico, faça o possível para continuar mantendo seu apoio.

«Entender o peso da presença do setor evangélico no projeto de poder de Bolsonaro é essencial para entender como o Brasil passou a governar e como se mantém, apesar da sucessão de escândalos em seu governo e, também, em sua família», afirmou. a jornalista Janaína Figueiredo, em artigo publicado por La Nación.

Desde que assumiu a Presidência em janeiro de 2019, Bolsonaro propôs governar como representante de uma extrema-direita evangélica nacional, promovendo autoritarismo, sectarismo, ocidentalismo, anticomunismo e liberalismo econômico.

O poder dos evangélicos

O Brasil é o país com o maior número de católicos, com um total de 120 milhões de fiéis. No entanto, um estudo da empresa Datafolha indica que, enquanto o número de católicos diminui 1,2%, os evangélicos crescem em média 0,8% ao ano.

Jair Bolsonaro aproveitou a ascensão dessa comunidade religiosa, se batizou evangélico e formou uma aliança política para chegar e agora permanecer no poder.

De acordo com os resultados do censo nacional de 2010, 20% da população brasileira pertence a uma igreja pentecostal ou neopentecostal. No entanto, a pesquisadora Mariana Kalil, professora do Colégio Superior de Guerra do Ministério da Defesa, considera que o percentual deve ser maior, o que explica por que Bolsonaro ainda mantém uma base de apoio popular de 25%, apesar dos desastrosos de sua gestão nos campos político, econômico, social e de saúde.

Além disso, 30% dos deputados brasileiros são evangélicos.

Obstáculo à prevenção do COVID-19

Mariana Kalil estuda o papel dos evangélicos na pandemia e uma de suas conclusões preliminares é que esses grupos foram, desde o início, um obstáculo à elaboração de uma estratégia de comunicação de riscos que permitisse transmitir a gravidade da crise à população. saúde e a necessidade de cumprir o isolamento social como medida preventiva.

“Os evangélicos falam sobre a teoria da prosperidade e acreditam que com a religião você pode ser curado e salvo. Se o governo, como alegou o ex-ministro da Saúde Luiz Henrique Mandetta, tivesse aplicado duras políticas de distanciamento social, Bolsonaro seria tratado como traidor «, explicou ele ao La Nación.

No Brasil, a pandemia está progredindo de forma alarmante, enquanto o presidente recebeu inúmeras críticas por se opor ao confinamento e ao distanciamento social e por ter classificado o COVID-19 como «influenza».

No entanto, de acordo com uma pesquisa realizada pela empresa Datafolha, os evangélicos avaliam a administração do Presidente de uma maneira mais positiva, uma vez que são contra medidas preventivas.

Cerimônias maciças em meio a uma pandemia

Líderes evangélicos influentes como Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus, e Silas Malafaia, da Assembléia da Igreja de Deus Vitória em Cristo, são grandes críticos do isolamento social no Brasil e estão alinhados com Bolsonaro.

Em vários templos evangélicos, os serviços pessoais continuam onde, apesar das medidas tomadas para manter a distância entre os fiéis e dar gel desinfetante na entrada, até 3.000 são observados na mesma sala em uma pandemia.

«Eles acreditam que Deus pode resolver isso. A idéia é que «Deus fornece tudo» e você não precisa se isolar «, disse à BBC Mundo Cecília Mariz, professora de sociologia da religião na Universidade do Estado do Rio de Janeiro.

Mariz indicou que por trás dessa posição há razões de fé e interesses econômicos de algumas igrejas que temem que a crise diminua a prosperidade e as contribuições que recebem de seus seguidores. «Se você parar de trabalhar, diminua o dízimo», enfatizou.

O pastor e historiador Brian Kibuuka concordou e afirmou que, além de uma visão compartilhada do mundo e dos valores morais, a relação entre Bolsonaro e evangélicos está relacionada a um negócio milionário ameaçado pelo coronavírus.

«A única saída hoje para as igrejas evangélicas é pressionar o governo a retomar todas as atividades. Eles não podem se sustentar com igrejas fechadas. Além disso, muitos devem milhões à Receita Federal (agência de cobrança de impostos) «, afirmou o pastor.

Apoio político

A política negacionista de Bolsonaro diante do fato de o Brasil estar enfrentando uma profunda crise de saúde e é o segundo país com os casos e mortes mais registrados do COVId-19, atrás dos Estados Unidos, diminuiu seu nível de aprovação. 44% da população considera seu governo «ruim ou péssimo», e os protestos estão se fortalecendo a cada dia.

Diante dessa rejeição, o presidente optou por se refugiar em seus aliados religiosos. No início deste mês, ele recebeu vários líderes evangélicos no Palácio do Planalto, incluindo Edir Macedo, da Igreja Universal do Reino de Deus.

Após a reunião, todos rezaram juntos por Bolsonaro e repudiaram «a convulsão social e institucional», numa época em que marchas a favor da democracia estavam ocorrendo em cidades como Rio e São Paulo.

Os representantes da comunidade evangélica disseram que Deus é quem escolhe e, se necessário, remove as autoridades políticas do país.

Dias depois, a imprensa local revelou que, nos últimos meses, o Ministério da Comunicação (Secom) entregou mais de 30 milhões de reais (5,5 milhões de dólares) à mídia evangélica, incluindo o grupo Record, que pertence a Macedo. », relatou La Nación.

Eleitorado fiel

Para Bolsonaro preservar a fidelidade do voto evangélico, ele deve manter-se firme aos ideais políticos e sociais desses grupos.

Para o deputado e pastor Marco Antonio Feliciano, do Partido Republicano, atualmente 90% da base social de Bolsonaro é evangélica e garantiu que «o apoio permanecerá firme enquanto o presidente defender Deus, o país, a família e não se envolver em corrupção ».

Alinhado à retórica do presidente e de seus ministros, Feliciano ataca aqueles que exigem uma gestão da pandemia focada na preservação de vidas e não na proteção do poder econômico.

Ele garantiu que «a radicalização política chegou a tal ponto que a esquerda e outros setores que querem destituir o presidente estão jogando pior, melhor; e entre Bolsonaro e o vírus, eles defendem o vírus «.

Para a pesquisadora Mariana Kalil, o presidente é um reflexo de sua base de apoio social e político e afirmou que, embora Bolsonaro continue cometendo erros graves e haja evidências de sua má gestão, os fiéis das igrejas evangélicas continuarão apoiando «seu apoio no fé e nessa base tudo é perdoado.

Para Kalil, esses setores colaboraram com a campanha «visando normalizar a pandemia e as mortes, assim como sempre normalizaram a violência nas políticas de segurança pública».

O pastor Brian Kibuuka lembrou que, durante a década de 1970, os evangélicos oraram pelos militares que assumiram o poder após o golpe de 1964 e “hoje rezam por Bolsonaro, em meio a constantes ameaças ao sistema democrático.