Dados de medo: América acumula metade dos casos de COVID-19 no mundo

O Brasil, com 212 milhões de habitantes, supera os registros de todo o continente asiático, que não chega a um milhão de infecções, apesar de ter 4.463 milhões de habitantes

383
Covid

A pandemia causada pelo novo coronavírus SARS-CoV-2, causando a doença de COVID-19, não está causando estragos apenas nos Estados Unidos, o epicentro mundial do surto, mas também na América Latina, uma região que já possui mais de 100.000 falecido e dois milhões de casos positivos. Se adicionarmos os Estados Unidos e o Canadá, o continente acumula pelo menos metade dos contágios registrados no mundo.

Por quase quatro meses, os cidadãos latino-americanos estão sob rigorosas medidas de confinamento para impedir a disseminação maciça do COVID-19. Mas muitos governos – apesar das repetidas advertências da Organização Mundial de Saúde (OMS) – não aplicaram medidas eficazes de prevenção à saúde, nem realizaram testes suficientes para detectar a presença do vírus em seus territórios a tempo. De fato, até a subestimaram, perdendo o esforço e o sacrifício feitos pela grande maioria dos habitantes.

As perdas econômicas ainda não são quantificáveis. Milhões de empregos perdidos, fechamento de empresas – com maior impacto em empresas pequenas e pessoais -, despejos em massa, aumento da miséria, pobreza e fome; radicalização dos abusos contra os setores historicamente mais vulneráveis ​​e migrantes; um aumento de adultos e crianças que vivem na rua e outro número interminável de histórias negativas que revelaram as costuras pobres e desgastadas que entrelaçam a sociedade latino-americana.

Após quatro meses agonizantes, a pandemia de COVID-19 não pôde ser controlada em todo o continente americano, um território extenso que é o epicentro mundial do surto, com dois surtos extremamente preocupantes: Estados Unidos e Brasil, os dois países com os piores números. a doença, tanto no número de pacientes infectados quanto no número de mortes; e não por acaso, liderados por dois regimes de extrema-direita: ao norte do continente o magnata Donald Trump e ao sul o também empresário, fanático religioso e admirador de Trump, Jair Bolsonaro; ambos – também crentes – que deveriam parar de contar os casos e realizar testes para não continuar a pontuar o ranking negativo do coronavírus.

Ambos os governos, desde que a pandemia ganhou vida na Ásia e na Europa, abordaram a situação com notável indiferença, disseram que era uma gripe e esperavam que nada acontecesse aos seus países. Meses depois, a situação nos países que denunciaram a terrível natureza dessa doença começou a viver de maneira relativamente normal, com um vírus que ainda está presente, mas parecia sob controle, enquanto na América Latina e, principalmente, nos Estados Unidos e no Brasil, a pandemia Tornou-se um monstro incontrolável que deixa as histórias terríveis do que aconteceu na China, Itália, Espanha e outras cidades como praticamente insignificantes.

É assim que o continente americano, especialmente a América Latina e o Caribe, se depara com uma disseminação alarmante e incontrolável do coronavírus, com níveis exponenciais de infecções nunca antes vistas no meio do ano em que o COVID-19 circula no planeta, com o pior em escala global, tanto em infecções quanto em mortes e com o aviso da Organização Pan-Americana da Saúde (OPAS) de que a doença ainda não atingiu seu auge.

COVID-19 e seus números letais

Embora o número de mortes no mundo exceda 470.716 vítimas do COVID-19, em 22 de junho, nos Estados Unidos houve quase metade desses casos fatais, excedendo 225.000 pessoas mortas pela doença.

Desse total, os EUA respondem por mais de 122.000 mortes e o Brasil passa pelas 53.000 fatalidades. Mas esses não são os únicos países do continente com comportamento alarmante em relação à letalidade do vírus.

Outros países com números assustadores aparecem na lista negra do continente: o México, por exemplo, tem mais de 24.000 vítimas; Canadá pelo menos 8.500; Peru indo para 9.000, Chile quase 5.000 e subindo; Equador pelo menos 4.230; Colômbia mais de 2.600; Argentina acima de 1.000, Bolívia perto de 800, República Dominicana perto de 700, Panamá acima de 500, Honduras perto de 400 e El Salvador acima de 100, países que excedem pelo menos três dígitos de mortes.

O vírus, que já infectou mais de nove milhões de pessoas em todo o mundo, atingiu mais de quatro milhões nas Américas.

Somente nos Estados Unidos, o número de infectados é de 2,4 milhões; enquanto no Brasil são quase 1,2 milhão de casos positivos. Mas o mais alarmante não são esses dois países, que são preocupantes para toda a região – especialmente os países vizinhos -, mas o que está acontecendo em populações como as do Peru, Chile, Equador, Colômbia e Bolívia na América do Sul; e na América Central e no Caribe, com Panamá, Honduras, El Salvador e República Dominicana, com um comportamento do vírus que está subindo incontrolavelmente e com um impacto que ainda não pode ser calculado devido à falta de testes de diagnóstico, má gestão do situação de saúde e possível ocultação de números.

Existem também dois países, como Argentina e México, que foram severamente afetados pela pandemia, mas, ao mesmo tempo, governos que têm abordado com tato as medidas sanitárias e a flexibilidade de distanciamento e confinamento social, algo que não ocorre no país. resto dos países mencionados, onde seus governos estão apostando em deixar a quarentena para trás para abrir caminho para a restauração total da atividade econômica.

No México, o número de infecções atinge 196.000 pessoas e 24.000 mortes. Por seu lado, a Argentina registra quase 50 mil infecções e mais de 1.000 mortes.

Foi assim que a América Latina e o Caribe se tornaram o foco do novo coronavírus, uma região onde a pandemia ataca com maior força nos últimos dias, com mais de 100.000 mortes e mais de dois milhões de infecções.

A temer: Peru, Chile, Colômbia, Equador e Bolívia

Já foi dito que o Brasil, nas mãos da extrema-direita Jair Bolsonaro, é o país mais punido da região, com quase 54 mil mortes e quase 1,2 milhão de infecções confirmadas, saldo sinistro que só é superado no mundo pelos Estados Unidos, que registra mais de 122 mortes e 2,4 milhões de casos, segundo a Universidade Johns Hopkins.

Mas existem dados como os registrados pelo Peru e pelo Chile que disparam alarmes ainda mais, pois entre os dois superam 525 mil infecções e estão entre os 10 países do planeta mais afetados pela pandemia. Somente o Peru tem mais de 268 mil casos e ocupa a caixa seis do ranking negativo, superado apenas pelos Estados Unidos, Brasil, Rússia, Índia e Reino Unido.

O Peru é seguido de perto pelo Chile, com 259 mil infecções, número que coloca o país andino na sétima posição no mundo, já acima da Espanha e da Itália, países europeus que foram severamente punidos. Os números letais do Peru já estão perto de 10.000 vítimas, com 8.700 mortes; enquanto o Chile conta 4.900, mas com uma curva exponencial de casos que praticamente se tornou uma linha reta que aponta para o céu.

Relacionado:  Efeito Bolsonaro: como um presidente conseguiu destruir a Amazônia brasileira em tempo recorde

O mesmo comportamento do vírus ocorre no Equador, Colômbia e Bolívia, todos os países vizinhos do subcontinente sul-americano. O Equador, por exemplo, onde o governo tem sido duramente criticado por aplicar maquiagem ao número real de infectados e mortos, tem mais de 53.000 casos e 4.300 mortes.

A Colômbia, por sua vez, apresenta mais de 77 mil casos e 2.600 mortes, números criticados pelo governo da Venezuela, que acusa o regime de Iván Duque de apresentar subnotificação por não realizar a quantidade necessária de testes de diagnóstico para confirmar casos positivos, o que Sim, eles foram contabilizados pela Venezuela ao registrar, nas últimas semanas, desde quase 2.000 casos importados de pessoas que chegam infectadas e retornam ao seu país devido às condições miseráveis ​​de vida que sofrem no território colombiano.

De fato, a Venezuela mantém um registro de casos comunitários e importados para mostrar o verdadeiro comportamento do COVID-19 em seu território. Dos 4.563 casos que a Venezuela representa, com 39 mortes, a grande maioria ocorreu devido a casos importados de migrantes que retornam de países como Colômbia, Equador, Peru, Chile e Brasil, outra porcentagem de pessoas que tiveram contato com esses migrantes. , e um número menor de pessoas para os chamados casos comunitários, ou seja, casos produzidos no país.

Até recentemente, a Venezuela era responsável por apenas 10 mortes por COVID-19 e o número chegou a 35 vítimas após um surto detectado no estado de Zulia, na fronteira com a Colômbia, no qual se presume que a doença se espalhou por uma pessoa que chegou infectada com país neogranadino. Diante disso, Caracas mantém um controle rígido sobre as fronteiras compartilhadas com o Brasil e a Colômbia, para tentar impedir a todo custo que a virulência da doença se espalhe como nesses países, especialmente em áreas onde existem estradas ilegais chamadas «trochas», onde as pessoas entram sem nenhum tipo de controle sanitário e que possam gerar uma situação catastrófica,

O outro país a temer na lista de sul-americanos que não têm controle sobre a pandemia e estão sob um regime ditatorial, repressivo e corrupto – além disso – é a Bolívia com Jeanine Áñez no comando, um regime de fato que também foi denunciado por disfarçar o número de vítimas que, como aconteceu no Equador, parecem deitadas nas ruas. Segundo os números revelados, a pandemia causou quase 28.000 casos e matou quase 900 pessoas.

Covid

COVID-19 nos EUA e no Brasil ainda está fora de controle

Embora o vírus reflita seus piores números na América Latina atualmente, com um aviso da OMS de que tempos ainda piores estão chegando, nos Estados Unidos, longe de diminuir a incidência de casos, o coronavírus continua a se espalhar com alta virulência e letalidade.

A pandemia no território dos EUA mudou do nordeste para o sul e oeste da gigante norte-americana, atingindo com força o vizinho Canadá, que é responsável por mais de 103.500 casos com quase 8.500 mortes.

De acordo com os relatórios mais recentes nos Estados Unidos, mais de uma dúzia de estados estão relatando seu maior número de novas infecções atualmente; como o presidente Donald Trump contrata seus apoiadores para realizar comícios em massa para tentar buscar sua reeleição para a Casa Branca.

Os números dos EUA mantêm taxas alarmantes de mortes com cerca de 500 fatalidades e 20.000 infecções diárias por coronavírus.

No caso do Brasil, com apenas 212 milhões de habitantes, seus números infelizes superam os registrados em todo o continente asiático, que não atinge um milhão de infecções, apesar de ter 4.463 milhões de habitantes. Enquanto isso, Bolsonaro continua a abordar a crise de saúde com indiferença e desrespeito pelas vítimas, e disse que «infelizmente em uma situação como esta, sempre há mortes».

Enquanto tudo isso está ocorrendo e quando o vírus ataca de maneira mais grosseira, os governos do continente aspiram a tomar as mesmas medidas executadas na Europa com flexibilidades nas medidas sanitárias e preventivas, especialmente aquelas relacionadas ao confinamento e à atividade econômica; situação que torna a região mais suscetível a contágios descontrolados em massa e, consequentemente, à morte, uma vez que a maioria carece de sistemas de saúde com níveis capazes de responder a pandemias como a atual.

Covid

Recuperação perigosa do vírus na China

Enquanto isso, na China, existem novos casos de contágio na capital, Pequim, uma situação que já disparou alarmes no mundo, pois pode significar um segundo surto maciço que afetaria o planeta, principalmente devido ao relaxamento das medidas de prevenção. isolamento na Europa e em outras regiões que consideram a pandemia «sob controle».

A situação da epidemia em Pequim é considerada «extremamente grave», segundo autoridades municipais, que relataram 27 novas infecções na capital chinesa, enquanto a pandemia continua a se espalhar para a América Latina e na Europa volta com cautela à relativa normalidade.

Por mais de uma semana, houve mais de 100 pessoas infectadas em Pequim, a maioria delas ligada ao grande mercado atacadista de Xinfadi, ao sul de Pequim, que foi fechado.

Pequim, onde vivem 21 milhões de pessoas, está «correndo contra o relógio» contra o novo coronavírus, admitiu na terça-feira o porta-voz do prefeito, Xu Hejian.

As autoridades confinaram os habitantes de 30 áreas residenciais da cidade, fecharam escolas e centros de lazer e realizaram cerca de 90.000 exames diagnósticos por dia, enquanto temiam uma «segunda onda» no país em que essa pandemia eclodiu, no ano passado. Dezembro.

O resto do mundo, incluindo a OMS, olha para a China com uma lupa e com preocupação como se fosse um espelho no qual elas vêem refletido o que poderia acontecer em outros territórios no futuro próximo.

350 milhões de pessoas em risco de morte

Na Europa, países como Alemanha, França, Bélgica ou Grécia levantaram restrições ao movimento de viajantes na União Europeia desde a semana passada, considerando que a pandemia está sob controle.

Na Nova Zelândia, onde há duas semanas as autoridades comemoraram que não havia mais casos de coronavírus no país e retiraram as restrições, dois novos casos foram registrados na última terça-feira, o primeiro em 25 dias, em pessoas que chegaram do Reino Unido.

Um estudo britânico publicado na semana passada concluiu que 1,7 bilhão de pessoas, ou 22% da população mundial, tem pelo menos um fator de risco que as torna mais suscetíveis a contrair uma forma grave de covid-19.

Entre estes, 350 milhões de pessoas estão particularmente expostas e precisariam ser hospitalizadas se pegassem o vírus.

Segundo o britânico Angus Deaton, vencedor do Prêmio Nobel de Economia, a pandemia revelou as enormes desigualdades existentes no mundo, que podem ser ainda mais agravadas. Segundo ele, a pandemia de coronavírus é como um «raio-X que torna as desigualdades pré-existentes ainda mais visíveis».