É assim que Trump pretende esconder a crise de saúde nos Estados Unidos

24
Maduro

Em meio à crise mundial causada pela pandemia do coronavírus da COVID-19, o governo dos Estados Unidos apresentou na quinta-feira uma acusação criminal contra o presidente venezuelano Nicolas Maduro e outros altos funcionários e ex-funcionários da nação caribenha por supostamente assumirem um papel de liderança no tráfico de drogas ilegais.


As acusações representam uma nova escalada na pressão exercida pela administração do presidente norte-americano Donald Trump para tentar derrubar Maduro, que até agora não deu frutos.

Depois de chamar o presidente constitucional da Venezuela de «ilegítimo» e «ditador», promovendo ações desestabilizadoras, apoiando e patrocinando o autoproclamado «presidente interino» Juan Guaidó, orquestrando golpes de Estado e aplicando sanções econômicas, o inquilino da Casa Branca optou agora por acusar Maduro de liderar um cartel de drogas.

O Procurador-Geral dos EUA, William Barr, foi acusado de apresentar acusações formais de narcoterrorismo, tráfico de armas e corrupção contra o presidente venezuelano.

As acusações também são dirigidas contra 13 altos funcionários venezuelanos, incluindo o presidente do Supremo Tribunal de Justiça (TSJ), Maikel Moreno; o Ministro da Defesa Vladimir Padrino López; o chefe da Assembleia Nacional Constituinte, Diosdado Cabello; e o Ministro da Indústria e Produção, Tareck El Aissami.

Também estão na lista o General (aposentado) Hugo Carvajal Barrios, ex-diretor da Diretoria de Inteligência Militar da Venezuela (DGCIM); e Clíver Alcalá Cordones, Major-General (aposentado) do Exército venezuelano.

Barr indicou que Maduro poderia enfrentar uma pena mínima de 50 anos de prisão e uma máxima de prisão perpétua.

A acusação afirma que o líder venezuelano «ajudou a liderar e eventualmente liderou» uma organização criminosa conhecida como o Cartel Sunshine.

Segundo as autoridades americanas, sob sua liderança, o cartel «procurou não apenas enriquecer seus membros e aumentar seu poder, mas também inundar os Estados Unidos com cocaína e infligir os efeitos nocivos e viciantes das drogas nos usuários de drogas neste país».

O texto afirma que Maduro e outros membros do cartel «priorizaram o uso da cocaína como arma contra os Estados Unidos da América e importaram o máximo possível de cocaína para os Estados Unidos».

«O regime de Maduro está inundado de dinheiro e criminalidade», disse Barr, observando que o presidente «permitiu que a Venezuela fosse usada como porto seguro para o tráfico de drogas» na região.

Ele disse que há rotas, incluindo a Venezuela, pelas quais entre 200 e 250 toneladas métricas de cocaína são movimentadas para o país dos EUA e outros territórios.

«Essas 250 toneladas métricas são equivalentes a 30 milhões de doses letais», disse ele.

Ele também acusou o presidente e seus altos funcionários de supostamente conspirar com as extintas Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia (FARC) «para inundar os Estados Unidos com cocaína, para minar a saúde e o bem-estar da nossa nação».

Em seu papel de líder do Cartel Los Soles, Maduro negociou remessas de várias toneladas de cocaína produzida pelas FARC, de acordo com Barr.

Ele também coordenou «relações exteriores com Honduras e outros países para facilitar o tráfico de drogas em grande escala; e pediu ajuda à liderança das FARC para treinar um grupo de milícias não autorizadas que funcionava, em essência, como uma unidade das forças armadas para o Cartel Los Soles».

Barr disse que as investigações sobre as acusações envolveram funcionários da Drug Enforcement Administration (DEA) e da National Security Investigation Agency (HSI).

15 milhões de dólares para Maduro

Após as acusações serem apresentadas, no melhor estilo «Velho Oeste», o Secretário de Estado Mike Pompeo anunciou em um comunicado à imprensa que os Estados Unidos estão oferecendo uma recompensa de US$ 15 milhões em troca de informações sobre Maduro, e US$ 10 milhões por informações que levem à prisão dos outros líderes, algo que chama a atenção considerando que o líder venezuelano está governando na Venezuela e é totalmente contatável.

 «Esperamos eventualmente colocar esses réus sob custódia, e vamos explorar todas as opções para fazê-lo (…) Alguns deles estão viajando e poderiam oferecer uma oportunidade (para sua prisão)», disse a declaração.

O texto também observou que Washington deu esses passos porque está «comprometida» em «restaurar» a democracia no país sul-americano «através de eleições presidenciais livres e justas».

A terceira maior recompensa

A recompensa oferecida pelo Departamento de Justiça dos EUA para Nicolas Maduro é a terceira maior recompensa na história dos EUA pela prisão de uma pessoa.

O primeiro é para Osama Bin Laden, fundador da Al Qaeda, para quem foram oferecidos 25 milhões de dólares após os ataques terroristas de 11 de Setembro de 2001.

A segunda é a do atual líder da Al-Qaeda, Ayman al-Zawahiri, para quem a mesma quantia (US$ 25 milhões) está sendo oferecida.

Também estão incluídos o líder do Estado islâmico, Abu Bakr al-Baghdadi, com US$ 10 milhões, e o traficante de drogas Joaquín «El Chapo» Guzmán, com US$ 8,5 milhões.

Da mesma forma, sob o Programa de Recompensas de Narcóticos do Departamento de Estado, a nação americana «já pagou mais de US$ 130 milhões em compensação por informações sobre cerca de 75 traficantes de drogas desde que foi criada em 1986″», informou a RT.

¿O que é que a América procura?

Cada acção dos Estados Unidos responde a uma estratégia, por isso as acusações contra Nicolas Maduro não são um movimento aleatório.

Relacionado:  COVID-19 uma injeção de vida a um capitalismo fraudulento

A acusação foi gerada dias depois que o governo venezuelano anunciou a captura de uma pessoa, de nacionalidade colombiana, com um carregamento de armas vindo daquela nação para a Venezuela, para ser usado em ataques a figuras-chave em posições estatais. Estas são acções criminosas das quais o Governo dos EUA estaria ciente.

Também surgiu depois que alguns líderes da oposição apontaram a necessidade de algum entendimento com o Governo para lidar com o surgimento da pandemia de coronavírus, que já tem 107 casos positivos e uma morte na Venezuela, à qual Maduro respondeu, como de costume, com um chamado ao diálogo.

«Ele propôs a sede da Conferência Episcopal como local para o encontro e apontou especificamente Capriles Radonski (ex-presidente em 2013), Henri Flacón (ex-presidente em 2018) e Henry Ramos Allup (deputado e líder da Acción Democrática), sem mencionar (Juan) Guaidó», informou o Izquierda Diario.

«Queremos paz, justiça, democracia, liberdade», ratificou o chefe de Estado venezuelano.

O Izquierda Diario também alegou que a escalada de Washington «tem a ver com um movimento com objetivos domésticos para consolidar seu eleitorado de direita», ou se procura «responder de cima» à acusação de que os EUA estariam envolvidos no plano de desvendar a agressão militar contra funcionários do governo venezuelano da Colômbia.

Outro objetivo seria «dinamizar o cenário possível de um diálogo e acordos entre Maduro e grandes setores da oposição», o que deixaria o enfraquecido Guaidó, «o peão da política dos Estados Unidos em relação à Venezuela no último período», como um zero à esquerda.

As acusações contra Maduro também foram apresentadas no mesmo dia em que se soube que os Estados Unidos, com mais de 80 mil casos relatados, é o país com o maior número de infecções por coronavírus coronário do mundo.

Não seria surpresa se Trump decidisse escalar seu ataque ao governo venezuelano, para desviar a atenção de sua criticada manipulação do surto da COVID-19, e do fato de que a nação americana se tornou o novo foco principal da pandemia.

Modo de golpe de estado

O ministro venezuelano das Relações Exteriores, Jorge Arreaza, rejeitou as acusações de «narcoterrorismo» feitas pelos Estados Unidos contra o presidente Nicolas Maduro e outros membros superiores do seu Gabinete, chamando-lhe «uma nova forma de golpe de Estado».

«A Venezuela denuncia que, num momento em que a humanidade enfrenta a mais feroz das pandemias, o governo de Donald Trump está mais uma vez atacando o povo da Venezuela e suas instituições democráticas usando uma nova forma de golpe de Estado baseado em acusações miseráveis, vulgares e infundadas», disse ele.

De acordo com uma declaração emitida por Arreaza, o governo de Donald Trump está tentando minimizar o alto reconhecimento que a nação sul-americana tem «no combate ao tráfico de drogas plenamente demonstrado em várias arenas multilaterais».

«A política de mudança de governo pela força na Venezuela está destinada ao fracasso. Oferecer recompensas no estilo dos cowboys racistas do Far West mostra o desespero de Washington e sua obsessão pela Venezuela», disse Arreaza, que argumentou que o novo ataque de Trump só busca ganhar mais votos na Flórida.

«A política de mudança de governo pela força na Venezuela está destinada ao fracasso; oferecer recompensas no estilo dos cowboys racistas do Far West demonstra o desespero da elite supremacista de Washington e sua obsessão com a Venezuela para alcançar ganhos eleitorais no estado da Flórida», disse Arreaza.

Da mesma forma, considerou que estas ações também revelam a profunda frustração da Casa Branca com a paz que existe na Venezuela, e a gestão que o governo do Presidente Maduro tem feito diante da pandemia do coronavírus.

Confirmação do golpe de Estado

Algo que não constava nos planos de Donald Trump é que, algumas horas antes de serem anunciadas as acusações contra Nicolás Maduro, Clíver Alcalá Cordones, um dos acusados por fazer parte da suposta rede de tráfico de drogas, ofereceria declarações a uma rádio colombiana, na qual confessava que foi ele quem organizou, a partir da Nova Granada, o plano denunciado pelo governo venezuelano que incluía uma série de assassinatos seletivos, entre eles o do presidente Nicolás Maduro.

Segundo Alcalá, as armas apreendidas pela Venezuela faziam parte de um plano de ações militares dentro do país, e que teria sido um plano aprovado por Juan Guaidó e financiado com os «recursos do Estado venezuelano» que ele tem graças ao apoio do governo dos Estados Unidos.

O major general aposentado salientou que ele próprio era o chefe dessa operação, na qual contrataram «conselheiros americanos», num contrato ao qual o próprio Guaidó teria assinado, do qual, disse ele, tem provas em sua posse.

Ele disse que horas depois que o governo venezuelano anunciou a apreensão das armas, ele mesmo entrou em contato com o governo colombiano para atualizá-la sobre a situação.

«Também não está claro se estas declarações de Alcalá Cordones são uma resposta ao facto ‘estranho’ de ele ter sido incluído na lista do acusado. Ou se a sua inclusão nessa lista se deve ao fato de que o governo venezuelano revelou o plano envolvendo o grande general e os empreiteiros americanos», disse Izquierda Diario.

Alcalá disse que está em casa na cidade colombiana de Barranquilla, como o Governo de Iván Duque sabe, e que está à disposição de Washington e Bogotá, portanto «ninguém tem que cobrar 10 milhões de dólares por informações sobre mim».

No entanto, o presidente venezuelano denunciou que a DEA estava encarregada de dirigir os planos de conspiração confirmados por Alcalá Cordones.

«Os Estados Unidos colocaram a DEA a cargo da operação com Cliver Alcalá. Ele diz que assinou um contrato. Ele assinou o contrato para que a DEA e os EUA se comprometessem a exonerá-lo, deixá-lo em paz e não processá-lo», advertiu ele.

Por enquanto, ele indicou que nas próximas horas serão apresentadas provas desta afirmação, enquanto a acusação abrirá uma investigação contra Juan Guaidó e Clíver Alcalá Cordones pelo «crime confessado de tentativa de golpe de Estado».