Gripe espanhola: Erros de 1918 que os governos estão repetindo com o Covid-19

Embora a pandemia devastadora que afetou o mundo entre 1918 e 1920 fosse conhecida como "gripe espanhola", nenhuma evidência de que os especialistas estejam lidando indica sua origem no país europeu

379

Há pouco mais de um século, a humanidade enfrentou uma pandemia mortal, a gripe de 1918, durante a qual os governos cometeram erros que infelizmente foram repetidos na atual crise de saúde causada pelo COVID-19.

A injustamente conhecida como «gripe espanhola» afetou um terço dos 1,5 bilhões de habitantes do planeta na época. Embora não haja números exatos, os estudos atuais colocam o número de mortes causadas pela pandemia entre 40 e 50 milhões, ou até 100 milhões.

Por esse motivo, pode-se dizer que em menos de dois anos a doença teria matado mais pessoas do que as duas guerras mundiais juntas.

A verdade é que deixou milhões de vítimas, como as pandemias da peste negra, que entre 1347 e 1351 causaram 200 milhões de mortes, e a varíola, que em 1520 acabou com a vida de 56 milhões de pessoas.

Sintomas de gripe

Embora a censura e a falta de recursos no início do século 20 tenham impedido a investigação completa das características do vírus mortal, hoje se sabe que foi causado por um surto do vírus influenza A, subtipo H1N1.

Ao contrário de outros vírus que afetam basicamente crianças e idosos, muitas de suas vítimas eram jovens e adultos saudáveis ​​entre 20 e 40 anos, faixa etária que provavelmente não foi exposta ao vírus durante a infância e, portanto, não teve imunidade natural.

A cepa matou suas vítimas com velocidade sem precedentes. Nos Estados Unidos, havia muitas informações sobre pessoas que saíram da cama doentes e morreram no caminho para o trabalho.

Os principais sintomas desenvolvidos pelos pacientes foram: febre alta, dor de ouvido, fadiga corporal, diarréia e vômito.

«A falta de oxigênio causou um tom azulado no rosto; as hemorragias encheram os pulmões de sangue e causaram vômito e sangramento nasal, de modo que os pacientes se afogaram com seus próprios fluidos «, relatou a National Geographic.

A maioria das pessoas que morreram durante a pandemia apresentou um quadro de pneumonia bacteriana secundária, que não pôde ser tratada adequadamente, pois não havia antibióticos disponíveis.

«No entanto, um grupo morreu rapidamente após o aparecimento dos primeiros sintomas, geralmente com hemorragia pulmonar aguda maciça ou edema pulmonar, e freqüentemente em menos de cinco dias», relatou o portal Gaceta Médica.

Reconstrução do vírus

Nas centenas de autópsias realizadas em 1918, os principais achados patológicos foram limitados ao sistema respiratório, de modo que os resultados se concentraram na insuficiência respiratória, sem avaliar a circulação de um vírus pelo organismo.

Diferentes publicações médicas da época tentaram responder às causas da pandemia. No entanto, a reconstrução do vírus levou muitos anos e até décadas.

A recuperação do tecido pulmonar de uma vítima enterrada no solo congelado do Alasca, juntamente com algumas amostras preservadas de soldados dos EUA, permitiu que o genoma fosse sequenciado e o vírus reconstruído em 2005, sob fortes medidas de segurança no Center for Disease Control Estados Unidos (CDC).

Experimentos com o vírus recriado confirmaram sua virulência: em camundongos infectados, ele se reproduzia 39.000 vezes mais do que uma gripe normal.

Além disso, estudos com macacos revelaram que ele costumava desencadear o que é conhecido como «tempestade de citocinas», uma complicação que aparece devido a uma resposta imune exagerada e que poderia explicar a morte em jovens, com um sistema imunológico mais robusto.

A gripe não espanhola

Embora a pandemia devastadora que afetou o mundo entre 1918 e 1920 tenha ficado na história como uma «gripe espanhola», nenhuma das evidências manipuladas por especialistas indica que ela se originou na nação européia.

Antes de chegar à Espanha, a gripe já havia causado muitas mortes nos Estados Unidos e na França. O detalhe foi que a mídia nos países que participaram da Primeira Guerra Mundial estava sob censura militar e ocultou a pandemia.

Na Espanha, que era um país neutro durante a guerra, a imprensa noticiou novos casos da pandemia, conhecida popularmente como «O Soldado de Nápoles», por uma música muito cativante que foi cantada em uma zarzuela na moda. Foi isso que deu a sensação de que era o único país afetado e é por isso que a doença ficou conhecida no mundo como «gripe espanhola».

«A doença não se originou na Espanha, mas como a imprensa poderia denunciá-la, muitas pessoas pensaram errado, já que outros países não denunciaram seus casos devido à censura em tempo de guerra», explicou o historiador Cédric Cotter ao jornal. Agência EFE.

No entanto, muitos estudos confirmam que o surto começou nos Estados Unidos, especificamente no estado do Kansas.

«As evidências epidemiológicas sugerem que um novo vírus da gripe se originou no condado de Haskell, Kansas, no início de 1918, viajou para … uma enorme base do Exército e daí para a Europa», explicou John M. Barry, autor do livro A gripe grande: a história épica da peste mais mortal da história.

Segundo Barry, a doença se espalhou «pela América do Norte para Europa, América do Sul, Ásia e África».

Segundo os registros, em 4 de março de 1918, um soldado de um centro de treinamento apareceu na enfermaria de Fort Riley, no Kansas, sofrendo de febre. Em poucas horas, centenas de recrutas adoeceram com sintomas semelhantes e, nas semanas seguintes, muitos outros adoeceram.

Relacionado:  Milionário alemão diz que tem a cura: ¿a vacina COVID-19 está pronta?

Em abril, o contingente americano desembarcou na Europa portando o vírus. As trincheiras lotadas e os campos de guerra tornaram-se o habitat ideal para a epidemia. A infecção se moveu com os soldados, até chegar à França.

No caso da Espanha, que não esteve envolvida na guerra, acredita-se que o vírus tenha vindo de trabalhadores temporários da França.

Apesar de não ser o epicentro, a Espanha foi um dos países mais afetados, com oito milhões de pessoas infectadas e 300 mil mortes.

Medidas de prevenção

Com o surgimento da pandemia, o uso de máscaras de pano tornou-se obrigatório para todos aqueles que realizavam trabalhos de assistência pública. Essa recomendação de saúde foi estendida ao restante da população para impedir que a doença se espalhasse tão facilmente.

Os governos tomaram medidas preventivas para tentar parar a crise: teatros, circos, oficinas, fábricas e locais públicos foram fechados; eventos foram suspensos; a importação de mercadorias do Marrocos era proibida; Os estrangeiros que entraram nas cidades foram identificados e as aulas, matrículas e exames foram prorrogados.

Na ausência de um tratamento comprovado, foram publicados anúncios com remédios milagrosos nos jornais da época: elixires, águas medicinais, tônicos, entre outros.

Tomar analgésicos em doses agora consideradas contraproducentes também foi recomendado, e até a população foi sugerida a fumar porque se pensava que a inalação da fumaça mata germes.

Três ondas da gripe

O drama da guerra também serviu para esconder as taxas extremamente altas de mortes causadas pelo novo vírus. Nos primeiros momentos, a doença ainda não era conhecida e as mortes eram frequentemente atribuídas à pneumonia.

As trincheiras e acampamentos lotados da Primeira Guerra Mundial tornaram-se o habitat ideal para a epidemia.

A primeira onda na primavera de 1918 aconteceu em algumas semanas, mas isso foi apenas um alívio passageiro. Após o verão de 1918, a epidemia estava pronta para entrar em sua fase mais mortal.

«As treze semanas de setembro a dezembro de 1918 constituem o período mais intenso, com o maior número de mortes», afirmou a revista americana National Geographic.

Essa segunda onda atingiu primeiro as instalações militares e a partir daí se espalhou para a população civil. Em outubro, atingiu seu auge: funerais e cemitérios não foram suficientes, e a celebração de funerais individuais foi impossível. Muitos dos falecidos acabaram em valas comuns.

Após uma pausa na propagação da doença no final de 1918, a terceira e última fase começou em janeiro do ano seguinte.

“Até então, a pandemia já havia perdido muita força. A dureza do outono do ano anterior não se repetiu, então a taxa de mortalidade caiu «, disse a publicação dos EUA.

Quando o verão de 1920 chegou, o vírus desapareceu, exatamente como havia chegado.

No entanto, a pandemia afetou quase todas as regiões do mundo: somente na Índia, as mortes atingiram entre 12 e 17 milhões. Na Grã-Bretanha, 228.000 pessoas morreram, na Espanha, 300.000 habitantes e nos Estados Unidos, o número de mortes ultrapassou meio milhão.

Embora seja difícil obter dados exatos sobre o número de mortes, a taxa geral de mortalidade foi entre 10 e 20% das pessoas infectadas.

Paralelismos com COVID-19

O historiador Cédric Cotter, investigador do Comitê Internacional da Cruz Vermelha, apontou que a situação causada pela gripe de 1918 e a gerada pelo COVID-19 têm paralelos que devem ser levados em consideração.

«A história nunca se repete completamente, mas as tendências podem ser vistas em um desses eventos e também no outro», explicou, dando como exemplo o uso político que foi feito na época da pandemia do século 20, a fim de culpar e estigmatizar países rivais ou inimigos.

Em 1918, a epidemia foi apelidada com termos como doença bolchevique, vírus francês ou peste alemã ou, finalmente, «gripe espanhola». Em 2020, o presidente dos EUA, Donald Trump, tenta popularizar o termo «vírus chinês» para se referir ao COVID-19, a fim de desacreditar o gigante asiático como o principal rival econômico do país norte-americano.

«Faz parte da natureza humana culpar o outro pelo que acontece conosco, mas quando é feito para fins políticos é inútil e apenas alimenta o ódio», disse Cotter, citado pela agência de notícias EFE.

O analista destacou a censura como outro paralelo entre a gripe de 1918 e o coronavírus 2020, pois em ambos os casos havia evidências da proliferação de falsos boatos e, às vezes, esforços excessivos das autoridades para controlar o fluxo de informações relacionadas à saúde público.

Quanto aos rumores, Cotter apontou que «as ‘notícias falsas’ são tão antigas quanto a humanidade» e lembrou que em 1918 circulavam hipóteses entre as potências aliadas (França, Reino Unido, Rússia e EUA) de que os alemães tinham desenvolveu a doença como uma arma biológica.

Enquanto isso, em terras alemãs «foi dito que o vírus era uma mera invenção do governo e que os mortos não eram devidos à influenza, mas à desnutrição».

Segundo Cotter, os rumores de ontem e de hoje – multiplicados em 2020 pelas redes sociais – foram tentados parar com a censura, que «não é o melhor método, porque as pessoas tentam procurar informações em qualquer lugar».

«O que é necessário é que as autoridades sejam transparentes ao explicar por que tomam as medidas, para que as pessoas as sigam e não tentem procurar respostas em outras fontes de informação», enfatizou.