¿Imprensa livre na Colômbia? 515 ataques e 2 assassinatos na era Duque

O sul do país é uma das regiões onde as ameaças se intensificaram, enquanto o medo aumentou após o assassinato de três jornalistas equatorianos em 2018

A guerra contra a verdade e o livre exercício do jornalismo na Colômbia é outro ápice do conflito e da violência sofrida por seus cidadãos há mais de seis décadas.

O relatório mais recente apresentado pela Fundação para a Liberdade de Imprensa (FLIP), publicado em 9 de fevereiro, indica que durante o regime de Uribista Iván Duque, os números que refletem a ação contra a liberdade de presa aumentaram desproporcional, a ponto de confirmar mais de 500 casos de ameaças graves contra jornalistas e repórteres.

No total, somente em 2019 houve 515 ataques à imprensa, dois deles homicídios: o do produtor audiovisual Mauricio Lezama, na região de Arauca, e o repórter comunitário Libardo Montenegro, em Samaniego, Nariño.

«2019 foi atravessado por diferentes formas de censura: de ameaças violentas que levaram ao exílio, à proibição de opinião e denúncia de um caso em que o jornalista é vítima», diz FLIP, cujo relatório afirma que desse total, 13 casos ameaçados decidiram obedecer «à estratégia do silêncio», salvaguardar a vida dele e a de seus parentes.

A FLIP acrescenta que, além disso, houve quatro seqüestros e 137 ameaças.

Também destaca o estudo que «uma dívida que o jornalismo tem com as mulheres acarreta um custo muito alto para jornalistas que denunciam a violência de gênero, pois eles se tornam alvo de ataques e tentativas de censura»

Esses dados foram revelados no relatório «Cale a boca e finja, a censura usual», em que a FLIP aborda esses casos e descreve a violência como «o principal inimigo do jornalismo» no país.

Impunidade contra o jornalismo

Entre 1977 e 2019, Flip registrou o assassinato de 159 jornalistas na Colômbia, por motivos relacionados ao seu comércio. Em uma, toda a cadeia criminal foi condenada; em quatro, os autores intelectuais foram condenados; em 29, os autores dos materiais; em 125, nada aconteceu; portanto, a impunidade é de 78,61%.

É surpreendente que justamente durante 2019 as agressões diretas contra jornalistas tenham aumentado para mais de 500 casos, apenas um ano em que houve uma enorme variedade de protestos e manifestações contra o governo de Iván Duque, em rejeição de seu modelo político e para solicitar Uma mudança real na sociedade colombiana.

À medida que aumentavam as agressões contra a guilda do jornalismo, aumentavam as execuções extrajudiciais paralelas, homicídios, assassinatos, desaparecimentos forçados, tortura e massacres contra populações indígenas, rurais e camponesas que se manifestavam contra o regime de Duque.

Da mesma forma, foi visto como a repressão armada pelo Exército e pelas forças policiais aumentou substancialmente, a ponto de matar trabalhadores, trabalhadores e estudantes em dias inteiros de protestos nas ruas, que juntos somam grande descontentamento geral contra Duque e sua baixa aceitação popular.

Para a jornalista Natalia Cabrera, citada no relatório, a falta de diligência por parte da Polícia vai além: “As denúncias feitas por jornalistas contra ameaças são tomadas pela Polícia como se alguém as tivesse procurado e em outras. Às vezes, eles os dispensam porque dizem que não são verdadeiros ou estão relacionados a problemas pessoais. ”

Esta foi precisamente a posição que a instituição assumiu contra o assassinato de Libardo Montenegro. Segundo Jhon William Peña, coronel da polícia encarregado do Comando Operacional de Segurança do Cidadão de Nariño, o comunicador era apenas um locutor dedicado ao trabalho periférico, descartando o trabalho informativo que o Montenegro realizou na rádio comunitária.

Relacionado:  Pesadelo no Equador: Lenín Moreno não pode esconder os cadáveres por COVID-19

«Uma decisão desta natureza é contrária à Diretiva 002 de 2017 da Procuradoria-Geral da Nação, que estabelece que, em casos de crimes contra defensores de direitos humanos, a entidade deve assumir a relação com Sua atividade profissional.

Na investigação do caso de Montenegro, o Ministério Público, sem maiores evidências, assegurou o seguinte: “é possível mencionar a existência de evidências relevantes, que inferem que as motivações da conduta punível podem corresponder a problemas pessoais mantidos pela vítima”, cite o FLIP.

No caso de Mauricio Lezama, a situação é ainda mais preocupante, porque o Ministério Público descartou a relação de homicídio com suas tarefas de disseminar informações de interesse geral, porque não tem o status de jornalista: “Não é tratado como hipótese que O homicídio está relacionado à atividade jornalística, já que a vítima não era jornalista. ”

Vários jornalistas não hesitam em divulgar frases lapidárias sobre como lidar com esses tipos de situações: «Há dias em que você acorda querendo deixar o emprego e não se expor mais», diz FLIP.

A isto se acrescenta, como os grandes traficantes da Colômbia – incluindo o cartel mexicano de Sinaloa que está presente na Colômbia – sempre «buscam impor sua lei do silêncio a dezenas de comunidades em várias regiões do país», regiões «onde repórteres são vítimas de intimidação ou testemunhas de violência contra seus colegas. A autocensura se torna uma alternativa para sobreviver ».

Relacionado:  CELAC: O fórum necessário para a América Latina enfrentar o COVID-19 juntos

Medo de informar depois de quebrar o acordo de paz

Essa situação é replicada na região de Arauca, o departamento em que as ameaças aumentaram mais em 300%. A esse respeito, a FLIP detalha que registrou 26 ataques em 2019, 17 em 2018 e nove em 2017.

«A mensagem que seus assassinos enviaram com esses crimes teve um efeito imediato entre os jornalistas» porque o medo dos repórteres aumentou. «Você sabe que não pode fazer nenhuma reclamação porque saberá imediatamente quem era», cita um testemunho de um jornalista no relatório da FLIP.

O sul do país é outra das regiões onde as ameaças se intensificaram. O medo aumentou após o assassinato de três jornalistas equatorianos em 2018. Alguns tiveram que fugir, como o repórter da Caracol Televisión, Eduardo Manzano, que deixou o país após ameaças de cobrir a situação no norte de Cauca.

O relatório diz que após a assinatura do Acordo de Paz – quebrado pelo regime Uribista de Iván Duque – com as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército Popular (FARC-EP), houve uma disputa de «sangue e fogo» entre grupos paramilitares e «a imprensa foi encurralada no confronto». Além disso, a resposta do Estado «não foi pontual».

O resultado é que 583 jornalistas foram ameaçados entre 2017 e 2019, enquanto 257 foram ameaçados no triênio anterior (2014-2016).

Arauca, Nariño e Valle del Cauca são os departamentos com as figuras mais preocupantes de violência nesses três anos. Somente em Arauca, os ataques aumentaram 300% em dois anos.

Nariño passou de oito casos em 2017 e o mesmo número em 2018 para 13 casos em 2019, um aumento de 72,5%. Em Valle del Cauca, 27 casos foram registrados em 2017, até 20 em 2018 e até 32 no ano passado, o que implica um aumento de 60%.

Periodismo

O desemprego nacional foi o mais violento para a imprensa

Durante os 40 dias da greve nacional no final de 2019, a FLIP registrou um saldo de 66 jornalistas atacados.

«Foi o cenário mais violento da história recente contra a imprensa em um contexto de protesto social», diz o relatório. Ou seja, houve mais ataques contra jornalistas do que na greve agrícola de 2013, quando houve 44 vítimas de 24 ataques em 75 dias.

A FLIP ressalta que em 19 casos a Polícia deteve ilegalmente jornalistas que cobriam as manifestações.

«Isso sem descurar que também houve vários casos em que manifestantes encapuzados e, em alguns casos isolados, ameaçavam e obstruíam o trabalho jornalístico de repórteres», explica ele. Houve um total de 56 violações contra 66 jornalistas. Destes, 35 eram da Força Pública, 22 de pessoas desconhecidas, 8 de indivíduos e um de um funcionário público.

Comentarios

Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos , gracias :)

   Conocer más >
4,317,927FansMe gusta
320,815SeguidoresSeguir
392,911SeguidoresSeguir
17,600SuscriptoresSuscribirte

Edición Impresa El Ciudadano

Dona a El Ciudadano Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos y obtén tu ciudadanía :)

   Donar >

#Covid 19 SARS-COV2

Los Más Leídos