Luis Almagro, o outro vírus sofrido pelos povos da América Latina

A recente votação na OEA mostrou que o continente americano está dividido entre aqueles que se tornam cúmplices e submissos aos Estados Unidos e aqueles que anseiam por outros tipos de relações mais de acordo com o direito internacional

Luis Almagro não precisou realizar um golpe para ser reeleito como Secretário Geral da Organização dos Estados Americanos (OEA), já que a pandemia causada pelo coronavírus COVID-19 foi suficiente para tirar vantagem, sem fazer muito barulho, para se estabelecer no trono da instituição por mais cinco anos.

Sobre esse assunto, o jornal La Jornada do México publicou um editorial intitulado «Luis Almagro, o outro vírus» no último domingo-22 de março, explicando como a recente eleição do Secretário-Geral vem aprofundar o radicalismo no continente. , divisionismo na América Latina e no Caribe, a fim de tornar esse bloco – que perde cada vez mais sua credibilidade – uma agência que proclama o intervencionismo como um mecanismo de ação acima da democracia, diplomacia, legalidade e bom senso .

«Em meio à crescente preocupação com o coronavírus, que levou representantes de 17 países da América Latina e do Caribe a solicitar, sem sucesso, o adiamento da Assembléia Geral da OEA, o uruguaio Luis Almagro foi reeleito como Secretário-Geral do Escritório. quem contra todas as probabilidades joga desde 2015, quando substituiu o chileno José Miguel Insulza.

As abundantes indicações condenatórias recebidas pela administração da Almagro (um bom número de organizações sociais expressaram, com diferentes variações, que, em vez de promover a paz, a solidariedade e a integração das nações, era um dos maiores fatores de instabilidade, divisão e confronto no continente) não impediu que 23 dos 34 países membros da organização votassem na reeleição.

Por outro lado, outras 10 o fizeram pela ex-ministra das Relações Exteriores do Equador, María Fernanda Espinosa, diplomata que no período de 2018 e 2019 presidiu a Assembléia Geral da Organização das Nações Unidas (ONU) e em quem os que votaram (o México entre eles) viram capaz de resolver as arestas que as declarações embaraçosas do Almagro provocaram na OEA. A soma dos votos dá 33, porque o representante da Dominica não estava presente.

Perto da sede do órgão continental – que fica em Washington – o presidente dos EUA, Donald Trump, teve que esfregar as mãos satisfeito, porque o reeleito era, sem dúvida, seu candidato. No início deste ano, o inefável Secretário de Estado Mike Pompeo disse que o uruguaio captura os valores da liberdade e da democracia.

É verdade que a OEA, desde a sua criação em 1948, sempre foi funcional aos interesses de sucessivos presidentes dos EUA, endossando desde a expulsão de Cuba às várias intervenções armadas dos Estados Unidos na região, passando pela ignorância de governos desaprovados. pela Casa Branca, a quem em seu discurso anacrônico ele chama de comunistas.

No entanto, o desejo, até agora sempre frustrado, de que a OEA serva um dia ao que sua Carta diz que deve servir: alcançar uma ordem de paz e justiça, fomentar a solidariedade, fortalecer a colaboração, não deixou de existir. e defender a soberania, integridade e independência dos países membros.

Foi precisamente a retórica anticomunista de Almagro que semeou a semente da discórdia na jurisdição da OEA, dizendo, por exemplo, que o verdadeiro golpe de Estado na Bolívia não ocorreu com a ascensão ao poder de Jeanine Áñez, foi dado por Evo Morales quando ele venceu as eleições; ou que os protestos no Chile contra o governo Sebastián Piñera foram resultado de influências estrangeiras prejudiciais e não de descontentamento popular.

Por esse motivo, a intervenção do embaixador do México na sessão do Conselho Permanente destaca a diplomacia da diplomacia mexicana e dá o brilho de seus melhores tempos, dizendo que, com a reeleição de Luis Almagro, a OEA não celebra nada (…) triunfo de más práticas democráticas e confronto entre Estados.

EUA foi convidado a reeleger a Almagro

O tópico é abordado em uma análise do Centro Estratégico Latino-Americano de Geopolítica (Celag), escrito por Arantxa Tirado, formado em Ciências Políticas e Administrativas, doutor em Relações Internacionais e Integração Européia pela Universidade Autônoma de Barcelona (UAB) e doutor em Estudos Latino-Americanos da Universidade Nacional Autônoma do México (UNAM).

«OEA: reeleição em tempos de coronavírus» é a manchete da análise mencionada, que detalha como EE. EUA Ele fez todo o possível para realizar uma Assembléia Geral enquanto o mundo aplicava quarentenas preventivas contra a pandemia de coronavírus COVID-19.

«Em uma Assembléia Geral extraordinária, realizada em meio à pandemia de coronavírus, Luis Almagro foi reeleito como Secretário Geral da Organização dos Estados Americanos pelos próximos cinco anos. O ambiente excepcional em escala global devido à crise do coronavírus não impediu a realização desta reunião em Washington, uma cidade onde as autoridades já haviam tomado medidas para restringir movimentos e fechar alguns estabelecimentos, antes de um confinamento atrasado ou cedo».

No entanto, as autoridades de saúde dos EUA autorizaram a reunião em 20 de março e as tentativas de adiar a votação por 17 estados foram de pouca utilidade. A urgência em consolidar uma reeleição foi dada como certa e as pressões do Departamento de Estado estão por trás da celebração de um ato que, segundo o representante argentino, ainda não foi avaliado se foi bem-sucedido em termos de saúde.

Relacionado:  COVID-19: ¿E as recaídas de pacientes curados?

Mas, apesar da pressão americana para que a Assembléia acontecesse rapidamente e sem grandes problemas, a votação recente demonstrou que o continente está dividido, no qual eles se tornam cúmplices e submissos aos EUA e aqueles que anseiam por outros tipos de relacionamentos, especialmente onde a soberania dos países é respeitada e os verdadeiros valores da democracia são mantidos.

O candidato proposto por Antígua e Barbuda e por São Vicente e Granadinas, María Fernanda Espinosa, obteve 10 votos. O que pode parecer uma vitória com uma ampla margem de votos é relativizado quando comparado com o histórico de votação dos secretários-gerais desde os anos 80, eleitos por unanimidade ou por aclamação. Para maior contraste, o vice-secretário geral, eleito após Almagro, Néstor Méndez, foi nomeado por aclamação.

Nesse sentido, Tirado explica que, de fato, a votação da Almagro dramatiza, mais uma vez, a divisão existente na região entre um grupo de países progressistas ou simplesmente vinculado ao Direito Internacional e à defesa de organizações multilaterais para a resolução de conflitos políticos, diante de um grupo de países cujos representantes da OEA carecem de legitimidade democrática (caso dos representantes dos conspiradores bolivianos e enviado por Juan Guaidó, que afirma representar a Venezuela) ou alinhado com a agenda dos EUA na região.

Relacionado:  COVID-19: ¿E as recaídas de pacientes curados?

«A intervenção vigorosa da embaixadora mexicana Luz Elena Baños, após a eleição de Almagro, teve como objetivo destacar essa divisão aparentemente irreconciliável. Baños fez uma alegação de multilateralismo, não interferência, igualdade legal dos Estados e não parcialidade da Secretaria-Geral. Parece que, segundo a delegação mexicana, a Almagro não respeitou».

Almagro, a serviço do golpe

O viés de Almagro durante seu mandato anterior foi manifesto. Ele se manifestou em seu ativismo a favor da derrubada do governo Nicolás Maduro na Venezuela, que finalizou sua aposentadoria da OEA em abril de 2019.

Almagro, em um exercício incomum, embora não seja surpreendente, dada a origem e natureza da OEA como alavanca dos interesses dos EUA, reconheceu o auto-proclamado «presidente encarregado» da Venezuela, Juan Guaidó, permitindo que um enviado desse governo inexistente usurpa a função de representação de um Estado soberano.

Tirado sustenta que, além de colocar todos os recursos da Secretaria-Geral a serviço da mudança de regime na Venezuela, a Almagro também desempenhou um papel de liderança nos eventos que levaram ao golpe contra Evo Morales na Bolívia.

De fato, o relatório da Missão de Observação Eleitoral da OEA (MOE) nas eleições bolivianas foi usado para insinuar a existência de uma fraude que levou Morales a aceitar uma auditoria subsequente, cujos resultados preliminares foram usados ​​pela Almagro para forçar a tese de fraude e justifique a intervenção das Forças Armadas bolivianas «solicitando a renúncia» do Presidente.

No entanto, como os estudos de vários especialistas e organizações mostraram, os relatórios do MOE tiveram um viés inicial que serviu para estabelecer uma interpretação errônea dos eventos que acabaram justificando um golpe contra Evo Morales.

¿A OEA faz sentido?

Tirado explica em sua análise que a principal questão que ele levanta, não apenas o processo de eleição do novo secretário geral, mas seu mandato anterior, bem como a trajetória da própria organização, faz sentido manter um espaço como a OEA na América Latina? e o Caribe, que conseguiu reunir, apesar das diferenças políticas substanciais, seus próprios mecanismos de integração e coordenação política fora da tutela dos EUA. ?

«É uma questão pertinente, apesar do desmantelamento da União das Nações Sul-Americanas (Unasul), perpetrada pelo governo de Lenín Moreno junto com seus aliados no direito regional; e mesmo apesar do congelamento de fato sofrido pela Comunidade dos Estados da América Latina e do Caribe (CELAC) nos últimos anos «, explica.

As perspectivas que se abrem são muitas em uma região que está recuperando alguns Estados, pouco a pouco, para as forças do progressismo (como a Argentina) ou conquistando-as pela primeira vez (como o México).

Por seu lado, as lutas sociais dos últimos meses em países governados por forças neoliberais, como Equador, Chile, Panamá ou contra o golpe na Bolívia, mostram que a disputa ainda está aberta por baixo e que acabará por determinar a sobrevivência de muitos governos e o sinal ideológico dos governos por vir.

«Isso, por sua vez, terá impacto na correlação de forças de organizações multilaterais como a OEA», disse Tirado, que afirma que «tudo o que foi dito acima nos permite pensar em uma rearticulação da esquerda regional que afeta a reativação do Mecanismos latino-americanos ».

Da mesma forma, a situação será prejudicial ao papel de liderança que a OEA reivindicou neste período de perda de consenso regional, que antes da Almagro se cristalizou na defesa da soberania nacional sobre as divisões ideológicas.

Nesse sentido, as ações do México na presidência pro tempore da CELAC serão cruciais, comenta Tirado, e um exemplo é «o que sua liderança está fazendo em sua defesa do Direito Internacional no âmbito da OEA, para construir esse consenso» regional que coloca os interesses da América Latina e do Caribe como ator unitário no sistema internacional, em vez de um apêndice dividido que serve os interesses da política externa dos EUA ».

Comentarios

Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos , gracias :)

   Conocer más >
4,317,817FansMe gusta
320,815SeguidoresSeguir
390,762SeguidoresSeguir
17,600SuscriptoresSuscribirte

Edición Impresa El Ciudadano

Dona a El Ciudadano Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos y obtén tu ciudadanía :)

   Donar >

#Covid 19 SARS-COV2

Los Más Leídos