Milionário alemão diz que tem a cura: ¿a vacina COVID-19 está pronta?

A teoria surge de que os laboratórios não estão interessados em receber a vacina tão cedo, porque não seriam capazes de gerar os lucros desejados quando colocassem o medicamento no mercado

270

Alguns dias depois, circularam as notícias da suposta descoberta da vacina COVID-19. A descoberta foi feita pelo cientista bilionário alemão Winfried Stocker, que relatou que desde que o novo coronavírus surgiu, ele trabalha para encontrar uma cura eficaz para a pandemia e aparentemente conseguiu.

Quando a pandemia começou a afetar o planeta, Stocker decidiu não esperar o surgimento de uma vacina clinicamente testada e licenciada contra o COVID-19 e decidiu criar sua própria fórmula, sendo ele próprio o paciente a testar a eficácia do medicamento.

Stocker, fundador de uma empresa especializada na produção de equipamentos e sistemas de testes de laboratório, diz que criou uma vacina, testou-a no corpo e afirma que é bem-sucedida.

Diante dessas notícias, surgiu a ideia de que a pandemia de COVID-19 foi criada para causar uma paralisia global da economia e afetar diretamente o mercado de petróleo, levando em consideração que muitos dos países produtores de petróleo são considerados «inimigos» dos Estados. Unidos.

Na mesma ordem, está o ataque direto à China pelo governo de Donald Trump, que tentou classificar a pandemia como «o vírus chinês», tentando culpar o gigante asiático por uma pandemia que hoje tem o epicentro do surto, com níveis muito altos. níveis de contágio, para EUA.

Não é por acaso que os preços do petróleo caíram para os níveis mais baixos da história, mesmo com marcadores negativos, algo sem precedentes. Portanto, surge a dúvida coletiva sobre o trabalho dos gigantes farmacêuticos, que após seis meses do primeiro contágio oficialmente detectado em Wuhan, China – apesar de algumas investigações sobre a aparição do vírus em 2019 nos EUA. EUA e Europa – não foram capazes de obter a vacina que corta a raiz do SARS-CoV-2.

Enquanto os maiores laboratórios afirmam estar trabalhando com a vacina e alguns prometem tê-la pronta até o final do ano, o alemão Stocker, professor emérito da Universidade de Lübeck, Alemanha, e a Faculdade de Medicina da Universidade de Wuhan, China, sim ele conseguiu.

Covid

A vacinação contra COVID-19 deve ser feita agora

Stocker relatou o progresso de sua pesquisa e explicou que foi criado um «departamento de pesquisa e desenvolvimento extremamente poderoso» no laboratório Euroimmun, que lida, entre outras coisas, com o diagnóstico de doenças infecciosas.

«Nossos cientistas foram os primeiros a criar reagentes para a detecção de várias doenças infecciosas emergentes, freqüentemente em colaboração com especialistas das principais instituições de pesquisa de infecções», observou Stocker, acrescentando que a Euroimmun foi «a primeira empresa fora da China para obter a aprovação dos testes ELISA e PCR em tempo real para o diagnóstico de COVID-19 ”.

O cientista revelou que, com base em sua vasta experiência no desenvolvimento de reagentes para o diagnóstico de novas doenças virais, o Euroimmun criou e produziu “uma construção de antígeno com a qual os anticorpos contra a SARS-CoV-2 podem ser detectados com segurança».

Relacionado:  ¿Por que a Venezuela precisa importar combustível iraniano?

«É baseado na subunidade S1 da proteína spike, com a qual o vírus se liga aos receptores nas células-alvo», disse Stocker, que garantiu que, a partir de agora, uma vacinação global deve ser agendada.

«A força com que o coronavírus nos afeta exige uma abordagem não convencional. Na minha opinião, um programa de vacinação eficaz deve começar o mais rápido possível «, afirmou o bilionário.

Foto: The Times Hub.

Imunidade total

Para economizar tempo, o empresário não solicitou a aprovação oficial e fez um antígeno recombinante baseado no Euroimmun e o injetou várias vezes com a ajuda de um assistente.

«Agora estou imune!», Disse Stocker, que disse que os procedimentos de vacinação que ele realizou eram eficazes.

«Como esperado, foram desenvolvidos anticorpos específicos que foram capazes de neutralizar o coronavírus na cultura de células do vírus. Agora estou imune ao SARS-CoV-2! ”, Disse Stocker.

Segundo o próprio cientista, ele tolerava bem as vacinas, sentia-se bem o tempo todo e permanecia em boa saúde.

«Os anticorpos contra o nucleocápside do vírus examinados em paralelo não se formaram; portanto, os anticorpos anti-S1 testados sorologicamente não podem se originar de uma infecção por coronavírus que passou despercebida durante o período do teste», acrescentou o empresário alemão.

alemán

¿Por que esperar até dois anos pela vacina?

O processo regular de aprovação de uma vacina, segundo os cientistas, deve tomar várias etapas: primeiro deve ser testado em animais e depois, em vários estágios, em humanos.

Posteriormente, no caso de países europeus como a Alemanha, começa o procedimento para obter a permissão do órgão regulador, a Agência Europeia de Medicamentos. Tudo isso pode levar de um a dois anos.

Nesse sentido, Stocker propõe que três quartos da população da Alemanha e até dos Estados Unidos possam ser vacinados com SARS-CoV-2 S1 nos próximos seis meses. Até então, medidas estritas de quarentena podiam ser mantidas, mas depois levantadas, sugeriu o especialista.

Antecipando objeções dos céticos, Stocker propõe testar a vacina primeiro em um pequeno número de voluntários e depois em representantes do grupo de risco, como pessoal médico. «Não haverá novos casos entre os vacinados com S1 ou efeitos colaterais perigosos», afirmou.

Mas, como esperado, a comunidade científica não está convencida. Especialistas destacam que, até o momento, existem dados insuficientes, não apenas para permitir o uso massivo da vacina, mas também para estudos clínicos, relata o jornal alemão Saechsische.

Também surge a teoria de que os laboratórios não estão interessados ​​em tomar a vacina tão cedo, porque não seriam capazes de gerar os lucros desejados quando colocassem o medicamento no mercado.

Porém, a doença já afeta 4 milhões de 775 mil pessoas, em 18 de maio de 2020, com 317.515 mortes e, segundo a Organização Mundial da Saúde, o pior momento da pandemia não foi atingido.