jueves, abril 9, 2020

Os 22 homens mais ricos do mundo têm mais dinheiro do que todas as mulheres da África

Os principais líderes mundiais não agem, pelo contrário, permanecem calados e continuam promovendo políticas que ampliam essa lacuna, a ponto de incentivar os cidadãos a sair às ruas em protesto

O 1% mais rico da população do mundo tem mais que o dobro da riqueza de 6,9 ​​bilhões de pessoas. Os principais 2.153 bilionários têm mais riqueza do que os 4,6 bilhões de pessoas que representam 60% da população. Os 22 homens mais ricos têm mais riqueza do que todas as mulheres na África, que segundo o Banco Mundial são de cerca de 670 milhões. Simplificando: «a desigualdade econômica está fora de controle».

O estudo mais recente da Oxfam, chamado «Hora do atendimento: trabalho assistencial e a crise global da desigualdade», concluiu que «a desigualdade global é surpreendentemente entrincheirada e vasta, e o número de bilionários dobrou na última década. «

A Oxfam se define como uma confederação internacional que reúne 20 organizações não-governamentais (ONGs) e trabalha com parceiros em mais de 90 países, com o objetivo de ajudar a acabar com as injustiças que causam pobreza no mundo.

Em seu relatório, publicado logo antes do Fórum Econômico Mundial (EMF), em Davos, Suíça, eles atribuem essa enorme lacuna a “um sistema econômico fracassado e sexista que valoriza mais a riqueza de uma elite privilegiada, principalmente homens, do que os milhares de milhões de horas de cuidados essenciais não remunerados ou mal pagos, realizados principalmente por mulheres e meninas em todo o mundo”.

A organização lembra que “cuidar de outras pessoas, cozinhar, limpar e coletar água e lenha são tarefas diárias essenciais para o bem-estar da sociedade, comunidades e economia. A responsabilidade pesada e desigual pelo trabalho de assistência às mulheres perpetua as desigualdades econômicas e as de gênero”.

Nesse sentido, o CEO da Oxfam-Índia, Amitabh Behar, que está em Davos para representar a confederação, argumenta que “a brecha entre ricos e pobres não pode ser resolvida sem políticas deliberadas que quebrem a desigualdade, e pouquíssimos governos estão envolvidos. comprometido com isso ».

Exploração feminina

O relatório revela como essas economias sexistas alimentam a crise da desigualdade. ” Por exemplo, eles citam que “mulheres e meninas realizam 12.500 milhões de horas de trabalho não remunerado por dia, uma contribuição para a economia global de pelo menos 10,8 bilhões de dólares por ano, mais do que o triplo do tamanho da indústria de tecnologia. «

“Conseguir que o 1% mais rico pague apenas 0,5% de impostos adicionais sobre sua riqueza nos próximos 10 anos equivaleria ao investimento necessário para criar 117 milhões de empregos em setores como idosos e creche, educação e saúde”, aponta o texto.

“Nossas economias quebradas estão enchendo os bolsos de bilionários e grandes empresas à custa de homens e mulheres comuns. Não é de admirar que as pessoas comecem a se perguntar se os bilionários deveriam existir ”, diz Behar.

O CEO da Oxfam-India garante que mulheres e meninas estejam entre as pessoas que menos se beneficiam do atual sistema econômico.

“Eles passam bilhões de horas cozinhando, limpando e cuidando de crianças e idosos. O trabalho de assistência não remunerada é o «mecanismo oculto» que mantém as rodas de nossas economias, empresas e sociedades em movimento. É dirigido por mulheres que geralmente têm pouco tempo para estudar, ganhar uma vida decente ou comentar sobre como nossas sociedades são gerenciadas e, portanto, estão presas no fundo da economia”, disse Behar.

Esperança de vida

O estudo afirma que as mulheres realizam mais de três quartos do trabalho de assistência não remunerada e, mesmo, geralmente precisam trabalhar com menos horas ou deixar a força de trabalho devido à sua carga de trabalho de assistência.

«No mundo, 42% das mulheres em idade ativa não conseguem trabalho (formal) porque são responsáveis pelos cuidados, em comparação com apenas 6% dos homens».

Da mesma forma, as mulheres representam dois terços da «força de trabalho de assistência» remunerada, mas geralmente esses empregos em creches, trabalho doméstico e assistentes de assistência são mal remunerados, têm poucos benefícios e podem ter um custo físico e emocional.

Relacionado:  CELAC: O fórum necessário para a América Latina enfrentar o COVID-19 juntos

O relatório também conclui que a pressão sobre os prestadores de cuidados, pagos e não remunerados, aumentará na próxima década, à medida que a população mundial crescer e envelhecer. «Estima-se que 2.330 milhões de pessoas precisarão de atenção (especial) até 2030, um aumento de 200 milhões desde 2015».

Além disso, a organização estima que as mudanças climáticas podem piorar a crise global de atenção que se aproxima, a tal ponto que, “até 2025, até 2,4 bilhões de pessoas viverão em áreas sem água suficiente, e mulheres e meninas terão que caminhar distâncias ainda mais para procurá-lo”.

Os governos estão calados

Diante desse problema, os principais líderes mundiais não agem, pelo contrário, permanecem calados e continuam promovendo políticas que ampliam essa lacuna. Às vezes, até incentivam os cidadãos a sair às ruas em protesto, cientes das conseqüências devastadoras dessa situação.

“O autoritarismo de líderes como os presidentes dos Estados Unidos, Donald Trump e Brasil, Jair Bolsonaro, nos permite ilustrar essa tendência: eles elevam políticas como cortes de impostos a bilionários, impedem medidas de combate à emergência climática, alimentam o racismo, sexismo e ódio às minorias ”, diz Oxfam.

Diante disso, diferentes povos levantaram suas vozes para dizer «Basta». “Do Chile à Alemanha, testemunhamos manifestações em massa contra a desigualdade e a emergência climática. Milhões de pessoas estão tomando as ruas e arriscando suas vidas para exigir o fim de extrema desigualdade e exigir progresso em direção a um mundo mais justo e verde”.

Relacionado:  CELAC: O fórum necessário para a América Latina enfrentar o COVID-19 juntos

Nesse sentido, a Oxfam argumenta que, para reduzir a diferença, os governos devem garantir que as empresas e indivíduos ricos paguem sua parte justa dos impostos e, além disso, aumentem o investimento em serviços públicos e infraestrutura.

“Eles precisam aprovar leis para lidar com a grande quantidade de trabalho realizado por mulheres e meninas e garantir que as pessoas que realizam alguns dos trabalhos mais importantes em nossa sociedade, cuidando de nossos pais, filhos e mais vulneráveis, sejam pagas».

Da mesma forma, os governos devem tomar medidas urgentes para construir uma economia mais humana e feminista que valorize o que realmente importa para a sociedade, em vez de alimentar uma corrida sem fim por benefícios econômicos e acumulação de riqueza ”, enfatizou Behar.

O que se pode fazer

A Oxfam está convencida de que é possível lidar com o enorme nível de desigualdade econômica e com a crise iminente de assistência, mas “para isso, precisamos lançar iniciativas conjuntas e tomar decisões políticas corajosas para reparar os danos já causados, e construir sistemas econômicos que atendam a todos os cidadãos «.

Portanto, a confederação propõe seis medidas para diminuir a distância entre trabalhadores não remunerados ou mal remunerados e a elite rica, que é quem aproveita seu trabalho.

  • Invista em sistemas nacionais de atendimento e assistência que permitam abordar a responsabilidade desproporcional pelo trabalho assistencial que recai sobre mulheres e meninas.
  • Acabar com a extrema riqueza para erradicar a extrema pobreza. Os governos devem adotar medidas como tributar a riqueza e aumentar a renda e acabar com brechas legais e regras tributárias inadequadas que permitam que grandes fortunas e grandes empresas evitem suas obrigações fiscais.
  • Legislar para proteger as pessoas que cuidam do trabalho de assistência e garantir salários decentes para o trabalho de assistência paga.
  • Assegure-se de que as pessoas que realizam cuidados assistenciais tenham influência na tomada de decisões e participem de processos e fóruns de formulação de políticas em todos os níveis.
  • Combater normas sociais prejudiciais e crenças sexistas que consideram o trabalho de cuidar como responsabilidade exclusiva de mulheres e meninas e que dão origem a uma distribuição desigual dessas tarefas. Por exemplo, através de campanhas publicitárias, bem como de sua comunicação e legislação públicas.
  • Promova políticas e práticas comerciais que valorizem o trabalho de assistência. As empresas devem reconhecer seu valor e apoiar o bem-estar de seus trabalhadores, aplicando práticas trabalhistas favoráveis às famílias, como horários flexíveis e autorizações pagas, e por meio de campanhas e comunicação pública que combatam a distribuição desigual do trabalho assistencial.

Se você quiser revisar o relatório completo da Oxfam, chamado “Hora do atendimento: trabalho de assistência e a crise da desigualdade global”, você pode fazê-lo simplesmente CLICANDO AQUI.

Comentarios

Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos , gracias :)

   Conocer más >
4,317,830FansMe gusta
394,846SeguidoresSeguir
394,383SeguidoresSeguir
17,600SuscriptoresSuscribirte

Edición Impresa El Ciudadano

Dona a El Ciudadano Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos y obtén tu ciudadanía :)

   Donar >

#Covid 19 SARS-COV2

Los Más Leídos