jueves, abril 9, 2020

«Popeye» morre: o fim do assassino sangrento de Pablo Escobar, narco, uribista e youtuber

O assassino de Pablo Escobar confessou ter matado pessoalmente cerca de 300 pessoas e também participou da matança de outros 3.000

O colombiano Jhon Jairo Velásquez Vásquez nasceu em Yarumal, Antioquia, em 15 de abril de 1962. Aos 17 anos, foi «obnubilado» depois de conhecer o traficante de drogas Pablo Emilio Escobar Gaviria. A partir desse momento, ele trabalhou para ele até se tornar um dos assassinos mais sanguinários e foi recozido na organização criminosa como «Popeye», «JJ» e «O general da máfia».

Nesta quinta-feira, 6 de fevereiro, a morte de «Popeye», citada em muitos meios de comunicação como «um dos assassinos favoritos» de Pablo Escobar, ambos membros do falecido Cartel de Medellín na Colômbia, rapidamente se tornou viral.

O que a história desse criminoso confessou e suas ações na Colômbia conflituosa e violenta dizem? Quantos segredos ele levou para o túmulo? De quem ele tinha medo? Que parcelas espalhadas dentro da rede corrupta enumerada na política colombiana? Quanto você sabia sobre o «poderoso dono da Colômbia, que era presidente da República», e sobre a criação dos grupos de poder narco-estatal-paramilitar e colombiano?

A morte de Popeye ocorreu nas primeiras horas da manhã. Ele tinha 57 anos – 28 deles estavam presos – seu diagnóstico era de câncer de esôfago em estágio terminal (estágio IV), com metástases nos pulmões, fígado e outros componentes abdominais. Ele estava no Instituto Nacional do Câncer, em Bogotá, e as informações foram confirmadas pelo Instituto Nacional Penitenciário e Prisional (Inpec).

Na vida, Jhon Velásquez confessou ter matado pessoalmente cerca de 300 pessoas e também participou da gangue de criminosos que ele coordenou, matando outros 3.000 para cumprir as ordens de Escobar. No total, houve mais de 50.000 mortes geradas pelo cartel de Medellín.

Popeye falou abertamente e sem remorso sobre suas ações, embora ele sempre culminasse na frase: «Eu mudei». Mas sua ação sanguinária levou-o a matar uma mulher que ele disse que amava e que era sua parceira.

Popeye

Segundo ele, a mulher era amante de Escobar e engravidara, razão pela qual «El Patron» a enviou para sequestrá-la para forçar a criança.

Depois que o aborto foi realizado, Escobar enviou Popeye para «cuidar» da jovem, enquanto ela estava se recuperando e garantiu que a menina não o denunciaria. Naquele momento, Popeye diz que se apaixonou, começou a ter um caso com o ex de seu chefe e, logo depois que Escobar descobriu, ele disse que a matou ou o enviou para matá-lo.

Popeye não hesitou em matar seu «amor». Ele deu vários tiros em uma praça pública e a deixou morrer enquanto escapava. Escobar sabia que ele tinha um grande criminoso.

Desde então, «o patrono» começou a confiar a Popeye diferentes «obras», incluindo as mais sangrentas e sangrentas da história colombiana, das quais muitas ainda vivem na memória coletiva e fazem parte do longo registro de assassinatos e atos de violência. terror que marcou a história violenta e criminal daquele país e que chocou a população, vítima de medo e ansiedade generalizada.

Links de Escobar com Uribe

Antes de morrer, esse famoso assassino foi hospitalizado recebendo tratamento paliativo desde 31 de dezembro de 2019. Popeye foi libertado em 2014 após cumprir 24 anos de prisão, por vários crimes, desde terrorismo e tráfico de drogas até assassinato. Sua liberdade era muito controversa na sociedade colombiana.

Em 26 de agosto de 2014, Popeye foi libertado em liberdade condicional, tendo saído da prisão de alta segurança de Cómbita, em Boyacá.

Em 25 de maio de 2018, ele foi capturado novamente e enviado para a prisão depois de ser condenado por extorsão, associação para cometer crimes, ameaças e incitação ao ódio, depois de ameaçar duas famílias em Medellín que teriam exigido o pagamento de US $ 50.000 em troca de nada. retaliar

Relacionado:  ¡Agora ou nunca! Aviso da OPS de que o COVID-19 poderia salvar vidas na América

Ele foi imediatamente levado provisoriamente para a prisão de segurança máxima em Valledupar.

Mas, enquanto desfrutava de sua liberdade, Popeye se tornou uma referência consultada por muitos meios de comunicação para contar as histórias do cartel de Medellín e a vida de Pablo Escobar. De fato, ele até se encontrou com parentes de suas vítimas, a quem pediu perdão.

Na Colômbia, trata-se da tese de que, desde que Popeye foi libertado, ele usou todos os segredos que conhecia para extorquir dinheiro dos envolvidos, especialmente políticos e empresários com grande poder, para viver pacificamente entre luxos, garantindo que ele não confessaria nada a respeito. os meios.

No entanto, ao longo do caminho, Popeye «minou» – como dizem popularmente as pessoas que confessam segredos bem guardados na Colômbia – a vários políticos, um deles ex-presidente Álvaro Uribe, com quem ele disse que se encontrou pessoalmente e foi um dos cúmplices de Pablo Escobar.

Popeye disse que foi Uribe quem permitiu – com sua assinatura e autorização – criar a pista para aviões que usavam o traficante em sua fazenda em Nápoles, de onde toneladas de maconha e cocaína foram para os Estados Unidos e América Central, que virou ao cartel de Medellín na organização mais notável dedicada ao narcotráfico.

Relacionado:  Pesadelo no Equador: Lenín Moreno não pode esconder os cadáveres por COVID-19

Desde que fez essa confissão, o assassino não voltou a falar de Uribe. De fato, em uma das muitas entrevistas que ele ofereceu, ele disse que não diria mais nada porque estava morando onde Uribe controla tudo e não queria ter problemas.

Popeye na política e na cultura pop

Popeye também conseguiu, durante sua liberdade, ser um youtuber famoso, reconhecido até pela mesma empresa, depois de atingir um milhão de assinantes.

Seu canal no YouTube foi aberto em 1º de agosto de 2015 com o nome de Popeye Repent, onde ele chegou a ter 1,2 milhão de inscritos, o que o levou a vencer – em 24 de janeiro de 2017 – o botão prateado do Empresa de vídeos bem conhecida.

Além disso, Jhon Vélasquez escreveu três livros sobre suas memórias. O primeiro deles foi «O verdadeiro Paulo: sangue, traição e morte», lançado em 2005 e co-escrito com a jornalista Astrid Legarda.

Então, em 2015, «Popeye» lançaria seu segundo livro intitulado «Sobrevivendo a Pablo Escobar», inspirado em seus mais de 20 anos de prisão e inspirado em uma série produzida pela Netflix.

Um ano depois, «Minha vida como assassino de Pablo Escobar» foi colocada à venda, seu terceiro livro.

Na mídia audiovisual, ele foi um personagem fundamental para desenvolver a história de uma série criada pela RCN: «O padrão do mal», onde foi identificado como «Marino», além de outras séries e filmes inspirados na história do cartel e na vida de Medellín. de Escobar.

Enquanto ele tinha acesso às redes sociais, Popeye também se declarou abertamente como uma extrema direita, fã de uribismo e apoiador do atual presidente Iván Duque.

Da mesma forma, ele confessou seu ódio à esquerda, os comunistas, os guerrilheiros, o ex-candidato presidencial Gustavo Petro; e abordou desqualificadores contra funcionários do governo da Venezuela, como o presidente Nicolás Maduro, e também o chefe da Assembléia Nacional Constituinte, Diosdado Cabello.

Os eventos mais terríveis da Colômbia

O jornal colombiano El Tiempo descreveu Popeye como «um dos assassinos mais temíveis do cartel de Medellín», que «em 1989 estava encarregado de várias das ações que causaram mais dor na Colômbia».

Alguns dos assassinatos perpetrados por Velasquez foram o assassinato do ex-candidato presidencial Luis Carlos Galán Sarmiento, na sexta-feira, 18 de agosto de 1989; e o ataque ao avião Avianca, executado na segunda-feira, 27 de novembro de 1989, no qual 107 pessoas morreram.

A explosão em Bogóta do prédio do antigo Departamento de Segurança Administrativa (DAS), uma agência estatal responsável pela inteligência e contra-inteligência, foi outro ataque terrorista do qual Popeye participou.

O incidente ocorreu na quarta-feira, 6 de dezembro de 1989, e a bomba matou 63 pessoas, feriu mais de 600 e deixou bilionários danificados em prédios, lojas e residências.

Popeye

Outros crimes atribuídos a «Popeye» são os assassinatos do diretor do jornal El Espectador, Guillermo Cano – em 17 de dezembro de 1986 – por denunciar os crimes do cartel de Medellín e por responsabilizar diretamente Pablo Escobar; e a do exprocurador da Nação, Mauro Hoyos, em 25 de janeiro de 1988.

O seqüestro do então candidato a prefeito de Bogotá, Andrés Pastrana (que mais tarde seria presidente da República), o seqüestro do jornalista Francisco Santos (que mais tarde seria vice-presidente da República) e cumplicidade nos homicídios da governador de Antioquia, Antonio Roldán Betancourt.

Comentarios

Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos , gracias :)

   Conocer más >
4,317,822FansMe gusta
394,790SeguidoresSeguir
394,354SeguidoresSeguir
17,600SuscriptoresSuscribirte

Edición Impresa El Ciudadano

Dona a El Ciudadano Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos y obtén tu ciudadanía :)

   Donar >

#Covid 19 SARS-COV2

Los Más Leídos