Rússia e seu processo democrático para uma nova Constituição

A Federação Russa iniciou um processo histórico que terá um carimbo final de cidadão e democracia, em 1º de julho de 2020. Trata-se de uma série de emendas constitucionais já aprovadas em março pela Comissão Constitucional e que agora estão sujeitas ao escrutínio do povo russo. com as opções Da (Sim) ou Niet (Não)

268

Por Bruno Sommer Catalán

A eleição começou em 25 de junho. Dura uma semana, como uma medida para proteger a população em meio à pandemia global de Covid-19, possibilitando a possibilidade de votação eletrônica em casa.

Questionado sobre isso, o observador eleitoral internacional Libertad Velasco apontou que «o mais original é transcender a barreira de um dia para votar, pois coloca os direitos humanos, a saúde e o voto no mesmo nível de importância».

Cada assembleia de voto tem um máximo médio de duas assembleias de voto. E cada ponto tem todas as medidas de segurança para os eleitores. Kits de máscara e luvas para quem não os possui, gel de álcool e marcas no chão de cada local para manter distância social. Por sua vez, o espaço secreto para marcar a votação é desinfetado várias vezes ao dia.

Henrique Domingues, observador do processo eleitoral russo, destacou que “existem muitas possibilidades para as pessoas votarem. Às vezes, em países como o meu, no Brasil, o registro é complexo, mudando seu local de votação e aqui o sistema é projetado para o eleitor ”, afirmou.

Por sua vez, os gerentes dos locais de votação foram treinados e certificados para garantir alta transparência do processo e atendimento à saúde dos eleitores. Cada local possui câmeras de vigilância para proteger o ato cívico, acessado e controlado remotamente, para avaliar qualquer irregularidade.

As urnas podem ser vistas adequadamente seladas. O livro de registro eleitoral é impresso pelo órgão eleitoral e entregue pela assembleia de voto, com os nomes e o número de identificação das pessoas. Foram riscados os nomes daqueles que preferiram se registrar para votação eletrônica, para que não ocorra um duplo voto. E em cada ponto, recibo da polícia.

Ao mesmo tempo, vale ressaltar que, para os locais de votação, que geralmente são escolas, há uma equipe de pessoas que vem visitar em casa, pessoas maiores de idade ou inválidos, que se registraram anteriormente para votar em casa.

Velasco acrescentou: “Estou impressionado com o treinamento dos operadores que trabalham nas mesas, a linguagem deles mostra um alto nível de preparação. Além disso, em todos os centros visitados, as pessoas expressaram que o voto eletrônico lhes parece tão respeitoso do segredo quanto o voto presencial”.

Guerra medial contra a democracia russa

Enquanto a mídia transnacional, obediente aos desígnios de Washington, tentou denegrir o processo soberano convocado pelas autoridades democraticamente eleitas da Rússia, concentrando-se em que tudo seria uma modificação para perpetuar Vladimir Putin no poder.

De El Ciudadano, pudemos verificar com base no fato de que essa história busca apenas confundir a opinião pública mundial e enfraquecer a imagem de um líder que tem amplo apoio, não apenas em seu país onde foi ratificado na última eleição com 77% de preferências, mas é suportado por superpotências importantes, como a China.

Cabe ressaltar que, de acordo com a atual Constituição, as emendas já aprovadas pelo Tribunal Constitucional em março não exigiam voto de cidadão nacional para sua entrada em vigor. No entanto, o governo russo e seu presidente, em sinal de profunda democracia, decidiram submeter as mudanças aplicadas à decisão dos cidadãos, apesar do risco simbólico de perder a eleição.

Embora seja verdade que as emendas constitucionais abrem a possibilidade de reeleição de Putin, elas são mais amplas do que o ponto em que a mídia concentrou suas críticas e, se analisarmos algumas delas, seremos capazes de entender o motivo da tentativa de deslegitimação do processo. Rússia democrática, por esses meios de comunicação.

¿Sobre o que são as alterações?

A Rússia, com Putin no comando, tornou-se, mais uma vez, um ator muito relevante no cenário internacional e optou pela construção de um mundo multipolar, retirando o papel da forma unipolar preferida pelos Estados Unidos, que sem dúvida tem causou aborrecimento à superpotência de língua inglesa e seus aliados.

As emendas constitucionais que buscam salvaguardar explicitamente os interesses da Rússia são de cerca de 200.

Um deles estabelece que a Federação Russa é uma continuidade da União das Repúblicas Socialistas Soviéticas, que mostra o valor que a história tem para os russos e será escrita no «novo texto constitucional».

Outro ponto de grande interesse e que explica seu exercício de soberania e o interesse em salvaguardar seu direito à autodeterminação é o que afirma que “De acordo com a lei, as decisões tomadas pelas organizações supranacionais de acordo com as disposições dos tratados internacionais da Federação Russa não se aplicará à Federação Russa se contradizerem a Constituição da Federação Russa ”, ou seja, qualquer disposição de natureza internacional considerada contrária ao“ sonho russo ”não será aplicada.

Além disso, ao obter a aprovação, a seguir «todas as pessoas que exercem cargos públicos na Federação Russa não poderão ter a nacionalidade de um estado estrangeiro, nem uma autorização de residência ou outro documento que permita a residência de seu titular. permanentemente em um país estrangeiro, bem como abrir e manter contas (depósitos) ou armazenar dinheiro e objetos de valor em bancos estrangeiros localizados fora da Federação Russa. «Uma medida que deve ser imitada por muitos países ao redor do mundo depois que informações explodirem sobre quantos presidentes de países e políticos renomados mantêm contas bancárias em paraísos fiscais.

A Rússia também será reconhecida como uma nação multiétnica, que aumentará a fala da língua russa, dentro e fora de suas fronteiras, com o objetivo de recuperar a comunidade linguística perdida e promover centros internacionais para ensinar russo como o Instituto Cervantes, com a língua espanhola.

Por sua vez, a Rússia declarou o sistema de pensões com base nos princípios de universalidade, justiça e solidariedade das gerações e garantirá que o salário mínimo não seja inferior à taxa média de subsistência para pessoas em idade ativa.

Relacionado:  Novo escândalo de "Ajuda Humanitária": assessor de Guaidó rouba empresário e ONG dos EUA

A medida anterior é adicionada à de estabelecer uma nova geração de assistência social, colocando as crianças no centro como uma prioridade da política nacional da Rússia. “A Federação Russa garante a prioridade da educação familiar. Caso a educação familiar não seja possível, o Estado assume as obrigações dos pais em relação aos referidos filhos ”, indica parte do texto da Nova Constituição.

Finalmente, uma das emendas interessantes e, embora a Rússia continue sendo um estado secular, ela coloca a palavra «Deus» em sua Constituição, refletindo, assim, o profundo sentimento religioso de suas autoridades e cidadãos.

A alteração mais controversa

Como observamos as alterações quase duzentas. Mas há um que causou polêmica e rejeição pelo mundo LGTBI, mais fora, do que dentro das fronteiras da Federação. Esta alegação foi endossada pela Embaixada dos Estados Unidos em Moscou, que levantou uma bandeira do arco-íris em protesto.

Esta é a emenda que estipula “proteger a instituição do casamento como a união de um homem e uma mulher; criar condições para criar filhos em famílias com dignidade, bem como treinar filhos adultos para cumprir seu dever de cuidar de seus pais”.

Essa medida causou picadas em setores que defendem o casamento gay e têm uma agenda globalmente financiada, para alterar a legislação em diferentes países, a fim de alcançar o direito ao casamento e também, em alguns casos, a adoção de filhos. Organizações que identificaram a alteração como discriminatória.

Por seu lado, as autoridades da Federação indicaram que não querem discriminar ninguém e que a Rússia não é homofóbica. Mas o comportamento sexual dessas pessoas tem a ver com suas vidas particulares.

“Queremos que nossos filhos cresçam em paz, sem preocupações, como fizemos, e sem adultos interferindo em suas idéias com temas que são para adultos e não para crianças. O casamento na Rússia será entre um homem e uma mulher ”, disse um representante do governo russo.

Tecnologias e votação eletrônica ocupam o centro do palco na Rússia

A Rússia deu um passo importante no campo da democracia eletrônica. Pessoas cujo registro eleitoral está em Moscou e Níjni Novgorod podem votar sim ou não na emenda constitucional online.

Consultado por El Ciudadano, o especialista russo em governo eletrônico, o professor Massuh, um dos líderes centrais da transformação digital no país, destacou que “o voto on-line garante a natureza secreta do voto, uma vez que os dados de registro da pessoa são armazenados em um banco de dados diferente, que registra o voto do usuário, não há cruzamento de dados e o processo é apoiado pela tecnologia blockchain”.

Quando perguntados sobre a autenticação do usuário, isto é, sabendo que quem está votando é realmente quem eles dizem ser, explicou: «Esse foi um processo longo e que a plataforma na qual os cidadãos agora também têm a possibilidade de participar votando já tem.» alguns anos, e para ter acesso a ele e a todos os benefícios sociais obtidos com o uso, há um momento em que a pessoa, para ter sua senha de acesso, deve comparecer pessoalmente com sua identificação ”, respondendo ao desenvolvimento russo de seu sistema Identificação e autenticação unificadas.

Outro fato que chamou nossa atenção é que o URL da participação do processo também está disponível no alfabeto cirílico, que segundo o especialista foi alcançado após um importante acordo promovido por ele com o ICAAN.

Notável por dentro, o processo democrático da Federação Russa, é que eles desenvolveram um centro de controle remoto que monitora o processo eleitoral. Este centro, ao qual podemos acessar para conhecer os detalhes de sua operação, recebe e armazena imagens de vídeo de cada local de votação.

Os vídeos que são monitorados 24 horas. por um grande grupo de especialistas, eles servem como alarme, para entender se há alguma incidência não regular no processo eleitoral, quando os alarmes disparam e o contato é feito com o local da votação.

O registro eleitoral para votação on-line foi encerrado em 21 de junho e espera-se que cerca de 1,5 milhão de pessoas participem dessa forma.

Até o momento, já houve uma tentativa de hackear o sistema de votação eletrônica, por meio de um «nó observador», mas o sistema foi restaurado e está operando estável.

Direito à autodeterminação

Quem conhece as Constituições também sabe que é necessário renovar o Contrato Social de uma sociedade, pelo menos a cada 20 anos. Com o tempo, as sociedades mudam e precisam de um novo acordo-quadro para a vida da comunidade. As maneiras de fazer as transformações necessárias em uma Constituição são diferentes, por meio da assembléia constituinte, ou plebiscitando as modificações, conforme decidido pela soberania, a Federação Russa.

O direito à autodeterminação dos povos, reconhecido em vários tratados internacionais, é o direito de um povo decidir suas próprias formas de governo, buscar seu desenvolvimento econômico, social e cultural, estruturar-se livremente, sem interferência externa e é exatamente isso que o que a Rússia está fazendo.

A Rússia conseguiu alcançar o respeito por um calendário eleitoral, sem colocar em risco a saúde das pessoas, apesar dos apelos da oposição para não participar do processo. A Rússia se torna um exemplo democrático para outras nações do mundo com eleições no horizonte, como o caso do Chile, cujo plebiscito para aprovar ou rejeitar a redação de uma Nova Constituição e seu mecanismo de elaboração é datado de 25 de outubro de 2020.