A origem do coronavírus que a mídia decidiu manter em segredo

Em dezembro de 2019, 2.505 casos de pneumonia rara foram detectados nos Estados Unidos, com um saldo de 54 mortes, cuja causa foi atribuída ao uso de cigarros eletrônicos
Publicado en

Portugués

0 0


Quando os primeiros casos do coronavírus COVID-19 começaram a surgir, a mídia não hesitou em indicar que o surto havia se originado no mercado de animais de Huanan, localizado na cidade chinesa de Wuhan.

A questão de onde, quando, como e por que o vírus que atualmente ataca pelo menos 155 países começou não pôde ser respondida com certeza. No entanto, novas pesquisas de cientistas chineses e japoneses revelam que o vírus não se originou na nação asiática, mas nos Estados Unidos, a milhares de quilômetros de Wuhan.

Além disso, eles deixam claro que o surto não veio do consumo de cobras ou morcegos, já que os principais meios de comunicação do mundo foram rápidos em relatar, sem evidências.

COVID-19 não se originou em Wuhan

O estudo publicado no ChinaXiv, um site para publicações de pesquisadores e cientistas, revela que o COVID-19 foi introduzido no mercado de Wuhan e depois se espalhou rapidamente, como resultado do grande fluxo de pessoas de todo o mundo que freqüentam esse lugar.

O relatório afirma que o Patient Zero transmitiu o vírus aos trabalhadores ou fornecedores do mercado, sempre lotado de pessoas, o que facilitou a transmissão rápida do vírus aos compradores, causando uma disseminação mais ampla no início de dezembro de 2019.

“Essa descoberta foi resultado da análise dos dados do genoma, das fontes de infecção e da via de disseminação das variações do novo coronavírus coletado na China”, relatou o The Global Times.

As autoridades médicas e agências de inteligência chinesas realizaram uma pesquisa rápida e extensa pela origem do vírus, coletando quase 100 amostras do genoma em 12 países diferentes em quatro continentes, identificando todas as variedades e mutações.

Na investigação, eles determinaram que o surto de vírus havia começado muito antes, provavelmente em novembro.

A pesquisa exaustiva explicaria por que tem havido tanta dificuldade em localizar e identificar o ‘paciente zero’.

Independentemente, os pesquisadores chineses e japoneses chegaram à mesma conclusão: o vírus não começou na China, foi introduzido no exterior.

Embora o COVID-19 tenha sido descoberto pela primeira vez na China, isso não significa que ele tenha se originado na China. Pode ter se originado em outro lugar, em outro país “, disse o principal especialista em respirações da China, Zhong Nanshan, em 27 de janeiro.

¿Epicentro nos Estados Unidos?

Em meados de fevereiro, a rede de televisão japonesa Asahi afirmou que o coronavírus se originou nos Estados Unidos, onde algumas, ou muitas, das 14.000 mortes atribuídas à influenza podem ter sido o resultado do coronavírus.

A estação sugeriu que o governo dos EUA talvez nem tivesse entendido a rapidez com que o vírus se espalhou dentro de seu território.

Para fazer essas alegações, Asahi apresentou documentos e relatórios científicos que deixaram claro que a população não estava ciente da causa das mortes, porque os EUA não realizou o teste ou não divulgou os resultados.

A revelação de que o surto de COVID-19 pode ter ocorrido primeiro nos EUA EUA provocou uma onda de comentários, não apenas no Japão, mas também na China, tornando-se imediatamente um tópico viral nas redes sociais desse país, especialmente desde outubro, quando os Jogos Militares Mundiais foram realizados em Wuhan, e é amplamente considerado provável que o vírus pode ter sido transmitido naquele momento, de uma fonte estrangeira.

“Talvez os delegados americanos tenham trazido o coronavírus para Wuhan, mas ocorreu uma mutação no vírus, tornando-o mais mortal e contagioso, e causando um surto generalizado este ano”, informou o jornal People’s Daily na época.

Mais tarde, em 27 de fevereiro, Taiwan apresentou uma série de fluxogramas em um noticiário sugerindo que o coronavírus se originou nos Estados Unidos.

O programa lembrou que, em dezembro de 2019, foram detectados 2.506 casos de pneumonia rara nos Estados Unidos, com um saldo de 54 mortes, cuja causa foi atribuída ao uso de cigarros eletrônicos.

Um importante virologista e farmacologista de Taiwan também ofereceu detalhes sobre os vários haplótipos (variedades do vírus) e como eles se relacionam, deixando claro que um deveria ter chegado antes do outro e que um tipo era derivado do outro.

Ele esclareceu que o tipo que infecta Taiwan existe apenas na Austrália e nos Estados Unidos e, como Taiwan não recebe visitas maciças dos australianos, o vírus poderia ter vindo apenas do país norte-americano.

Ele explicou que a localização geográfica com a maior diversidade de linhagens de vírus deve ser a fonte original, porque uma única linhagem não pode surgir do nada.

“Apenas os Estados Unidos têm as cinco cepas conhecidas do vírus (enquanto Wuhan e a maior parte da China têm apenas uma, assim como Taiwan e Coréia do Sul, Tailândia e Vietnã, Cingapura e Inglaterra, Bélgica e Alemanha), que é uma delas. tese de que haplótipos em outras nações podem ter se originado nos Estados Unidos ”, relatou The Global Times.

Nem o Irã nem a Itália, que são os países com mais casos de COVID-19 depois da China, foram incluídos nos testes anteriores, mas seus cientistas conseguiram decifrar o genoma obtendo variedades diferentes das do país asiático, o que significa que o O haplótipo não se originou lá, mas foi necessariamente introduzido de outra fonte.

Nessa ordem de idéias, na Itália, o coronavírus tem aproximadamente a mesma taxa de mortalidade que na China, três vezes maior que em outras nações, enquanto o haplótipo no Irã parece ser o mais mortal, com uma taxa de mortalidade entre 10 % e 25%.

Fibrose, mortes e coronavírus

O virologista de Taiwan também lembrou que recentemente nos Estados Unidos houve mais de 200 casos de uma rara “fibrose pulmonar”, que causou a morte devido à incapacidade dos pacientes de respirar e cujas condições e sintomas não puderam ser explicados.

O cientista escreveu artigos informando às autoridades de saúde daquele país que eles consideravam seriamente que essas mortes eram o resultado do coronavírus, embora fossem atribuídas a cigarros eletrônicos, sem se aprofundar no assunto.

O médico de Taiwan também afirmou que o surto do vírus começou antes do que a mídia relatou. “Devemos olhar para setembro de 2019”, referindo-se ao caso de alguns japoneses que viajaram para o Havaí e voltaram para suas casas infectadas.

Esses turistas nunca haviam estado na China e suas fotos virais foram geradas dois meses antes das infecções e logo após o Centro de Controle e Prevenção de Doenças (CDC) e o Laboratório de Armas Biológicas da Fort Detrick fechou de repente, alegando que as instalações eram insuficientes para evitar a perda de patógenos.

Além disso, o site de notícias chinês Huanqiu analisou um caso nos EUA. EUA em que os médicos disseram a um membro da família de uma mulher que havia morrido de gripe, embora o atestado de óbito tenha listado o coronavírus como a causa da morte.

Em 26 de fevereiro, a rede KJCT8, afiliada à ABC News, coletou o testemunho de Almeta Stone, moradora de Montrose, Colorado, que afirmou: “Eles (a equipe médica) nos informaram que era uma gripe, mas quando Eu obtive a certidão de óbito.O coronavírus apareceu como a causa da morte.

O coronavírus afetou 155 países e mais de 180.000 pessoas. Para chegar a conclusões mais decisivas e definitivas, seria necessário examinar amostras de vírus de cada uma dessas nações, o que permitiria determinar a verdadeira origem do COVID-19, bem como suas fontes e padrões de propagação.

Compártelo

Comentarios