Bolsonaro: Deus e balas ¿O que aconteceu com os evangélicos no Brasil após as eleições?

Igrejas e grupos neopentecostais foram cruciais para o ultra-direitista Jair Bolsonaro chegar à Presidência, com um discurso cheio de intolerância, autoritarismo e referências a Deus
Publicado en

Portugués

0 0


Embora o Brasil seja o país com o maior número de católicos do mundo, os grupos evangélicos estão ganhando cada vez mais devotos e passam a ter maior peso na política da gigante sul-americana.

Atualmente, os católicos, com 120 milhões de fiéis, compõem metade da população daquele país, de acordo com uma pesquisa recente do Datafolha, enquanto os evangélicos representam cerca de 31%.

Precisamente, o estudo afirma que, por um lado, o número de evangélicos cresce em média 0,8% ao ano e, por outro, os católicos são reduzidos em 1,2%.

Se a curva de crescimento permanecer estável, até 2032 haverá uma mudança na preferência da religião e, após cinco séculos de domínio católico, o evangelismo poderá ocupar esse lugar, segundo cálculos de José Eustaquio Alves, doutor em demografia especializado em tema religioso.

Capitalismo religioso

Em entrevista ao jornal La Nación, Alves ressaltou que existem várias razões que explicam esse fenômeno, incluindo o uso de uma linguagem mais clara e adaptada a diferentes tipos de fiéis, além de um tipo de massa mais atraente, semelhante a um show .

Mas, o principal motivo tem a ver, segundo o analista, com o melhor enquadramento das igrejas neopentecostais com o processo de desenvolvimento do capitalismo moderno.

«A Igreja Católica participou do projeto de colonização, cresceu e se fortaleceu junto às populações rurais, com baixa mobilidade social e espacial, com menor nível de consumo», explicou.

«O evangelismo, com sua teologia da prosperidade, considera que Deus se agrada em aumentar o consumo e ter sucesso na vida. Isso é muito propício ao consumo, aos investimentos e à lógica do capitalismo financeiro para a qual a Igreja Católica não estava preparada ”, enfatizou.

Segundo Alves, a transição entre um Brasil rural e menos dinâmico para um industrial e urbano fez com que muitos católicos se tornassem evangélicos.

«A Igreja Católica é como uma instituição transatlântica, muito forte e hierárquica, mas com pouca versatilidade», disse o especialista, que comparou o evangelismo ao jet ski, devido à sua capacidade de adaptação e velocidade.

Especialmente nas áreas urbanas, as igrejas evangélicas marcam presença quase indiscutível sobre outras religiões nas favelas brasileiras, onde ganharam terreno entre a população mais empobrecida do país.

De fato, o evangélico médio é negro, de baixa renda, jovem e mulher; enquanto o catolicismo é mais forte entre os idosos, de acordo com o estudo do Datafolha.

O voto evangélico

No nível político, a participação de igrejas evangélicas ou neopentecostais nos processos eleitorais da América Latina vem crescendo como parte da ofensiva conservadora que ameaça a região.

O voto evangélico é cortejado em cada campanha por candidatos de direita, que se oferecem para restringir leis mais liberais em torno do aborto ou do casamento entre pessoas do mesmo sexo.

Embora o evangelismo seja menos fiel que o catolicismo no Brasil, o voto de seus fiéis tende a ser menos disperso.

Graças à mensagem de muitos pastores, que em seus sermões abordam a questão política, a maioria da comunidade religiosa acaba se inclinando para o mesmo candidato, segundo analistas.

«Na década de 1980, o evangelismo começou a se posicionar na política, escolhendo seus próprios candidatos e fortalecendo-se no Congresso até alcançar o que hoje é conhecido como» banco evangélico «, com 87 deputados e três senadores», disse La Nación.

Atualmente, esses grupos religiosos vão às eleições com suas próprias indicações ou apoiando outros, usando seu poder para vincular crenças de fé à política e canalizar o desespero da população.

«No futuro, qualquer político que queira ser competitivo em nível nacional terá que agradar pelo menos uma parcela significativa dos evangélicos», disse o demógrafo.

Bolsonaro e intolerância religiosa

De fato, as igrejas e os grupos evangélicos foram cruciais para o ultra-direitista Jair Bolsonaro chegar à Presidência, com um discurso cheio de intolerância, autoritarismo e referências a Deus.

Bolsonaro aproveitou a ascensão dessa comunidade religiosa, foi batizado evangélico e formou uma aliança com poderosos grupos carismáticos para capturar votos.

Menções a Deus aparecem na primeira página de seu plano de governo: «Deus acima de tudo». Mesmo em 28 de outubro de 2018, sua vitória era pouco conhecida, suas primeiras palavras se referiram a Deus.

«Eu nunca estava sozinho, sempre senti a presença de Deus ao meu lado», disse ele, carregando a Constituição em uma mão e a Bíblia na outra.

Em seu plano de governo, ele integrou elementos fundamentais da doutrina carismática, especialmente no que diz respeito à educação e à família.

Em seu artigo «Democracia, evangelismo e reação conservadora», o pesquisador Jean-Jacques Kourliandsky lembrou que Bolsonaro propôs o que definiu como «caminho da verdade», «decente, liberal, baseado no indivíduo, na família e nas Forças. Armado ».

Segundo o analista, o presidente propôs governar como representante de um direito nacional-evangélico extremo, promovendo autoritarismo, sectarismo, ocidentalismo, anticomunismo e liberalismo econômico, como ficou evidente desde que assumiu a Presidência em janeiro de 2019.

O Presidente, ciente da importância do voto evangélico, priorizou o relacionamento com esses grupos religiosos.

«A frequência de eventos evangélicos na agenda presidencial até agora foi quatro vezes maior do que a dos compromissos ligados à Igreja Católica e outras religiões, em uma média de três reuniões com líderes neopentecostais por mês», relatou o La Nación.

No Brasil de Bolsonaro, a prevalência evangélica na promoção de costumes conservadores gera medo em grupos civis que relatam casos de censura no nível cultural e retrocessos na aplicação de políticas de inclusão social.

O presidente, que se orgulha de ser «cristão em um país secular», nomeou Damares Alves, pastor evangélico, como ministra da Mulher, Direitos Humanos e Família.

Em sua gestão, Alves cuidou da aplicação de medidas polêmicas como um plano para evitar a gravidez na adolescência que eleva a abstinência sexual como uma das principais estratégias, slogan promovido pelos pastores neopentecostais.

Além disso, a extrema direita acusou os governos anteriores do Partido dos Trabalhadores (PT) de perverter os costumes de milhões de brasileiros e até de promover a homossexualidade, estudando uma campanha educacional contra a homofobia, discurso aplaudido por o conservadorismo evangélico.

“Bolsonaro demonizou seus adversários políticos com a intolerância praticada pelos evangélicos em relação a outras confissões. Ele os demonizou como socialistas ou comunistas ”, disse Jean-Jacques Kourliandsky.

Violência em nome de Deus

A intolerância promovida por Jair Bolsonaro teve um efeito no aumento da agressividade de uma parte da Igreja Evangélica no Brasil.

Em 2019, mais de 200 espaços sagrados das religiões do candomblé e da umbanda (cultos afro-brasileiros) foram atacados por extremistas neopentecostais, conforme revelado dias atrás no III Seminário sobre Liberdade Religiosa, Democracia e Direitos Humanos, organizado pelo Centro de Articulação de Populações marginalizadas e a campanha nacional de combate à intolerância religiosa.

O aumento da agressão contra grupos religiosos anda de mãos dadas com o crescimento da comunidade evangélica no Brasil.

Há cantos isolados onde não falta uma igreja neopentecostal, ou várias, e muitas delas promovem intolerância religiosa.

«Apenas assista às concessões de rádio e televisão e ouça e assista a seus programas. Há racismo religioso, ódio disseminado ”, denunciou Doné Conceição de Lissá, sacerdotisa do candomblé.

«Eles nos chamam de mal, nossos orixás, nossas divindades, são tratados como demônios, como inimigos», disse.

Falando ao site do El Diario, ele lembrou que, à frente do conglomerado neopentecostal da mídia, está Edir Macedo, fundador da Igreja Universal do Reino de Deus, proprietário do Record Group, que inclui canais de televisão, estações de rádio e jornais impressos e digitais, e que deu total apoio a Bolsonaro na campanha presidencial.

O terreiro de Doné Conceição de Lissá, no município de Duque de Caxias, foi atacado oito vezes nos últimos dez anos.

O líder religioso do Candomblé explicou que, independentemente do poder e influência da mídia, o extremismo religioso de grupos evangélicos aplica uma estratégia única para alcançar mais fiéis.

«Eles entraram em um quarteirão nas prisões e, assim, conseguiram capturar uma legião de traficantes para suas igrejas (…) Depois que esses presos se tornam parte dessas igrejas, começam a nos perseguir», denunciou.

Segundo Doné Conceição de Lissá, as igrejas evangélicas oferecem conforto nas prisões em massa, certos privilégios e até certos abatimentos de condenação.

«Muitos dos ataques a espaços sagrados da umbanda e do candomblé foram articulados de dentro dos centros penitenciários», disse ele.

Outro perigo para a umbanda e o candomblé são os auto-proclamados «gladiadores do altar», um exército fundamentalista de milhares de jovens criados pela Igreja Universal do Reino de Deus em 2015.

“Todo e qualquer conhecimento das igrejas neopentecostais está funcionando. Trabalhos de lavagem cerebral ”, denunciou Conceição de Lissá, referindo-se aos“ gladiadores ”que, sem escrúpulos, afirmam estar“ prontos para a batalha ”.

«Não é intolerância religiosa, mas racismo religioso. O Estado é dominado pelo neo-fascismo, eles querem aniquilar os pobres, os negros, o favelado e os homossexuais «, acrescentou.

Protesto religioso no Carnaval do Rio

A agressão de setores evangélicos extremistas contra grupos religiosos afro-brasileiros chegou ao Carnaval do Rio de Janeiro 2020, uma edição profundamente marcada por expressões de protesto social e político.

A escola de samba Grande Rio causou choque no sambódromo do Rio quando as pessoas revelaram uma enorme faixa que dizia «Respeite meu axé» diante da platéia.

Axé é a força vital cósmica do candomblé da religião afro-brasileira. O Grande Rio convocou as dezenas de milhares de espectadores nas arquibancadas do sambódromo e os milhões de pessoas que assistiam de suas casas a aceitar pessoas de fé afro-brasileira, em meio à onda de assédio relacionado à disseminação do evangelismo que defende Bolsonaro

Membros da escola do Grande Rio, como Jaciel Henrique, disseram que se aproveitaram da competição tradicional das escolas de samba para dizer ao mundo que as religiões com influência africana, como o candomblé, precisam ser respeitadas e protegidas.

«Queremos ser respeitados, e o Carnaval é sobre isso. Respeite onde todos se reúnem em favor de um poder: a felicidade ”, afirmou Henrique. «É um carnaval com muitos protestos para o mundo ver o que acontece aqui», disse a jovem Camila Rocha antes de sair para desfilar no sambódromo.

Compártelo

Comentarios