Corrupção, estupro e espionagem: a onda de escândalos que abala o exército colombiano

Em meados de maio, vários meios de comunicação colombianos revelaram a conspiração da Operação Bastón, que envolve membros do Exército colombiano vinculados ao narcotráfico
Publicado en

Portugués

0 0


Corrupção, espionagem ilegal, violação de direitos humanos e abuso sexual são alguns dos escândalos descobertos durante o último ano e que revelam a crise pela qual o Exército colombiano está passando.

Em 25 de junho, as autoridades indígenas relataram que uma menina de 13 anos foi estuprada e sequestrada por soldados que patrulhavam o território da comunidade Embera Chamí, no oeste da Colômbia.

No final, sete soldados aceitaram acusações de estupro do menor e estão presos. Este caso abriu uma caixa de pandora que aumentou a indignação do povo colombiano em relação ao comportamento de suas forças armadas.

A mídia revelou uma série de acusações de violações militares contra meninas em outras comunidades indígenas, pelas quais o Exército reconheceu que 118 soldados estão sendo investigados por suposto abuso sexual contra menores, cometido nos últimos quatro anos.

«Dolorosamente, quero comunicar a todos os colombianos que realizamos uma verificação detalhada no momento desde 2016, identificando 118 membros da força relacionados em casos de supostos atos sexuais violentos e abusivos contra menores», disse o comandante do Exército Eduardo. Zapateiro, em uma coletiva de imprensa virtual.

Segundo o general, o Ministério Público e o Exército investigam todos os casos para determinar as ações criminais, disciplinares e administrativas que possam ocorrer.

Dada a controvérsia desencadeada, Zapateiro negou a «sistemática» de violações contra menores no Exército e enfatizou que esses são «comportamentos individuais» e não «sistemáticos» dos 240.000 membros do Exército.

«Uma conduta individual não pode estigmatizar o resto dos soldados que prestam seu serviço militar obrigatório da melhor maneira», assegurou, enquanto anunciava medidas de prevenção e treinamento para prevenir esses crimes.

No entanto, o abuso sexual é um acréscimo a outros escândalos que nos últimos meses têm manchado as Forças Armadas da nação sul-americana.

Assassinato de menores

Em novembro de 2019, o então ministro da Defesa, Guillermo Botero, foi forçado a renunciar ao cargo, em meio a controvérsias sobre um atentado do Exército que matou oito menores de idade.

O fato ficou oculto por meses e apresentado como uma operação na qual morreram 13 membros de um campo de guerrilha e seu chefe, Rogelio Bolívar Córdoba, também conhecido como Gildardo Cucho.

Mas, no local, houve menores que morreram no ataque. De acordo com exames de autoridades forenses apresentadas no Congresso, entre os mortos estavam uma menina de 12 anos, uma adolescente de 15 anos, três de 17 e três outras crianças menores de 16 anos.

A demissão de Botero ocorreu uma semana antes do Congresso votar uma moção de censura contra ele, pela estratégia de defesa e segurança «que colocou em risco os direitos e liberdades da população civil».

Além disso, o ex-ministro da Defesa estava sendo apontado pela situação de violência no departamento de Cauca, onde os indígenas foram mortos em vários ataques.

Espionagem ilegal

No início de 2020, um escândalo de espionagem eclodiu pelos militares contra pelo menos 130 pessoas, usando ferramentas de computador.

Os esforços de espionagem ocorreram entre fevereiro e dezembro de 2019, foram realizados através do desvio de recursos da cooperação norte-americana e incluíram jornalistas estrangeiros, defensores de direitos humanos, sindicalistas e até generais e membros do governo.

Vários setores questionaram que esses cidadãos tenham sido alvo de acompanhamento e assédio por parte do aparato de inteligência e contra-inteligência militar, enquanto os líderes sociais estão sem proteção.

A Associação Internacional de Imprensa da Colômbia (APIC) rejeitou «a intercepção e monitoramento ilegais de jornalistas nacionais e internacionais» e solicitou garantias de segurança para os correspondentes perseguidos, informou a Telesur.

Por sua parte, o senador Gustavo Bolívar, que aparece na lista de espiões, garantiu que uma operação dessa magnitude deveria custar bilhões de pesos e que um movimento como esse não é realizado «sem o conhecimento do Estado».

Funcionários da Operação

Em meados de maio, vários meios de comunicação colombianos revelaram o enredo da Operação Bastón, que envolve membros do Exército colombiano vinculados ao narcotráfico, cumplicidade com a eliminação de líderes sociais, espionagem eletrônica, perfil de opositores de esquerda, proteção da mineração ilegal, desvio de dinheiro, entrega de contratos em mão em troca de presentes suculentos, venda de armas e condutas seguras para grupos paramilitares e irregulares.

A investigação teve origem na solicitação do governo colombiano de pertencer à Organização do Tratado do Atlântico Norte (OTAN), como parceiro e não como membro pleno, e procurou padronizar os padrões de transparência de suas forças armadas com os do grupo de defesa Europeu.

O resultado desse trabalho de investigação interna causou impacto, não apenas pelo número de funcionários uniformizados de todos os graus envolvidos em atividades fora da lei, mas também pela gravidade dos eventos.

Mesmo devido ao volume de informações, pode-se falar de uma espécie de WikiLeaks do exército colombiano.

A operação de contrainteligência descobriu numerosos atos de corrupção envolvendo 16 generais seniores e 266 oficiais do Exército e suboficiais e 35 civis. O título da operação refere-se ao comando tradicional usado pelos generais, o grupo através do qual a investigação começou, que expôs irregularidades e crimes dentro da instituição.

O vazamento dos resultados da investigação por jornalistas colombianos gerou choque na opinião pública, enquanto o ministro da Defesa Carlos Holmes Trujillo foi chamado para comparecer no Senado pelos parlamentares Iván Cepeda, Gustavo Bolívar e Antonio Sanguino.

O senador Cepeda definiu o relatório como um «panorama horrível» que demonstra a existência de «um bloco corrupto de extrema-direita e sólido, intimamente ligado ao tráfico de drogas no exército nacional».

Denunciou que pretende colocar um cobertor de silêncio sobre a investigação e que o Ministério Público Militar pretende ligar as pessoas da instituição vazando os resultados da Operação, bem como os jornalistas que a espalham.

Para o senador Gustavo Bolívar, de Alianza Verde, os eventos relatados «correspondem a uma rede de estruturas criminosas entrincheiradas com um aparato de extrema direita».

Por sua parte, o senador Antonio Sanguino, que está na lista de políticos vítimas de espionagem, denunciou que essa prática viola direitos fundamentais e gera grande preocupação por sua segurança, diante de ameaças contínuas de grupos de extrema-direita como o Águias Negras, que já o ameaçaram de morte em outras ocasiões.

Em resposta às acusações, Holmes Trujillo negou que houvesse acobertamento nos casos relatados, limitando que, por disposição legal, a Procuradoria Geral da República não possa divulgar os nomes das pessoas investigadas, nem o status do processo que, assegurou, está sob investigação. .

Ele ressaltou que, nos supostos vínculos das Forças Armadas com o narcotráfico, eles estão sendo investigados, limitando que sejam casos individuais, de modo que não é possível falar de uma estrutura dentro do Exército.

No entanto, segundo a revista Semana, inexplicavelmente, em muitos casos, as investigações foram deixadas nos arquivos dos promotores.

Tropas americanas

O último escândalo que abala o Exército e o Governo é que um tribunal ordenou ao presidente Iván Duque que suspendesse as atividades de uma brigada militar dos EUA, implantada no país latino-americano entre 27 de maio e 2 de junho, por alegado apoio na luta contra tráfico de drogas.

A decisão do Tribunal Administrativo de Cundinamarca estabelece que as operações devem parar enquanto o Senado debate se autoriza ou não as atividades e a presença de tropas estrangeiras no território colombiano, conforme estabelecido pela Constituição.

Além disso, estabelece que Duque deve entregar à Câmara Alta todas as informações sobre entrada, chegada e permanência de cinquenta centenas de unidades especiais do contingente de Assistência às Forças de Segurança.

A sentença ocorreu após a denúncia apresentada por vários congressistas, que consideram que a autorização do envio das 53 tropas americanas deve passar pelo Senado, informou a RT.

A chegada das tropas norte-americanas causou rejeição por vários setores, alertando que a presença militar dos Estados Unidos na Colômbia ameaça a soberania nacional e também é inconstitucional.

Um grande grupo de congressistas considerou uma violação da soberania e das funções do Senado, além de um possível gatilho para um conflito de guerra com a Venezuela.

«Estou muito satisfeito que a justiça na Colômbia restaure nossos direitos e nossa soberania (…) Esperamos que o Congresso esteja à altura da tarefa e negue a presença invasiva e hostil em nosso território», disse Cepeda, um dos promotores da ação judicial. . Bogotá e Washington asseguram que as forças armadas dos EUA se limitem a aconselhar e apoiar ações contra o narcotráfico, realizadas exclusivamente pelas Forças Armadas da Colômbia. Por esse motivo, Duque argumenta que a chegada da brigada não deve ser autorizada pelo Senado.