Este será o substituto de Guaidó? Trump, traficantes de drogas e a OEA apoiariam

Leocenis García, jornalista de 39 anos com antecedentes criminais e historicamente ligada aos cartéis de drogas colombianos, seria o substituto que Washington está procurando
Publicado en

Portugués

0 0


Guaidó

O chefe da Casa Branca, Donald Trump, não gosta mais da figura pobre de Juan Guaidó e de sua liderança inexistente na Venezuela. O regime dos EUA há muito tempo procura distanciar-se da ala de Leopoldo López de maneiras diferentes, mas o último golpe contra esse suposto líder político da oposição foi atingido pelo próprio magnata na última sexta-feira e antes de um séquito de extremistas da oposição venezuelana em Miami, Flórida.

“Parece estar perdendo algum poder”, disse Trump sobre Guaidó na sexta-feira passada, em entrevista ao Telemundo. “Queremos alguém que tenha o apoio do povo. Eu apoio a pessoa que tem o apoio do povo “, disse o chefe da Casa Branca no meio de uma jornada feita pela Flórida em busca dos votos duros que permitiriam a ele entrar em uma reeleição presidencial que está subindo.

As palavras de Trump parecem não ser vazias, mas parte de uma nova agenda de Washington contra a Venezuela que busca encerrar o “projeto Guaidó” para abrir caminho para um “novo” nome para a oposição que pode dar batalha ao presidente Nicolás Maduro, que tem sido um osso duro de roer para o governo americano.

Nesse sentido, a plataforma de jornalismo de dados La Tabla destacou que o “projeto Juan Guaidó” teria seus dias contados antes da possível mudança de peão nos arquivos processados ​​pelo regime dos Estados Unidos para tentar assumir o controle político e econômico da Venezuela .

A mídia explica que, recentemente, Leocenis García, jornalista de 39 anos com antecedentes criminais e historicamente ligada aos cartéis de drogas colombianos, especialmente com o supostamente extinto cartel de Medellín, seria o substituto que os Estados Unidos estão buscando Juan Guaidó, desgastado e cada vez mais impopular.

La Tabla comenta que a mais recente reunião de García, que tem campanhas publicitárias em diferentes canais a cabo internacionais, pagas em milhares de dólares, para se mostrar “uma opção” para a Venezuela sem conhecer os recursos para esse fim – com o Secretário Geral da Organização. dos Estados Americanos (OEA), Luis Almagro, “parece mostrar sua ‘influência’ nas instâncias de tomada de decisão do governo dos Estados Unidos na política externa e em suas organizações internacionais instrumentais”.

Almagro e a OEA estão fechando as portas para Guaidó

Esta seria a segunda reunião “oficial” realizada por García e Almagro, depois de se conhecerem na capital dos EUA, Washington, em julho de 2019.

A mídia investigativa destaca que as reuniões foram realizadas apesar do quase inexistente “peso político” do ex-editor do Sexto Poder, uma mídia radicalmente contrária ao Chavismo que estava envolvida em escândalos de lavagem de dinheiro, evasão fiscal, promoção da pornografia e atendimento às redes de drogas para enriquecimento ilícito.

“Isso ocorre apesar do peso político inexpugnável do ex-‘editor’, no conflito pelo poder na Venezuela: ele não tem registro de líder político, seu ‘partido’ pró-cidadãos ‘não é reconhecido pelo Conselho Nacional Eleitoral (CNE), e ainda , chegou à fração de ‘controle’ entre 6 e 10 deputados “, acrescenta La Tabla.

“Além disso, Garcia pode mostrar uma foto que outros gostariam: com Mauricio Clavier, membro do Conselho de Segurança, representante do Fundo Monetário Internacional (FMI) e homem de confiança de Trump, a ponto de ser considerado a ‘chave’ do A Casa Branca. Sua opinião decidiu a seleção de Guaidó em 2018 ″, diz o segmento de tweets publicados pela agência de pesquisas.

Ele acrescenta que “Leocenis García” também “se encontrou (na turnê de julho de 2019) com Elliott Abrams, enviado especial para a Venezuela; com Wyndee Parker, assessora da chefe da Câmara dos Deputados, Nancy Pelosi; e com Keith Mines, do Departamento de Estado. Algum interesse desperta, sem dúvida.

Segundo La Tabla, “não parece coincidência que as informações da reunião García-Almagro tenham sido divulgadas ao mesmo tempo em que em Miraflores a oposição ‘colaboracionista’ (que participou da seleção da nova CNE) estava se encontrando com o presidente Nicolás Maduro. Leocenis García não estava lá ».

“Obviamente, o encontro com a Almagro preocupa o Projeto Guaidó, que permanece em rigorosa” quarentena “, enquanto perde publicamente o apoio dos Estados Unidos. Enquanto isso, Leocenis García está aprofundando uma campanha “presidencial” voltada para os setores populares, a partir de suas contas da Rede Social “, na qual ele assegura que faz reuniões com comunidades em diferentes estados do país.

Fundo escuro de Garcia

Em 2008, Leocenis García se envolveu em um escândalo quando atacou violentamente a sede do jornal El Periódico, localizado em Valência, estado de Carabobo, no centro da Venezuela.

Por esse fato, ele foi preso e acusado de “assédio, violação de endereço, danos violentos à propriedade, porte ilícito de armas de fogo e resistência à autoridade”.

Segundo artigo publicado no portal de Aporrea, García colocou páginas publicitárias da Fundação Makled no Sexto Poder, de propriedade do narcotraficante Walid Makled e, por sua vez, proprietário do El Periódico. García, não recebendo pagamento pelo espaço publicitário, foi destruir a sede da mídia.

Naquela época, o jornalista Desirée Santos Amaral denunciou que García não tinha currículo, mas antecedentes criminais, e que seus vínculos não eram apenas com o narcotráfico colombiano, mas também com gangues de prisão, incluindo Wilmer Brizuela, líder negativo na prisão da cidade. Bolivar.

“Sim, sou amigo de Wilmer Brizuela, o pran (líder da máfia) de Bolívar, e qual é o pior?”, Escreveu Garcia em sua conta no Twitter em 2011, segundo a mídia.

O possível substituto de Guaidó parece ter um apoio que não vem exatamente da Venezuela, mas da Colômbia. Seus supostos vínculos com o narcotráfico e o paramilitarismo colombiano, e especialmente com o uribismo, colocam-no como um elemento de confiança para grupos irregulares colombianos que teriam um tribunal aberto com García no poder.

É mais perto da Colômbia que Guaidó

Com García, Washington poderia governar livremente a Venezuela, impor ao Fundo Monetário Internacional, retornar ao DEA no suposto trabalho antidrogas, levar as Forças Armadas a bani-lo da esfera política e fazer da Venezuela um país seguro para o trânsito da Venezuela. droga que atualmente deixa o Brasil e a Colômbia para a Europa e os Estados Unidos.

Nesse sentido, García serviria como uma espécie de Jair Bolsonaro e Iván Duque em uma região que já possui outros governos satélites de Washington, como Sebastián Piñera no Chile, ditadora Jeanine Áñez na Bolívia, Martín Vizcarra no Peru, Mario Abdo Benítez no Paraguai, Lenín Moreno, no Equador, e Luis Lacalle Pou, no Uruguai.

Os laços de García com o crime colombiano já haviam desencadeado diferentes teorias sobre sua riqueza e recursos que um jornalista comum não poderia obter legalmente. A esse respeito, aqueles que conheceram García em seus dias de estudante garantem que é estranho como, durante a noite, ele se tornou um empresário milionário.

Guaidó

O passado sombrio de García foi agravado quando ele se tornou diretor do grupo editorial Sexto Poder, um meio que ele desqualificava e inventava notícias falsas para gerar campanhas difamatórias contra o Chavismo. Com o tempo, suas más práticas de sonegação de impostos acabaram levando-o a ser acusado de lavagem de dinheiro e a ser detido por supostos atos de corrupção.

Além disso, ele está vinculado ao traficante Pablo Escobar Gaviria, ex-chefe do cartel de Medellín e conhecido como “o narcotraficante”, “a maior Colômbia que já teve”, lembra García, que confessou sua admiração. por Escobar e até trouxe flores para o túmulo.

García nunca poderia justificar a renda multimilionária do sexto poder. De fato, ele nunca os declarou perante os órgãos competentes, razão pela qual suas contas financeiras foram congeladas pelo Estado, explicou o Ministério Público da época.

Para tudo isso, as diferenças entre García e Guaidó não seriam muitas. Guaidó, que está saindo, não parou de roubar e se envolver em escândalos de prostituição, drogas, tráfico de drogas, paramilitares, assassinatos, mercenários, assaltos ao Estado, usurpação de funções públicas, entre outros. Por outro lado, García já tem um recorde de cinza e, se ele for o substituto, certamente não gerará nada de bom para os venezuelanos, mas ele gera Bogotá e Washington.

Compártelo

Comentarios