Médicos da Itália e dos EUA duvidam que o COVID-19 tenha surgido na China

Em 12 de março, o Ministério das Relações Exteriores da China informou que o Exército Norte-Americano estava encarregado de introduzir o coronavírus 19 em Wuhan, a cidade onde o primeiro surto importante da infecção foi registrado
Publicado en

Portugués

0 0


O governo dos Estados Unidos está comprometido em consolidar a ideia de que o coronavírus COVID-19 surgiu na cidade de Wuhan, na China. Para fazer isso, toda a plataforma internacional de mídia fez lobby para que essa matriz de opinião seja semeada na opinião pública.

Em 2019, a guerra frontal dos EUA. EUA Ficou evidente na imposição de tarifas sobre as exportações chinesas, bem como no apoio à desestabilização em Hong Kong e no caso de suposto roubo de informações tecnológicas que empresas desse país asiático teriam feito contra empresas americanas.

Na mesma ordem, o boicote de Washington contra a tecnologia 5G que disponibilizou a China ao mundo vem à tona, além do bloqueio contra a marca de celulares Huawei, que colocou a Apple sob controle, por sua enorme capacidade em relação ao relacionamento. qualidade e custo, entre outras peculiaridades.

No meio dessa guerra, de acordo com a narrativa da Casa Branca e da grande mídia hegemônica, parece que os EUA é sempre a vítima e «os comunistas chineses» os criminosos mais perversos. No entanto, o pouco que se diz nesta história é que Washington procura a todo custo manter sua hegemonia mundial, a imposição do dólar como moeda global e continua a ser reconhecida como a primeira economia do planeta.

Nas últimas duas décadas, as guerras frontais armadas não deram frutos a Washington para sustentar seu poder hegemônico. A China, por outro lado, com sua industrialização, posicionou-se como a nação que deslocará os Estados Unidos – embora muitos especialistas afirmem que já o fez – como a primeira economia mundial, com outras nações que seguem seu caminho, incluindo Rússia e Índia, outras dois gigantes que também enfrentam o país norte-americano.

Diante disso, a teoria imposta de que o COVID-19 é «chinês», ou fabricado na China, como Donald Trump disse recentemente, além de consolidar, parece diluir e, portanto, produzir um tipo de efeito rebote que coloca o Pentágono como Principal responsável pela pandemia, que já tem pelo menos 400.000 infectados diagnosticados e causou a morte de mais de 17 mil pessoas.

«Casos raros» que ocorreram nos EUA e na Itália

Em 12 de março, o Ministério das Relações Exteriores da China informou que o Exército dos EUA. EUA Ele foi responsável pela introdução do coronavírus 19 em Wuhan, a cidade onde foi registrado o primeiro grande surto da infecção.

O estranho no caso é que os dois países inicialmente mais afetados são precisamente duas nações classificadas por Washington como «inimigos» e «ameaças» aos Estados Unidos: China e Irã.

Entre as acusações de Trump e a mensagem da mídia que procura impor a frase «o coronavírus Wuhan», o diretor dos Centros de Controle e Prevenção de Doenças (CDC), Robert Redfield, Ele admitiu durante o Comitê de Supervisão da Câmara dos Deputados que alguns americanos que aparentemente morreram de gripe em 2019 apresentaram resultado positivo para o COVID-19 postumamente.

A alegação de Redfield não apenas derruba a teoria do vírus chinês, mas também dá origem a outra: os Estados Unidos tinham conhecimento do vírus, possivelmente o criaram, o liberaram para ver seu comportamento letal, conseguiram tratamento, esconderam e lançaram como uma arma biológica contra os dois países que não podem nem ousam se envolver militarmente.

O porta-voz do Ministério das Relações Exteriores da China, Zhao Lijian, respondeu: «Algumas mortes por influenza foram realmente infectadas pelo COVID-19», admitiu Robert Redfield, do CDC, na Câmara dos Deputados. Os Estados Unidos registraram 34 milhões de casos de gripe e 20 mil mortes. Quantos estão relacionados com o COVID-19?

Nesse contexto, Lijian descreveu como «absolutamente incorreto e inapropriado» chamar esse vírus de «coronavírus chinês», quando sua origem é realmente americana.

COVID-19 pode ser criado entre EUA e Israel

Philip Giraldi, ex-funcionário da Agência Central de Inteligência (CIA), acredita que seu país poderia «criar» o chamado COVID-19, em colaboração com o governo de Israel, como uma arma biológica de guerra para prejudicar para a China e o Irã; e no caso dos israelenses usá-lo contra a Palestina.

Essa afirmação é adicionada a uma das várias análises que não descartam o papel principal da EE. EUA dar origem à pandemia que afeta 97% do planeta e que disparou os alarmes da Organização Mundial da Saúde (OMS).

Acrescentam-se a essa realidade declarações do diretor do Instituto Mario Negri de Pesquisa Farmacológica de Milão (Itália), Dr. Giuseppe Remuzzi, que ressalta que antes do primeiro contágio em Wuhan era conhecido, na Itália casos de pessoas com «um tipo de pneumonia muito estranha e grave ».

«Eles (médicos de clínica geral) lembram-se de ver um tipo de pneumonia muito estranho e muito grave, principalmente em idosos, em dezembro ou novembro (…) Isso significa que o vírus estava circulando, pelo menos na (região) Lombardia antes que soubéssemos que esse surto estava ocorrendo na China «, afirmou o especialista italiano da Rádio Pública Nacional dos Estados Unidos.

As observações de Remuzzi fazem os especialistas pensarem que o SARS-CoV-2 ou COVID-19 poderia ter infectado uma multidão de pacientes na Itália desde 2019.

¿Vírus Gringo fabricado nos EUA?

Paralelamente, especialistas chineses também lembram casos que sugerem que o vírus circulava desde antes do surto. Em Wuhan, «pneumonia com um caso desconhecido» foi detectada em dezembro, mas uma reportagem da mídia nacional sugeriu que o primeiro caso poderia voltar a meados de novembro. Oficialmente, o primeiro caso em Wuhan foi confirmado em 1 de dezembro de 2019.

Se for confirmado que já em 2019 o vírus circulava no país transalpino, a teoria do início do surto na Itália seria descartada, o que garante que a infecção chegue à Lombardia devido ao contato de um cidadão chinês com um italiano.

Em 2019, nos Estados Unidos, houve um estranho surto de fibrose pulmonar que causou a morte, devido à incapacidade dos pacientes de respirar. Naquele momento, foi garantido na mídia que essas vítimas poderiam estar relacionadas ao uso de artigos.

Diante dessas teorias, a mídia convencional ousará deixar a frase «coronavírus Wuhan» para substituí-la por «vírus gringo» ou «coronavírus americano» ou será a manchete: COVID-19 é «Made in USA»?.

Compártelo

Comentarios