Um ano de Bolsonaro: violência, corrupção e estagnação

O ex-capitão do exército tem uma popularidade abaixo da de seus antecessores Fernando Henrique Cardoso, Luiz Inácio Lula da Silva e Dilma Rousseff pelo mesmo período
Publicado en

Portugués

0 0


O presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, comemorou seu primeiro ano de governo na quarta-feira. Nos últimos doze meses, foi proposto «libertar» o gigante sul-americano da esquerda e «globalismo» para construir um país «respeitoso da religião» e o direito de portar armas.

«Todos devemos restaurar os padrões éticos e morais para reconstruir a nação», «não podemos permitir ideologias que destroem nossos valores», «corrupção, privilégios e vantagens devem acabar», foram algumas das frases que Bolsonaro pronunciou em 1º de janeiro. 2019, quando assumiu a presidência.

Seu discurso prometeu a reconstrução do Brasil, de um «povo (que) começou a se libertar do socialismo, do investimento de valores, do gigantismo de Estado e do politicamente correto», e de uma nova maneira de governar

No entanto, a proposta de uma mudança radical da ultra-direitista de 64 anos – para remover rapidamente o Brasil de seus problemas mais sérios – e as promessas de «melhorar a economia, aplicar a» mão dura «contra o crime e alcançar o fim do A corrupção tornou-se um bumerangue.

Apenas 29% dos brasileiros consideram boas as políticas aplicadas por Bolsonaro em seu primeiro ano de governo. Segundo pesquisa publicada pela consultoria Ibope, em 20 de dezembro. Enquanto 38% dos brasileiros consideram a administração do presidente ruim.

Assim, o ex-capitão do exército carrega nas costas um desgaste político incomum para um presidente em seus primeiros meses de mandato.

Segundo estudos, Bolsonaro alcançou seu primeiro ano com uma popularidade abaixo da de seus antecessores Fernando Henrique Cardoso (41%), Luiz Inácio Lula da Silva (42%) e Dilma Rousseff (59%) no mesmo período.

Um ano de uso

«Foi um ano de desgaste. Bolsonaro fez um discurso para romper com a política tradicional, mas vimos algo semelhante ao habitual ”, disse Mauricio Santoro, cientista político e professor da Universidade Estadual do Rio de Janeiro, citado pelo jornal La Nación.

Segundo Santoro, o primeiro ano do governo ultra-direitista foi marcado por gestos e políticas para agradar a base eleitoral que deu a vitória em 2018, resumida em três grupos: econômico, classe média e negócios que clamam por medidas de liberalização. a economia; o conservador e evangélico, que busca dominar a agenda dos costumes; e um último grupo focado na luta contra a corrupção e a violência.

“O presidente está satisfeito em manter sua base, sem se preocupar tanto com a possibilidade de expansão. Ele acredita que ter essa porcentagem de apoio, se ele voltar a olhar para a esquerda, será suficiente ”, acrescentou.

“À medida que o medo antipetista se estabiliza, os apoiadores de Bolsonaro começam a olhar para o próprio governo. Em segurança e economia, o governo não cumpriu suas agendas: a crise continua afetando as famílias e a insegurança pública permanece alta. Acrescente a isso os escândalos de corrupção envolvendo o filho mais velho (Flávio) e a esposa do presidente (Michele). Muitos dos que votaram e apoiaram a luta contra o Partido dos Trabalhadores (PT) não o apoiam mais quando ele vê esses problemas ”, explicou a cientista política brasileira Camilla Gerardello ao portal La Tercera.

Enquanto o analista da Universidade Mackenzie, em São Paulo, Rodrigo Augusto Prando, “a síntese desse governo tem sido a lenta recuperação da economia e um estilo político de confronto. Bolsonaro enfrenta oponentes e aliados, internos e externos, reais e imaginários. Sua baixa aprovação mostra que ele busca estreitar as relações com atores políticos, instituições e sociedade”.

Bolsonaro não cumpre

Em um ano de governo, o ex-capitão do exército não conseguiu cumprir a maioria de suas principais promessas políticas, que foram interrompidas no Congresso, onde ele não tem apoio suficiente para garantir o sucesso de suas propostas.

«O presidente iniciou o governo falando sobre uma nova política, contra o presidencialismo de coalizão, uma das características de todos os governos brasileiros na nova república, mas não tem uma base de apoio suficiente ao Congresso», explicou ele ao La Tercera Soraia Marcelino, acadêmico da Universidade Federal Fluminense.

Das 40 propostas submetidas por Bolsonaro ao Congresso no primeiro semestre, apenas seis foram aprovadas. Dos 14 projetos enviados ao Congresso, praticamente nenhum deles teve progresso.

Das poucas propostas que conseguiram se cristalizar, há a aprovação da reforma previdenciária que permitirá a introdução de uma idade mínima para a aposentadoria e poupará aos cofres públicos cerca de US $ 197.000 milhões em US $ 800.000 milhões em dez anos; que foi um dos pedidos do setor financeiro e de negócios para «impulsionar o crescimento econômico».

No entanto, o Presidente conseguiu aprovar a reforma previdenciária por iniciativa do legislador e pela distribuição de emendas parlamentares.

“O documento final recebeu uma série de emendas do legislativo e não incorporou algumas medidas recomendadas pelo Ministro da Economia (Paulo Guedes), como o modelo de capitalização inspirado no modelo chileno”, lembrou Marcelino.

Economia estagnada

Em questões econômicas, a gestão de Bolsonaro deixou resultados tímidos. Por exemplo, o desemprego é de 11,6%, apesar do fato de 71.000 empregos terem sido criados em outubro.

Embora, segundo o presidente, setores como indústria ou comércio tenham avançado, o Banco Central do Brasil calcula uma previsão de crescimento econômico de apenas 1,1% para o ano de 2019.

A aprovação de reformas econômicas neoliberais promovidas pelo Ministro da Economia, especialmente a do sistema de pensões, foram o principal cavalo de batalha do governo em seus primeiros meses, embora em alguns casos tenham sido «descafeinadas» pelo Congresso, com quem Bolsonaro não tem apenas uma linha direta, já que ele não tem uma base aliada estável, disse Sputnik.

Em outros casos, como a reforma da administração pública, o ultra-direitista decidiu adiá-la e mantê-la em espera, por medo de gerar protestos como os de países da região.

O presidente dos conflitos

Em seu primeiro ano de mandato, o presidente brasileiro teve vários conflitos dentro de seu governo, a ponto de ser forçado a mudar quatro de seus ministros.

«Se não fizemos mais, foi porque faltava, talvez, uma melhor articulação nossa com algum setor da sociedade e devido à inexperiência de alguns ministros», disse o presidente ao tentar desculpar os fracassos de seu governo.

Bolsonaro também se separou do Partido Social Liberal (PSL), com o qual venceu as eleições em 2018, devido a lutas internas por fundos partidários e criou uma nova formação, a Aliança pelo Brasil (APB), que proclama “respeito a Deus e religião ”, a“ defesa da vida da concepção ”e a legalização do porte de armas.

O APB ainda não atende aos requisitos para ser registrado na Justiça Eleitoral, mas Bolsonaro acha que terá seu batismo político nas eleições municipais de outubro de 2020.

Segundo a imprensa brasileira, os “rumores” sobre a suspeita do presidente, cuja popularidade está no chão, estão crescendo todos os dias, dada a notoriedade da mídia que está assumindo a figura de seu ministro da Justiça, Sergio Moro, especialmente nos mais conservador.

As controvérsias de Bolsonaro

Em seu primeiro ano como presidente, Bolsonaro escolheu as redes sociais como um canal de comunicação com a população e, por meio de suas mensagens, esteve envolvido em várias controvérsias.

Os ataques ao jornalismo, constante flerte com a ditadura e ofensas contra homossexuais, indígenas, esquerda e outros líderes foram constantes.

“O núcleo mais próximo do presidente, especialmente seus filhos e ele próprio, incita debates acalorados contra seus oponentes políticos ou contra qualquer pessoa que fale criticamente sobre o governo. Esses discursos já causam descontentamento entre os que apoiaram o presidente em busca de mudanças substanciais ”, afirmou a analista Soraia Marcelino.

Durante seu primeiro ano de gestão, Bolsonaro também não quis esconder seus interesses e se mostrou abertamente seguindo as políticas aplicadas pelos Estados Unidos e países ideologicamente relacionados ao imperialismo.

O presidente criticou a vitória nas eleições argentinas de Alberto Fernández e não compareceu à sua posse, embora mais tarde tenha divulgado algumas mensagens conciliadoras.

Ele também se posicionou desde o primeiro momento ao lado dos golpistas e auto-proclamados presidentes interinos, Juan Guaidó, na Venezuela, e Jeanine Áñez, na Bolívia.

Embora no caso da Venezuela, ele se alinhou a Washington, descartou a intervenção militar, em grande parte graças à pressão da ala militar dentro do governo.

No entanto, sua vontade de se alinhar com o governo Donald Trump recebeu um tapa em novembro, quando o magnata dos EUA anunciou tarifas para importações de aço e alumínio do Brasil e da Argentina.

O medo do setor agrícola de perder mercados na Ásia e no Oriente Médio forçou Bolsonaro a diminuir o tom contra a China, principal rival econômico dos Estados Unidos, e a adiar a mudança para Jerusalém da embaixada brasileira em Israel.

Um evento importante que colocou o Brasil nos olhos do mundo foi a Amazônia e o número alarmante de incêndios, o que gerou a preocupação de vários líderes mundiais por seus efeitos nas mudanças climáticas. Bolsonaro procurou desacreditar aqueles que espalharam a situação séria na Amazônia, culpou várias ONGs por causar o incêndio e levantou o tom contra o presidente francês Emmanuel Macron e a chanceler alemã Angela Merkel.

Seu posicionamento fez com que a Alemanha e a Noruega parassem de investir no fundo da Amazônia.

A sombra da corrupção

Analistas alertam que a popularidade e os níveis de aprovação de Bolsonaro podem cair ainda mais em 2020, pois as alegações de corrupção que afetam seu filho Flavio podem deteriorar sua imagem e contradizer seu discurso anticorrupção.

Segundo o Ministério Público do Brasil, há indicações de uma suposta «organização criminosa» no filho mais velho do ex-presidente, Flavio, quando ele era deputado estadual no Rio, entre 2003 e 2018. Ele e seus conselheiros teriam cometido crimes de lavagem de dinheiro e associação ilícita. «As revelações continuarão a perseguir Bolsonaro como um fantasma. Ele disse muitas vezes que sua família é honesta. Todo o seu discurso de combate à corrupção e à honestidade está sob suspeita ”, afirmou Melo Carlos Melo, professor do Instituto de Ensino Superior de Negócios (Insper) de São Paulo.

Comentarios