A França iniciou o ano envolvido na mais extensa crise social de sua história recente

A França iniciou 2020 envolto em um grande surto social e não foi prevista uma solução rápida. A greve causada por um projeto de reforma do sistema de pensões, que começou em 5 de dezembro e afeta especialmente ferrovias e transporte público na região de Paris, continua em pé e ameaça se espalhar para outros setores.

Em seu discurso na véspera de Ano Novo, o presidente Emmanuel Macron defendeu sua controversa reforma, que ele descreveu como um «projeto de justiça e progresso social» e, embora tenha instado seu gabinete a negociar rapidamente um compromisso com os sindicatos, ele não se referiu a nenhuma medida concreto para alcançá-lo, nem explicou o que oferecerá aos trabalhadores.

Em uma tentativa fútil de reduzir as tensões, o inquilino do Elysee afirmou que «o apaziguamento deve ser imposto ao confronto».

O presidente insistiu que a França não pode deixar de se transformar e que a iniciativa oferece «mais equidade» e supostamente beneficia grupos esquecidos ou maltratados pelo regime atual, incluindo mulheres.

Macron denunciou que no debate existem «muitas mentiras e manipulações» e que está convencido de que levará sua proposta de reforma até as últimas consequências, para que não ceda nada ao «pessimismo ou imobilidade».

Reforma controversa da previdência

O presidente permaneceu firme nos pontos básicos da reforma impopular e controversa que vem se formando desde sua campanha presidencial que visa a todo custo alcançar um sistema universal de pensões que busque fundir os 42 esquemas de aposentadoria existentes em um único sistema de pontos e atrasar Idade de aposentadoria de dois anos de 62 a 64 anos para receber uma pensão completa.

O plano de pensão universal da Macron, baseado em outros exemplos como o sueco, prevê a implementação de um sistema de pontos únicos no qual um euro contribuído represente os mesmos direitos para todos os cidadãos e que, através de uma conta virtual, os trabalhadores acumulem esses pontos Durante sua vida profissional e no final dela, o número resultante será convertido em uma pensão calculando o valor do ponto.

A diferença é radical, uma vez que, no atual modelo francês, as aposentadorias são financiadas por contribuições pagas pelos trabalhadores. Estes são então distribuídos pelo Estado entre os colaboradores. No sistema de capitalização proposto por Macron, é o capital que os trabalhadores acumularam que financia a aposentadoria.

Para muitos franceses, a proposta do governo não é totalmente clara por causa da pouca informação que existe e gera mais dúvidas e incertezas do que certezas.

Por exemplo, para aqueles que fazem parte do esquema de 42 “regimes especiais” de aposentadorias, de acordo com sua profissão ou profissão, é catastrófico pensar que o novo esquema os forçará a adiar sua aposentadoria para 64 anos, dos atuais 42 que têm um Dançarina de ópera, 52 anos, de motorista de trem ou mesmo 62 anos, criada para professor.

Além disso, mencionam o ponto de perdas econômicas para os aposentados, porque a contribuição é baseada em um produto médio de toda a vida útil e não nos últimos seis meses de trabalho, que geralmente são os mais bem pagos, precisamente o esquema corrente que os trabalhadores não querem desistir.

Como se isso não bastasse, a proposta macronista foi motivo de críticas quando o alto comissário Jean-Paul Delevoye, encarregado de promovê-la, teve que renunciar ao cargo, depois que a mídia lembrou que ele havia «esquecido» de declarar 13 acusações, algumas deles honorários, mas finalmente pagos.

Da mesma forma, no meio da crise social contra sua reforma de aposentadoria, Macron não pensou em nada melhor para renunciar a sua pensão como chefe de Estado quando o mandato terminasse, o que foi recebido como uma verdadeira humilhação por milhares de franceses.

O povo francês acredita que Macron tem facilmente meios de renunciar a uma pensão mensal de 6.200 euros, mas que o mesmo não se aplica à maioria de seus concidadãos.

“As pessoas sabem que não é um sacrifício muito importante. É óbvio que se ele não for reeleito, ele deixará o Elysium aos 44 anos e, obviamente, exercerá uma profissão que permitirá que ele se aposente amplamente no final de sua vida ”, disse o historiador Jean Garrigues, citado pelo La Nación.

Greve Incontrolável

Os sindicatos protestam contra o projeto de reforma previdenciária de Macron, pois prevê a abolição de regimes especiais de setores como a ferrovia, que é vital para a sociedade francesa.

Em resposta a esse projeto, em 5 de dezembro começou uma greve geral indefinida que paralisou grande parte do transporte e levou centenas de milhares de manifestantes de diferentes guildas às ruas das principais cidades francesas.

Relacionado:  Campos de refugiados: uma bomba-relógio para a expansão do coronavírus

Houve vários dias de manifestações, paradas de trem, metrôs e ônibus.

Até os membros da Ópera de Paris realizaram um concerto do lado de fora da sede dessa instituição, como sinal de protesto por essa reforma, e os dançarinos cercaram o exterior das instalações, representando um fragmento da peça mundialmente famosa «O Lago de os cisnes «.

A ação foi uma forma de denunciar que o Executivo impõe a reforma fazendo um «teatro» com as negociações e que o novo esquema desaparece o regime especial de que gozam os membros da instituição cultural, uma das mais antigas da França, concedido pelo rei Luís XIV em 1698, e isso permite que os dançarinos se aposentem aos 42 anos e os músicos aos 60.

Até vários funcionários da Opera estão em greve há duas semanas, então mais de 50 apresentações foram canceladas, com perdas acima de oito milhões de euros (cerca de nove milhões de dólares).

Protestos de ano novo

Na véspera da chegada de 2020, o Chefe de Estado esperava abrir uma janela para uma possível negociação, mas as palavras de seu Ano Novo fecharam essa perspectiva.

Relacionado:  A origem do coronavírus que a mídia decidiu manter em segredo

O movimento paralisou os serviços de trem e metrô em todo o país durante o período de Natal e Ano Novo. As interrupções continuam na primeira semana de janeiro.

Com o bloqueio dos terminais de ônibus, tanto na capital quanto em outros locais, são evidentes os graves efeitos no transporte público, com menos da metade dos trens internacionais e circulando entre regiões e cidades.

O metrô de Paris mantém o cenário difícil que o caracteriza desde 5 de dezembro, com apenas duas das 16 linhas operando normalmente, ambas automatizadas (1 e 14).

A recusa de Macron em não ouvir suas reivindicações e reprimir as manifestações de gás lacrimogêneo fez com que os sindicatos reafirmassem sua decisão de não ceder em seu protesto.

Uma nova rodada de negociações com o governo deve ser realizada na próxima terça-feira, sob a ameaça de outro grande dia de mobilizações nas ruas, no dia 9 de janeiro.

O coletivo SOS Pensiones, que reúne membros de profissões – como advogados, fisioterapeutas, enfermeiros ou contadores independentes, todos afetados pela reforma – já anunciou que apoiará as interrupções.

Os funcionários das refinarias e o fornecimento de combustível também pretendem aderir à reivindicação. O ramo químico da Confederação Geral do Trabalho (CGT) pediu o bloqueio das instalações de petróleo – refinarias, terminais de tanques de petróleo e tanques de combustível – por 96 horas, no período de 7 a 10 de janeiro.

«Macron declara guerra a quem rejeita a reforma»

O secretário-geral da CGT, Philippe Martinez, reagiu muito negativamente ao discurso de Macron no final do ano. “Mais greves são necessárias em todos os lugares. O sinal de alarme precisa ser forte ”, disse ele.

O líder do movimento de esquerda France Insumisa (LFI), Jean-Luc Melenchon, descreveu a intervenção de Macron como uma «declaração de guerra» para aqueles que rejeitam a reforma.

«Esses não eram bons desejos e sim uma declaração de guerra para milhões de franceses que rejeitam sua reforma», escreveram o vice-presidente e ex-candidato à presidência em uma mensagem em sua conta no Twitter.

Segundo Mélenchon, «o restante do discurso parecia falso e vazio», um critério compartilhado por outros políticos, tanto de esquerda quanto de direita.

Segundo o deputado e membro da LFI Eric Coquerel, Macron «ainda não entende o povo» e serão as greves e mobilizações que o levarão a entender.

Como Mélenchon, Coquerel disse que o presidente vive em «um mundo maravilhoso e estranho», para que «as pessoas se mobilizem ainda mais para colocar esse presidente em seu lugar, que decididamente carece de humildade».

Os críticos também se uniram aos porta-vozes do Partido Socialista (PS), em que o ex-presidente François Hollande, mentor de Macron, e aquele que lançou algumas das reformas que o atual presidente desenvolveu.

Olivier Faure, chefe do PS, pediu ao executivo francês que retirasse a reforma. «É hora de começar do zero, para abrir uma negociação real na qual as soluções que permitem novos direitos são comparadas sem nenhuma regressão», disse Faure ao jornal Libération.

O jornalista Fernando Aguirre Ramírez disse que «entre a rebatinga e os empurrões dos sindicatos e da oposição, o governo de Macron foi enfraquecido política e moralmente e seu projeto vacila diante das inúmeras oposições», afirmou.

Crise que bate recordes

A greve e os paralisamentos causados pela reforma previdenciária, que já ultrapassam 30 dias, fazem com que as cédulas se transformem na mais extensa crise social da história contemporânea da França, pois é maior que a que paralisou o país por 28 dias Europeu em 1995, quando o então primeiro-ministro liberal Alain Juppé, sob a presidência de Jacques Chirac, apresentou uma reforma no sistema de aposentadoria.

No final, Juppé foi forçado a desistir da iniciativa, mas isso não impediu, nas eleições legislativas seguintes, os conservadores perderam e os socialistas chegaram ao poder, em convivência com Chirac.

Comentarios

Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos , gracias :)

   Conocer más >
4,317,672FansMe gusta
320,815SeguidoresSeguir
389,616SeguidoresSeguir
17,600SuscriptoresSuscribirte

Edición Impresa El Ciudadano

Dona a El Ciudadano Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos y obtén tu ciudadanía :)

   Donar >

#Covid 19 SARS-COV2

Los Más Leídos