O Brasil é um perigo para a América do Sul: rumo ao epicentro global do COVID-19

Apesar da situação dramática em seu país, Jair Bolsonaro insiste em minimizar a gravidade da pandemia e promove a falta de confiança

312

O Brasil tem mais de 200.000 infectados com coronavírus e se tornou o sexto maior foco do COVID-19 no mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, Espanha, Rússia, Reino Unido e Itália.

Segundo registros do Ministério da Saúde, o número de infectados chegou a 202.918, enquanto o número de mortos é de 13.993, mas com grandes possibilidades de aumento, já que existem 2.000 óbitos sob investigação. Com esses números alarmantes, a nação sul-americana constitui um perigo para o resto dos países da região.

São Paulo continua sendo o epicentro da doença, com mais de 54.000 casos positivos e 4.315 mortes. O segundo estado com mais infecções é o Ceará, com 21.077 infecções e 1.413 mortes. Enquanto isso, o Rio de Janeiro tem a maior taxa de mortalidade, com 19.467 infectados e 2.247 mortes.

O número de infectados também pode ser muito maior devido à alta subnotificação e ao atraso na realização dos testes de triagem.

Da mesma forma, vários estudos realizados por cientistas brasileiros «calculam o número de infecções acima de um milhão», informou Clarín. De fato, somente na quinta-feira, 14 de maio, foram detectadas 13.944 novas infecções e 844 mortes.

A esse respeito, o Ministério da Saúde informou nesta semana que a taxa de mortalidade por coronavírus no país é de 6,9%. Enquanto isso, o Instituto de Métricas e Avaliação em Saúde da Universidade de Washington alertou que o Brasil poderia acumular cerca de 90.000 mortes em agosto.

32.000 profissionais de saúde infectados

A situação crítica no Brasil também afeta os trabalhadores do setor da saúde. Segundo dados oficiais, quase 32.000 profissionais de saúde contrataram o COVID-19 desde o início do surto.

As autoridades de saúde relataram que 199.768 trabalhadores do sistema público de saúde apresentavam sintomas do COVID-19, dos quais 31.790 confirmaram o diagnóstico da doença, enquanto outros 53.677 foram descartados.

«Alguns 114.300 trabalhadores ainda são suspeitos e ainda estão sob investigação», informou a agência EFE.

O secretário substituto de Vigilância em Saúde, Eduardo Macário, afirmou em entrevista coletiva que, independentemente de ser ou não um contágio confirmado, todos os profissionais de saúde que apresentarem algum sintoma do COVID-19 devem receber alta para «impedir transmissão no ambiente hospitalar ”.

Os profissionais de saúde denunciaram a falta de suprimentos médicos e equipamentos de proteção individual (EPI) necessários para tratar pacientes infectados com coronavírus.

Em declarações ao Jornal Nacional, o chefe do Conselho Federal de Enfermagem (Cofen), Manoel Neri, denunciou a falta de isolamento de enfermeiros, técnicos e auxiliares que fazem parte do grupo de risco; e levantou a necessidade de que, na falta de suprimentos, o país assuma a produção de máscaras, óculos, luvas e aventais para o pessoal de saúde que está na linha de frente.

Até 15 dias atrás, o Cofen havia recebido mais de 2.600 reclamações de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem por falta, escassez e restrição de diferentes materiais, como luvas, álcool ou chapéus.

Muitos até denunciaram que foram solicitados a comprar materiais e equipamentos de proteção por seus próprios meios.

Segundo Neri, o Brasil deveria ter se preparado antes da pandemia, porque agora está «colhendo um fruto muito amargo, tanto pelo número de mortes, que já é muito alto, quanto pelo número de profissionais que estão sendo contaminados e removidos».

Um perigo para a região

Com quase 14.000 mortes por coronavírus e a maior taxa de mortalidade na América do Sul, o Brasil é um perigo para os países vizinhos.

Relacionado:  The Economist: Nayib Bukele, o primeiro ditador millennial

Os governos da região estão alarmados com a falta de medidas vigorosas do governo Jair Bolsonaro e estão preocupados com o fato de o Brasil, que faz fronteira com 10 países, prejudicar seus esforços na luta contra o COVID-19.

Mario Abdo Benítez, presidente do Paraguai e parente de Bolsonaro, fechou suas fronteiras com o Brasil ao registrar os primeiros casos de coronavírus em março.

O governo enviou os militares para a região de fronteira para impedir a entrada de carros e ônibus de comerciantes e residentes brasileiros. Cercas de arame também foram erguidas na cidade fronteiriça de Pedro Juan Caballero.

«Os dois governos, o do Paraguai e o do Brasil, têm muitas afinidades, mas agora nossa preocupação é a saúde dos paraguaios», disse Juan Carlos Portillo Romero, vice-ministro de Assistência Integral à Saúde e Bem-Estar Social do Paraguai.

“O Brasil é uma preocupação com o número de casos, mas tomamos todas as medidas preventivas. Os casos da doença em nosso país são importados de vários lugares, mas principalmente do Brasil ”, disse Portillo à BBC Brasil.

Enquanto isso, a Argentina fechou quase todas as suas fronteiras com o Brasil e outros países. O presidente Alberto Fernández declarou que o Brasil é um mau exemplo na luta contra o coronavírus.

«Quem prioriza a economia acabará coletando mortos em caminhões refrigerados e enterrando corpos em valas comuns», disse ele em clara referência a Bolsonaro.

No Uruguai, o presidente Luis Alberto Lacalle Pou decidiu aumentar a presença de tropas na região de fronteira com o Brasil. Enquanto o Secretário da Presidência, Álvaro Delgado, relatou que o governo estava «preocupado» com a situação em algumas cidades fronteiriças.

Outro presidente relacionado a Bolsonaro é o presidente colombiano Iván Duque, que na terça-feira anunciou que, depois de avaliar o comportamento do coronavírus no departamento do Amazonas (na fronteira com o Brasil), ele decidiu apertar os controles para conter a propagação da pandemia naquele país. região do país, incluindo a militarização da cidade fronteiriça de Letícia.

No Peru, a Organização Regional dos Povos Indígenas do Oriente alertou em comunicado sobre a vulnerabilidade das comunidades indígenas na fronteira entre o Brasil e a Colômbia.

Na Venezuela, que possui uma das menores taxas de infecção, com apenas 455 casos registrados, o presidente Nicolás Maduro optou por fechar as fronteiras com o Brasil e a Colômbia desde o início do surto.

Maduro alertou que, no momento, as ameaças à Venezuela são o foco da Colômbia e do Brasil, países que enfrentam uma situação «dolorosamente impressionante» e que afeta a população venezuelana, que foge da «xenofobia, do coronavírus, da fome».

Por esse motivo, ele pediu aos governadores, às Forças Armadas e aos cidadãos que fortaleçam a segurança sanitária na fronteira, onde está sendo registrado o maior número de casos de coronavírus.

Além disso, ele ressaltou que «não podemos ser contagiosos», já que o Brasil é o epicentro da pandemia na América Latina, enquanto a Colômbia sofre um desastre no manuseio do vírus e as pessoas estão morrendo nas ruas.

«Estamos cercados pelo sul com o Brasil e pelo oeste da Colômbia. O número de vezes não será suficiente. Você precisa se cuidar «, disse Maduro, citado pela Telesur.

Bolsonaro lava as mãos

Apesar da situação dramática em que seu país está passando, Bolsonaro insiste em minimizar a gravidade da pandemia e promove a falta de confinamento, opondo-se aos governadores que emitiram medidas de contenção.

«Temos que sair do isolamento ou vamos morrer de fome», disse o presidente do país, responsável por quase metade das infecções na América Latina.

A extrema direita tentou lavar as mãos de sua responsabilidade pelo gerenciamento da pandemia. Dias atrás, ele afirmou que não pode «ser responsabilizado» pelas conseqüências econômicas da crise, uma vez que «nunca aprovou» medidas como quarentenas ou fechamento de lojas e indústrias que alguns governadores e prefeitos aplicaram diante do rápido aumento de infecções.

No entanto, posteriormente foi além e decretou uma medida provisória que impede a responsabilidade criminal de funcionários públicos por medidas tomadas direta ou indiretamente no contexto de uma emergência de saúde por coronavírus.

A questão mais séria é que as autoridades de saúde não têm previsão na data em que a expansão do COVID-19 no país se estabilizará ou diminuirá.

O subsecretário de Vigilância em Saúde do Ministério da Saúde, Eduardo Macário, indicou que «não há perspectiva de estabilização ou diminuição da curva no momento».

Enquanto isso, especialistas citados pela Euronews alertaram que, se a atual curva de contágio permanecer nesses altos níveis, o Brasil, com mais de 200 milhões de habitantes, poderá se tornar o foco da pandemia global em junho próximo.