The Economist: Nayib Bukele, o primeiro ditador millennial

O semanário britânico alertou Bukele ainda não pagou um preço por sua brutalidade. No entanto, ele alertou que "não está claro quanto tempo ele planeja manter todo esse poder"

366

The Economist se juntou à mídia que criticou a maneira como o presidente de El Salvador, Nayib Bukele, dirige seu país. Em um artigo, o semanário britânico alertou que o presidente «está a caminho de se tornar o primeiro ditador do milênio».

«Em 11 meses como presidente, ele fez mais para destruir a democracia de El Salvador do que para reformá-la. Com a eclosão do COVID-19, seu desrespeito às normas democráticas só aumentou. Bukele pode estar a caminho de se tornar o primeiro ditador do milênio na América Latina «, disse a publicação.

The Economist argumentou que a pandemia de coronavírus revelou que várias democracias na região estão se recuperando.

Ele ressaltou que, com o COVID-19 como álibi, a presidente boliviana de fato, Jeanine Áñez, está acumulando poder e tentando atrasar uma eleição, enquanto a chefe de Estado da extrema direita brasileira, Jair Bolsonaro, está acumulando apoiadores pedindo o fechamento do Congresso e do Congresso. Suprema Corte.

A arbitrariedade de Bukele

No entanto, a mídia britânica afirmou que «Bukele foi ainda mais longe», pois se moveu rapidamente para conter a disseminação do COVID-19, impondo confinamento nacional em 21 de março, quando o país tinha apenas três casos confirmados.

«Em nome da proteção dos cidadãos, você pisou nos seus direitos. A polícia prendeu mais de 2.000 pessoas por violar as regras de quarentena e as confinou por até 30 dias em condições que tornam a propagação da doença mais provável «, disse ele.

Também lembrou que quando a Suprema Corte disse que o Estado não pode prender pessoas sem uma lei para apoiá-lo, Bukele a desafiou.

«Cinco pessoas não vão decidir a morte de centenas de milhares de salvadorenhos, disse Bukele, e as forças de segurança receberam ordens para impor seu bloqueio, emitido pelo Twitter, como mandatos legais», relatou o artigo.

Da mesma forma, Bukele atacou novamente quando os assassinatos aumentaram no mês passado, após um longo declínio.

«Ele encorajou a polícia a usar força mortal contra criminosos e ordenou que membros presos de gangues rivais fossem confinados nas mesmas celas. O escritório de Bukele divulgou fotos de centenas de prisioneiros quase nus, embalados mais perto do que galinhas de bateria, enquanto suas células estavam sendo inspecionadas «, dizia o texto.

The Economist também se referiu à pressão que o presidente exerce sobre os membros de sua equipe para obter os resultados desejados.

Com a frase: «Seus tweets são minhas ordens», a publicação ilustrou a resposta dos ministros e funcionários que correm para executar o que o presidente ordena no Twitter, mesmo que isso viole a lei ou não faça sentido.

Para The Economist, Bukele ainda não pagou um preço por sua brutalidade. No entanto, ele alertou que «não está claro quanto tempo ele planeja manter todo esse poder».

Relacionado:  ¿Ataque à liberdade de expressão ou cortina de fumaça?: Trump abre nova frente de guerra

De fato, todos os dias há mais cacerolazos por salvadorenhos que estão cansados ​​dos abusos e ações arbitrárias do presidente.

Estado controverso de emergência

Diante de inúmeras críticas, Bukele insiste em defender as medidas implementadas por seu governo diante da pandemia. Embora reconheça que são desconfortáveis, na sua opinião, são necessários e constituem «a única esperança de evitar uma catástrofe da saúde» em El Salvador.

De fato, neste fim de semana, estendeu o estado de emergência nacional, sob o argumento de querer impedir a disseminação do coronavírus, que até o momento já infectou 1.265 pessoas, deixando 26 mortos.

O estado de emergência, aprovado em 30 de abril pela Assembléia Legislativa, expirou na noite de sábado, portanto, sob a proteção de um artigo da Lei de Proteção Civil, o Presidente decidiu prorrogá-lo por mais um mês.

Deputados da oposição e especialistas em direitos humanos catalogaram a ação do Executivo como «ignorância» do Congresso e «estado de emergência».

No entanto, na segunda-feira, 18 de maio, o Supremo Tribunal de Justiça declarou inconstitucional o decreto do Chefe de Estado, que entrou em vigor dois dias antes e ordenou sua suspensão «imediata e provisoriamente».

O controverso decreto autoriza Bukele a usar fundos de instituições executivas para lidar com a pandemia, manter as aulas em escolas e universidades suspensas e pagar pelos serviços de água, eletricidade e telefone.

Nesse sentido, o Grupo Parlamentar da FMLN denunciou que Bukele violou o estado de direito e está usando a emergência para fazer uso discricionário dos recursos financeiros do estado.

Na opinião do advogado Humberto Sáenz, do Centro de Estudos Jurídicos, a medida aplicada por Bukele usurpa as funções da Assembléia e considerou correta a decisão da Câmara Constitucional do Supremo Tribunal Federal. «Deve-se notar que estamos em ilegalidade e inconstitucionalidade e há responsabilidades pelas pessoas que promovem isso», disse Sáenz.

De fato, a situação chegou ao ponto em que o Gabinete do Procurador-Geral da República denunciou que Bukele usurpou os poderes do Congresso, dispensando esse órgão do Estado para decretar um estado de emergência.

«Um estado de emergência decretado pelo Presidente da República deve ser submetido ao controle da Assembléia Legislativa, portanto, emitir um estado de emergência por um período de 30 dias é um ato de usurpação de poderes», afirmou a FGR em um comunicado.

O Ministério Público também apreciou que o decreto emitido pelo Presidente «excede os poderes» da lei, porque não foi concebido pela aprovação dos Deputados.

Por esses motivos, o Ministério Público interpôs recurso de inconstitucionalidade perante a Câmara Constitucional do Supremo Tribunal de Justiça contra o decreto, no qual é solicitada uma medida cautelar de suspensão. A resposta já era conhecida hoje, como mencionamos acima.

No final, o tempo dirá quais serão os novos planos e a arbitrariedade do presidente Nayid Bukele. Enquanto isso, o The Economist alertou que «os salvadorenhos devem encontrar maneiras de controlar seu poder agora».