«Cartel COVID-19» na Colômbia: ¿existe uma máfia entre clínicas privadas e o regime de Duque?

Para a Colômbia e seus cidadãos, não é segredo que os hospitais foram afetados por seu fluxo de caixa devido aos serviços que não eram mais prestados, dada a capacidade reservada para lidar com a pandemia
Publicado en

Portugués

0 0


Cartel

Nas últimas semanas, a pandemia do novo coronavírus na Colômbia gerou preocupação com a crise de saúde que causa e a total falta de controle nas infecções em massa e nas mortes pela doença. Nesse contexto, uma questão abalou o sistema de saúde: o nascimento de uma suposta máfia que faz da assistência médica um negócio e que eles chamam de «cartel COVID-19».

A situação irregular foi denunciada, em princípio, por um senador do Congresso e pelo Ministro da Saúde. No entanto, outras vozes fora do Estado acreditam que o suposto cartel é uma invenção para desviar a atenção para a reabertura da economia – que favorece as empresas e põe em risco a vida dos trabalhadores – e, assim, diminui o impacto da mídia contra a economia. Regime uribista de Iván Duque.

A denúncia original foi feita pelo senador da Radical Change, Abraham Jiménez, que já havia denunciado os altos custos no atendimento a pacientes com coronavírus e como foi a diferença entre as salas de internação e as Unidades de Terapia Intensiva.

«Se um colombiano é hospitalizado, o sistema de saúde paga 10 milhões de pesos. Enquanto que, se você entra em uma UTI, paga 30 milhões. Como as clínicas estão vazias, eles procuram a maneira mais rápida de cobrar e ter liquidez, e isso seria colocar os pacientes na UTI «, disse Jiménez.

A teoria do senador foi amplamente aceita pela sociedade colombiana, onde também é sabido que talvez seja pior ficar doente com o COVID-19 por tudo que é pago pelos cuidados do que pela própria gravidade da doença.

A rejeição desse tipo de prática foi amplamente denunciada, principalmente porque os colombianos consideram que a saúde naquele país sul-americano não é um direito, mas um negócio.

A situação piorou quando o Ministro da Saúde, Fernando Ruíz Gómez, confirmou a possível existência de um «Cartel de COVID-19» em Valle del Cauca, no qual as Instituições de Saúde Emprestadoras (IPS) passariam mais tempo do que o necessário. aos pacientes internados na UTI pelo COVID-19.

Embora o ministro originalmente negasse a existência do que ficou conhecido como «Cartel da UTI», ele agora mudou de idéia. «Não sinto que exista um incentivo agora para as clínicas fazerem isso», disse ele antes de se retirar.

Mais tarde, porém, ele confirmou no plenário da Segunda Comissão do Senado – em 4 de junho – o seguinte: “Em muitos hospitais e clínicas privadas, existe um incentivo para manter os pacientes além do tempo necessário e, basicamente, com um incentivo puramente econômico, ter a cama ocupada e poder faturar os serviços ».

¿Quão verdadeiro é o cartel?

A teoria do cartel ou dos pôsteres do COVID-19 se tornou ainda mais difundida quando vários meios de comunicação colombianos começaram a divulgar essa possível irregularidade nos centros de saúde.

De acordo com o jornal El Espectador, as queixas do senador Jiménez vêm de maio, quando ele avisou que, sob essa hipótese, «um possível ‘Cartel da UCI’ estaria se formando diante do COVID-19 em Cali, uma questão que enfraquece as finanças do município. e que isso representaria um risco para a cidade ».

Começou a surgir dúvida ao ver o estranho comportamento da atividade nas UTIs de Valle del Cauca em comparação com o resto do país. Quando a primeira queixa foi feita, 844 pacientes haviam sido hospitalizados na Colômbia, 215 deles na UTI. Desse total, o Vale do Cauca havia 133 internados e 53 na UTI.

O escândalo chegou a tal ponto que a Superintendência de Saúde (Supersalud) emitiu uma declaração sobre o assunto em 2 de junho, indicando que eles fortalecerão a vigilância do atendimento ao paciente na UTI.

Na declaração, o Supersalud pediu à IPS que «verifique a relevância e a pontualidade da admissão, permanência e alta na hospitalização geral ou em alta complexidade, conforme o caso».

Para a Colômbia e seus cidadãos, não é segredo que os hospitais foram afetados por seu fluxo de caixa devido aos serviços que não eram mais prestados, dada a capacidade reservada para lidar com a pandemia.

Segundo dados da Associação Colombiana de Hospitais e Clínicas (ACHC), em média, a renda diminuiu pela metade. Essa falta de renda, somada aos pagamentos do governo por cada preso na UTI, geraria um esquema de incentivos perversos que podem ter sido aproveitados por alguns provedores.

Mas, em meio ao escândalo da mídia e à voz de alguns políticos, o Supersalud ainda não anunciou progresso na investigação dessa queixa. Quanto ao Ministério da Saúde, cabe esclarecer quais hospitais ou clínicas adotaram essas práticas e impor sanções àqueles que mantiveram pacientes por mais tempo do que o necessário.

¿Quando o rio soa?

A outra visão desta denúncia é defendida por setores adversos ao governo Duque, entre eles o Partido Socialista dos Trabalhadores da Colômbia (PST), que em um artigo publicado em seu site na web descreveu que o «Cartel COVID-19» é calúnia do ministro Ruíz Gómez.

“Várias semanas atrás, começaram a aparecer reclamações retiradas do contexto, acompanhadas de vídeos nos quais a existência de um ‘cartel secreto’ foi supostamente comprovada, basicamente afirmando que médicos e pessoal de saúde recebem milhões para inventar casos de cobiçosa, e até começou a ser dito que, nos hospitais, as pessoas são assassinadas para se passar por infectadas e receber a comissão de um milhão de dólares «, explica o PST.

cartel

«Essas mensagens circulavam nas redes sociais sem distinguir o trabalho dos profissionais de saúde e clínicas do papel da EPS. Até o jornal Voz del Partido Comunista tira uma nota de uma suposta denúncia, na qual – sem nenhum critério de classe – eles deixam de lado a dúvida sobre os trabalhadores do setor «, porque» pouco a pouco eles se concentraram em a figura dos médicos, que passaram de heróis a assassinos em poucas semanas ».

O PST acrescenta que, com a visão que eles têm «, não se pretende negar a óbvia corrupção no sistema de saúde e que os corruptos aproveitam as tragédias para se enriquecerem. Não se pretende negar que a privatização comercializou e desumanizou a saúde «.

«Também não podemos descartar que casos aberrantes tenham ocorrido em clínicas privadas, já conhecidas por seus péssimos serviços e corrupção, mas o verdadeiro problema do sistema de saúde é a Lei 100 e a EPS», diz o partido.

Eles acrescentam que, apesar de não terem uma única evidência, «muitos espalharam essas supostas queixas pensando que eram críticas ao sistema, muitos acreditavam na história de que o governo quer inventar os casos ou gerar pânico».

UCI

Teoria da conspiração para aplicar a terceirização

O PST explica que as declarações do ministro da Saúde, «nas quais ele acusa os médicos intensivistas sem ‘prova’ de manipular mal a UCIS ‘para cobrar mais, expuseram quem se beneficia com essas notícias falsas nas redes sociais».

«Por coincidência, todas essas cadeias surgiram no momento em que os trabalhadores da saúde começaram a se organizar e se mobilizar contra a Lei 100, contra a terceirização que afeta 85% do setor e por causa dos elementos de proteção pessoal», denuncia o PST.

Eles acrescentam que, após as declarações do ministro «e as calúnias nas redes sociais», ameaças de morte e ataques contra profissionais de saúde não esperaram. Por esse motivo, as associações médicas se manifestaram e exigem a retificação e renúncia do ministro.

«Foi uma campanha suja patrocinada pela vinícola uribista para desacreditar a luta dos trabalhadores da saúde, colocando a população contra eles, mas também deixando de lado a ideia de que a pandemia não é real. Enquanto os trabalhadores da saúde deixam a vida na UCIS, os verdadeiros corruptos e comerciantes desfrutam dos lucros na quarentena confortável de suas mansões «, enfatizou.

Cartel

O PST denuncia que, na Colômbia, o «sistema comercial da Lei 100» beneficia apenas «os proprietários de clínicas privadas», porque «eles só estão interessados ​​no faturamento e, é claro, estão sobrecarregados, para aproveitar toda essa tragédia.

«Isso é uma realidade, mas a corrupção existe e os capitalistas negociam tirando proveito da pandemia, não significa que o vírus não exista, que não seja uma ameaça real ou que o pessoal da saúde esteja inventando os casos ou assassinando pessoas, doenças e morte da pandemia é uma realidade, apenas agravada por essas situações infelizes «, acrescenta a festa.

O PST alerta que, em meio a esse tipo de situação, «é preciso fazer um esforço para diferenciar (…), pois eles estão sendo usados ​​para desacreditar a luta do pessoal de saúde, mas também para apoiar a ideia de que o vírus não existe. e outras teorias da conspiração, para continuar reabrindo a economia.

Comentarios