Cruz Vermelha: Relatório devastador sobre como a dengue e os furacões agravariam a pandemia de COVID-19 na América Latina

As medidas implementadas por diferentes governos contra o Covid-19 estão causando o bloqueio de centenas de migrantes nas áreas de fronteira dos países de trânsito
Publicado en

Portugués

0 0


COVID

Tudo parece indicar que 2020 não é o ano para a América Latina e o Caribe. As condições sociais e econômicas já deterioradas da região pioraram radicalmente com o surgimento da pandemia causada pelo COVID-19; E, no meio de tudo isso, surgem novos avisos que podem piorar o cenário regional.

Nesse cenário, o presidente da Cruz Vermelha, Francesco Rocca, alertou que a situação atual na América Latina, devido à pandemia causada pelo novo coronavírus, poderia ser agravada por um surto epidêmico de dengue e pela chegada da temporada de furacões.

Além disso, Rocca expressou preocupação com o fechamento das fronteiras dos países, uma medida que causou o bloqueio de centenas de migrantes, além de viajantes que não puderam retornar aos seus destinos.

Huracanes

A pandemia do COVID-19 afeta o continente americano com força e letalidade consideráveis, principalmente porque as duas principais fontes de infecção são encontradas – Estados Unidos e Brasil – e outros países como Peru, Chile, Colômbia, Equador, Bolívia e República Dominicana. , Argentina e México, severamente espancados e com crises agudas de saúde devido à doença que continua fora de controle e está em ascensão.

Por esse motivo, a Rocca italiana acrescentou que a complexa situação será mais afetada com o aparecimento maciço de casos de dengue e a temporada de furacões que sempre ocorre, especialmente no Caribe.

«Ondas de COVID-19 e dengue estão ocorrendo ao mesmo tempo em alguns países, e as duas doenças afetam especialmente as pessoas mais vulneráveis ​​que vivem em áreas superlotadas, com acesso insuficiente a água encanada e serviços sanitários», disse Rocca em uma conferência. da imprensa revisada pela agência EFE.

Dengue

Surtos de COVID-19, dengue e outras gripes

Rocca destacou que houve surtos significativos de dengue no Paraguai e Argentina no início do ano, e atualmente novos casos foram declarados nos países da América Central e do Caribe, onde o medo também é adicionado pela reabertura de fronteiras para tentar recuperar o setor de turismo. , uma decisão que poderia produzir surtos de coronavírus.

Na mesma ordem, o chefe da Cruz Vermelha Internacional alertou que «os desastres naturais não param durante a pandemia», por isso é essencial aumentar as medidas preventivas durante a temporada de furacões, especialmente na região do Caribe.

Ele ressaltou que os EUA, incluindo também os Estados Unidos e o Canadá, continuam sendo a área com o maior número de casos e mortes por COVID-19, o que contribui para o fato de que “a primeira onda da pandemia não terminou e não foi alcançada globalmente. o pico de infecções ”.

Rocca, encarregado de coordenar as federações nacionais da Cruz Vermelha, também lembrou que a chegada da temporada de gripe no Cone Sul poderia ser outro fator que dificulta a resposta ao COVID-19.

Ele também falou sobre a dramática situação dos migrantes, totalmente exposta pelas decisões obrigatórias de quarentena e pelo fechamento ordenado das fronteiras para conter a pandemia.

COVID

Fechamento de fronteiras e vulnerabilidade dos migrantes

As medidas contra o Covid-19 estão causando o bloqueio de centenas de migrantes nas áreas de fronteira dos países em trânsito. Por exemplo, meio milhão de pessoas, principalmente africanas, bloquearam a área de Choluteca (Honduras), próxima ao território nicaragüense.

Outro exemplo ocorre no Panamá, onde «1.600 migrantes, principalmente da África, foram bloqueados por três meses na província de Darien, perto da fronteira com a Colômbia», disse Rocca, que também lembrou que cerca de 71.000 venezuelanos retornou ao seu país depois de perder o emprego nos países anfitriões.

Somado a essa situação também está o de viajantes perdidos que ficaram sem recursos para subsistir em países que estão em condições de turistas ou para fins médicos e que estão desesperados porque não podem voltar para suas famílias e suas casas.

Por outro lado, o líder da Cruz Vermelha denunciou o comportamento discriminatório contra os trabalhadores da saúde e outros trabalhadores da linha de frente diante da pandemia na América Latina, devido ao preconceito e ao medo de que esses profissionais espalhem o vírus nos locais onde vivem.

Rocca também enfatizou que alguns governos da região, como Jair Bolsonaro no Brasil, «minimizaram as possíveis conseqüências» nos estágios iniciais da pandemia e «pagaram um preço alto por não ouvirem a comunidade científica».

Ele também falou das tensões sociais que começam a surgir devido à perda de empregos e outras conseqüências sociais da pandemia, e enfatizou que os primeiros incidentes «são apenas uma amostra do que pode acontecer quando as pessoas estão desesperadas».

«Agora cabe aos governos enfrentar as conseqüências que as comunidades mais vulneráveis ​​sofrerão» e, nesse sentido, «atendê-las com medidas sociais podem evitar um aumento de tensões», acrescentou.

Comentarios