Dignidad Ahora

O pacote «anticrime» que trouxe à luz as diferenças entre Bolsonaro e Sergio Moro

Existem "rumores" sobre a suspeita do presidente, cuja popularidade está no chão, diante da notoriedade da mídia que está tomando a figura de seu ministro da Justiça
Publicado en

Portugués

0 0


A estreita relação entre o presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, e seu ministro da Justiça, Sergio Moro, parece não estar passando por seu melhor momento, e a maçã da discórdia é o «pacote anticrime» das leis de segurança pública que promulgaram recentemente o presidente da ultra direita.

Bolsonaro incluiu um artigo que determina a criação da posição de uma espécie de juiz de garantias, às custas de críticas e oposição do ex-juiz.

Moro não escondeu seu desgosto e aliviou sua conta no Twitter, afirmando que este «não é o projeto dos sonhos», pois tem várias diferenças com o «pacote» de leis de sua autoria que foi enviado em fevereiro passado ao Legislativo.

No entanto, para tentar amenizar sua posição, ele disse que, apesar de tudo, o projeto contém «progresso». «Sempre me opus a alguns anexos feitos pela Câmara ao texto original, como o juiz de garantias. Apesar disso, seguimos em frente ».

Ele também observou que “é um texto excelente e nada inconsistente com o texto original do projeto anticrime. Como eu disse, apesar do juiz de garantias, há avanços ».

Bolsonaro vs. Moro

A imprensa brasileira não ignorou essas mensagens e alertou para um novo embate de Bolsonaro e um de seus principais ministros para implementar suas políticas conservadoras, especialmente aquelas relacionadas à questão da segurança e da justiça.

«Temos uma nova divergência adicionada à lista de atritos» ao longo do ano entre o presidente e seu ministro, disse o jornalista Gerson Camarotti, do canal Globo News e da rádio CBN.

Ele até se referiu aos «rumores» sobre a suspeita de Bolsonaro, cuja popularidade está no chão de acordo com as pesquisas, antes da notoriedade da mídia que está tomando a figura de Moro.

Moro, que foi o juiz do caso Lava Jato e que aprisionou – sem provas – o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva, divulgado hoje, foi escolhido como uma das 50 personalidades mundiais da década pelo Financial Times, que serve o interesses do mundo certo.

Segundo a imprensa brasileira, Bolsonaro – ansioso por notoriedade nos círculos internacionais – não aceitou bem o reconhecimento de seu ministro pela publicação em inglês.

«No meio do Natal, Bolsonaro dá a Moro um presente» pouco afetuoso «, escreveu na quinta-feira o site de notícias do UOL para se referir ao pacote anticrime.

A verdade é que, segundo a mídia, durante o primeiro ano de seu governo, Bolsonaro teve várias diferenças com Moro, cuja renúncia passou a ser especulada mais de uma vez.

«Pacote anti-crime»

O pacote anti-crime que endurece o código criminal no Brasil é uma das principais promessas de Jair Bolsonaro em relação à segurança pública, então o Presidente sancionou a regra na última terça-feira com 25 disposições

O texto inicial foi apresentado pelo Ministro da Justiça, Moro, no Parlamento em fevereiro e foi aprovado com várias mudanças no Senado em 11 de dezembro.

Os legisladores fracassaram em várias medidas defendidas por Moro e Bolsonaro, como a que isentava a polícia de causar baixas em situações de “medo justificado, surpresa ou emoção violenta” ou a prisão após condenação ratificada em segunda instância e ainda quando o prisioneiro tiver recursos pendentes em instâncias superiores.

Os vetos de Bolsonaro

Por esse motivo, o texto sancionado pelo Presidente contém parte das medidas apresentadas por seu Ministro da Justiça, parte das modificações feitas pelo Parlamento e por uma comissão de juristas coordenada pelo juiz da Suprema Corte, Alexandre de Moraes.

Segundo a Secretaria da Presidência, os vetos de Bolsonaro se devem a «razões de interesse público e inconstitucionalidade», e foram estabelecidos após a reivindicação da Casa Civil, do Procurador-Geral da União e do Ministério da Justiça e Segurança Pública.

Entre os artigos vetados está o triplo da pena quando o crime é cometido ou disseminado nas redes sociais, e a coleta de DNA apenas nos casos de crimes intencionais cometidos contra a vida, liberdade sexual e crimes sexuais contra pessoas vulneráveis.

Segundo o presidente da extrema direita, a extração obrigatória de material genético apenas para alguns crimes «seria contrária ao interesse público», excluindo «alguns crimes considerados com alto potencial ofensivo». Assim, o banco genético, que armazenará esse material, também será estendido aos acusados ​​de cometer crimes como comércio ilegal de armas, tráfico internacional de armas e organização criminosa.

Ele também vetou o dispositivo que aumentou a pena do crime de homicídio cometido com armas de uso restrito ou proibido, considerando que a proposta poderia gerar “insegurança jurídica” para os policiais, uma vez que eles poderiam ser “severamente criminalmente condenado por usar armas restritas ”, diz o portal La Tercera.

Por outro lado, restaurou a possibilidade de capturar a escuta ambiental na casa de um investigado e vetou a limitação do teste de captação ambiental apenas para defesa.

«As evidências não serão consideradas legais ou ilegais apenas por causa da parte em que serão beneficiadas», justificou o presidente brasileiro.

O juiz da discórdia

O presidente decidiu manter em lei a criação de um juiz de garantias, que foi incluído pelos parlamentares e será responsável por «verificar a legalidade das investigações criminais e salvaguardar os direitos individuais», algo que incomodou Moro.

Essa figura foi apresentada no Legislativo pelo deputado federal Marcelo Freixo, pertencente ao Partido Socialista e Liberdade de esquerda, e, segundo a mídia, a ideia é que esse juiz tenha o poder de garantir a legalidade das ações dos investigadores, bem como em Detenção preventiva, interceptação de telefonemas, levantamento de sigilo bancário e ordens de busca e detenção, entre outros.

O ministro da Justiça declarou que havia defendido o veto do presidente Bolsonaro à proposta do Congresso que cria esse juiz de garantias.

“O MJSP (Ministério da Justiça e Segurança Pública) se posicionou em vetar o juiz de garantias, principalmente porque não estava claro como o instituto funcionará nas regiões com apenas um juiz (40% do total), e também se aplicaria a casos pendentes e tribunais superiores, bem como outros problemas ”, afirmou ele em comunicado.

Nas redes sociais, os apoiadores do Moro classificaram Bolsonaro como «traidor» para a promulgação do pacote de leis «anti-crime».

Até o ministro da Educação, Abraham Weintraub, escreveu em sua conta no Twitter que Bolsonaro era um «traidor», embora depois se arrependesse de ter excluído o tweet e dito que o havia postado «por engano».

De qualquer forma, apesar da controvérsia entre o presidente e seu ministro, o pacote anticrime deve retornar ao Congresso, onde os parlamentares terão a oportunidade de cancelar os vetos de Bolsonaro e retomar a preparação do conteúdo final do projeto.


Comparte 👍

Comenta 💬