Bolsonaro e sua perigosa lei da GLO que isenta policiais e militares da responsabilidade

No Brasil, a maioria dos mortos pelas autoridades sao jovem e negro das classes mais humildes, e entre as vítimas também há um grande número de transeuntes desarmados

Cada vez mais, as políticas do presidente do Brasil, Jair Bolsonaro, causam mais polêmica dentro e fora das fronteiras da nação sul-americana. A última medida do ultaderechista é promover uma estrutura legal para conceder carta branca aos abusos policiais contra manifestações populares.

Bolsonaro anunciou que enviou ao Congresso um projeto de lei para impedir a abertura de julgamentos por «gatilho fácil» ou violência estatal contra militares e policiais que estão atuando em operações de intervenção federal para «a garantia da lei e da ordem».

A declaração foi feita na última quinta-feira, durante o lançamento de seu novo partido, Alliance for Brazil, que ele preside após deixar o Partido Social Liberal após dois anos, com o qual foi eleito.

Bolsonaro disse que os regulamentos integram uma série de quatro leis de segurança que tentarão implementar no país.

“Será uma mudança importante no combate à violência no Brasil. Temos uma maneira de realmente reduzir o número de mortes por 100.000 habitantes no país ”, afirmou o presidente desse projeto, que foi uma de suas promessas durante a campanha.

Ele também argumentou que «não adianta se uma pessoa estiver bem, se estiver preocupada com a segurança de seus familiares, que correm o risco de serem mortos por um ladrão de telefone celular».

“Quem rouba um telefone celular precisa ser punido. E quando falo em punição, um projeto nosso, o primeiro de quatro, foi discutido há alguns minutos na Câmara dos Deputados, que fala da exclusão da ilegalidade para as pessoas que estão no artigo 144 da Constituição: Forças Armadas, Polícia Federal , Polícia Rodoviária Federal, Polícia Civil e Polícia Militarizada ”, explicou.

O projeto, apoiado por seu novo Ministro da Justiça e Segurança Pública, Sérgio Moro, afirma que as Forças Armadas, a Marinha, a Força Aérea, as várias polícias federais, polícias militarizadas, polícias civis e bombeiros militares não responderão por crimes que eles podem cometer enquanto agem dentro da Garantia de Lei e Ordem (GLO).

As operações da GLO são realizadas exclusivamente por ordem da Presidência e são autorizadas quando há casos de esgotamento das forças tradicionais de segurança pública em face da crescente violência ou crise de segurança que ocorre durante um determinado período de tempo.

De acordo com a Constituição Brasileira, por meio da GLO, as Forças Armadas recebem provisoriamente, por tempo e local específicos, o poder que corresponderia à Polícia local.

Esse tipo de medida tem sido aplicado em estados como Roraima, Amazonas ou Rio de Janeiro, este último considerado um dos distritos mais violentos do país e com sérias queixas de diferentes organizações sociais sobre o abuso de tropas sobre a população.

O novo arcabouço legal proposto por Bolsonaro considera “legítima defesa” quando um agente militar ou de segurança rejeita uma agressão capaz de ferir ou matar, restringindo a liberdade de uma vítima e ostensivamente carregando armas de fogo ou um ato de terrorismo.

Também eleva o termo legal «excluindo ilegalidade», que atende às condições para que um agente da ordem não possa ser punido.

O governo Bolsonaro há muito tempo tenta expandir esses parâmetros, apesar das críticas daqueles que alertam que a medida é um cartão branco para a polícia atirar para matar sem assumir consequências criminais.

O presidente da extrema direita tentou aprovar uma medida semelhante com o «pacote anticrime» que o ministro Sérgio Moro apresentou há alguns meses.

Essa iniciativa foi objeto de intenso debate no Congresso, mas como resultado da morte de Ágatha Félix, uma menina de 8 anos, ocorrida em setembro em uma favela no Rio de Janeiro por uma bala perdida disparada por um policial militar, foi avaliada essa medida controversa e acabou sendo removida do projeto preliminar.

Repressão contra manifestações populares

O ex-candidato à presidência e representante do Partido dos Trabalhadores, Fernando Haddad, denunciou que Bolsonaro pretende aplicar a lei para proteger legalmente os militares e, assim, ameaçar a oposição, adotando “táticas mais sangrentas” do que aquelas usadas no Chile contra manifestações popular.

«Não excluo que Bolsonaro possa adotar mais táticas sedentas de sangue do que o governo de Sebastián Piñera demonstrou no Chile contra as manifestações», disse Haddad à agência Telam, durante o sétimo congresso do PT realizado em São Paulo.

Relacionado:  Campos de refugiados: uma bomba-relógio para a expansão do coronavírus

Haddad disse que o decreto que inibe a justiça de sancionar militares e policiais nas intervenções do governo federal também se assemelha a uma das ações da autoproclamada presidente interina da Bolívia, Jeanine Añez, que emitiu um decreto para proteger a polícia e acusações militares de repressão excessiva dos protestos.

“Devemos deixar claro – continuou Haddad, ex-ministro da Educação de Lula e ex-prefeito de São Paulo – que Bolsonaro não lidera um governo democrático, ele nunca escondeu suas verdadeiras intenções. Agora, com este projeto, ele se prepara para inibir a oposição, ameaçar aqueles que protestam”.

Mortes por violência policial

O arcabouço legal enviado por Bolsonaro ao Congresso causa alarme na sociedade brasileira, devido à crescente violência e abusos praticados pelas forças policiais.

Segundo dados oficiais, a violência policial cresceu 18% no Brasil em 2018. As ações das tropas nos 27 estados deixaram 6.160 pessoas mortas, um número recorde, segundo um relatório baseado em dados do Fórum Brasileiro de Segurança Pública e do Núcleo de Estudos da Violência da Universidade de São Paulo.

Enquanto o Violence Monitor revelou que em 2018 uma média de três pessoas morreu nas mãos da polícia por 100 mil habitantes, em comparação com 2,5 mortes por 100 mil, computadas em 2017.

Relacionado:  Luis Almagro, o outro vírus sofrido pelos povos da América Latina

Abuso no Rio de Janeiro

O estado em que foi observado o maior crescimento da letalidade policial foi o Rio de Janeiro, com 8,9 mortes por 100 mil habitantes.

Embora o Rio seja o terceiro estado mais populoso, com 17 milhões de habitantes, seu registro de mortes pela polícia é o primeiro em números absolutos.

Nessa entidade, as forças policiais mataram 1.534 pessoas em 2018, enquanto em São Paulo, com 45 milhões de habitantes, houve 851 pessoas mortas, e em Minas Gerais, com 21 milhões, 151 vítimas foram registradas.

A letalidade da polícia coincidiu com a ocupação das Forças Armadas no Rio, decretada pelo então presidente de fato, Michel Temer, que se estendeu de fevereiro a 31 de dezembro.

«Um policial que não mata, não é policial»

A situação no Rio piorou em outubro de 2018, quando Willson Witwel, ex-conservador de 51 anos e ex-fuzileiro naval, foi eleito governador desse estado.

Uma de suas promessas eleitorais era que ele tomaria medidas mais fortes contra o submundo e alertou que, se necessário, as mesmas autoridades «cavariam covas» para enterrar os criminosos.

Dias após ser eleito, o líder prometeu «massacrar» qualquer um que fosse pego com um rifle. «A polícia fará a coisa certa», disse ele a um jornal. “Aponte suas cabecinhas e atire! Dessa forma, não haverá erro”.

Witzel é um dos principais aliados de Bolsonaro, e ambos concordam em muitas coisas, incluindo a proposta de que os policiais não serão acusados ​​se matarem de plantão.

«Um policial que não mata não é policial», disse o polêmico presidente uma vez.

Sob o mandato de Witzel, as operações policiais na região metropolitana do Rio aumentaram 42% entre março e junho, de acordo com um estudo da Rede de Observatórios de Segurança, um grupo nacional de pesquisadores.

Durante o primeiro semestre de 2019, as operações policiais nessa entidade deixaram um saldo de 1.075 mortes, uma média de cinco por dia; o número mais alto desde que os números oficiais começaram a ser publicados há 20 anos.

A maioria dos mortos são jovens e negros das classes mais humildes. Embora muitos dos mortos sejam suspeitos de serem criminosos, um grande número de transeuntes desarmados também está entre as vítimas.

«Tanto o governo estadual quanto o federal estão incentivando abertamente a matança de pessoas», alertou o Dr. Ignacio Cano, professor de sociologia da Universidade Estadual do Rio (UERJ) e um dos principais especialistas em violência no Brasil.

“No passado, o incentivo era um pouco mais sutil e oculto. Hoje tornou-se a política oficial ”, afirmou ele, citado pela BBC Mundo.

A verdade é que, de acordo com estatísticas do Instituto Estadual de Segurança Pública, entre janeiro e julho, a polícia foi responsável por quase um terço das mortes violentas no Rio, ou seja, por qualquer morte não acidental ou natural.

Um marco legal “excluindo a ilegalidade” e favorável à impunidade era uma das garantias judiciais de que as Forças Armadas pediram a Bolsonaro que continuasse com a intervenção no Rio autorizada por Temer.

Embora, inicialmente, o presidente tenha se recusado a continuar a intervenção militar federal, como resultado de processos judiciais devido a casos de violência policial e abuso de poder, ele pode mudar de idéia, criando um clima de terror nesse estado.

Comentarios

Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos , gracias :)

   Conocer más >
4,317,741FansMe gusta
320,815SeguidoresSeguir
391,854SeguidoresSeguir
17,600SuscriptoresSuscribirte

Edición Impresa El Ciudadano

Dona a El Ciudadano Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Chile, Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos y obtén tu ciudadanía :)

   Donar >

#Covid 19 SARS-COV2

Los Más Leídos