Colômbia queima: Duque é necessário para dissolver o esquadrão de motins móveis

O Comitê Paro solicita a purificação da Polícia Nacional e que o Governo não realize nenhum processo de privatização ou alienação de propriedades estatais

As revoltas na Colômbia contra o atual sistema político – liderado pelo governo do Uribista Iván Duque – já estão cumprindo mais de 30 dias contínuos, em dias massivos que demonstraram a verdadeira luta que o povo empreende, suas limitações e a forte repressão exercida por um regime liberal que, com suas medidas econômicas, desencadeou mais desigualdade, pobreza e execução.

Em 21 de novembro, a primeira greve geral na Colômbia foi registrada em décadas, demonstrando toda a frustração e desamparo da sociedade daquele país, produto de mais de meio século de desigualdade, ódio, violência, pobreza e abuso do Estado. .

Desde então, Duque tentou controlar os protestos, mas não conseguiu, e tudo isso em meio a uma popularidade de seu governo em declínio cada vez maior e isso de acordo com diferentes contadores, com pouco mais de 10 pontos.

Colombia

Nesse sentido, seu regime tenta chegar a um acordo com o Comitê Paro, um processo que já tem várias reuniões sem acordos em quase um mês de protestos. Isso acontece em grande parte porque os porta-vozes de Duque insistem que é uma «conversa»; enquanto o Comitê exige que seja uma negociação.

Isso ficou claro pela Confederação Geral do Trabalho por meio de sua conta no Twitter, após a última troca realizada em 13 de dezembro.

«Estrategicamente, Duque não reconhece as diferenças entre diálogo, conversa e negociação; usa mediadores para se aproximar do Comitê, mas não mostra disposição ”, afirmou a Federação Colombiana de Trabalhadores da Educação.

A esse respeito, Diógenes Orjuela, presidente da Central Unitária dos Trabalhadores, declarou que a negociação que aspiram a realizar será realizada sim ou sim no contexto das mobilizações que realizam no país.

Entre os pedidos que esse setor fez à Presidência da República, o Comitê Paro apelou à dissolução do Esquadrão de Motins Móveis – conhecido como Esmad – e sobre as quais chove críticas sobre o uso excessivo da força durante protestos.

O Comitê também solicita que seja realizada uma purificação da Polícia Nacional e que a Duke não realize nenhum processo de privatização ou alienação de propriedade do Estado, independentemente de sua participação acionária.

Mas Duque insiste em beneficiar os setores economicamente poderosos dos empresários colombianos e, nesse sentido, emitiu um decreto presidencial que abre as portas para a privatização de empresas públicas.

Colombianos rejeitam reforma tributária

O Comitê Stop solicitou ao Executivo que iniciasse, com as respectivas organizações, a implementação e o cumprimento dos acordos que foram assinados anteriormente.

Nesse sentido, eles defendem que as questões relacionadas às necessidades dos produtores agrícolas sejam processadas com a entidade de Dignidade Agrícola da Colômbia, incluindo a revisão dos Acordos de Livre Comércio e tudo relacionado à produção nesse setor.

Da mesma forma, eles denunciam que, quando Duke decidiu quebrar o acordo de paz, produziu mais violência do Estado contra a população. Nesse sentido, exortam a lidar com o movimento cidadão Vamos defender a paz, o processo de cumprimento e implementação do pacto assinado em 2016 entre o Estado e as Forças Armadas Revolucionárias da Colômbia – Exército Popular (FARC-EP).

Da mesma forma, o Comitê procura definir políticas ambientais e proteção de charnecas com os representantes das organizações acordadas. Mas o mais pontual neste momento é a rejeição da reforma tributária que o governo pretende impor.

Segunda-feira passada – 16 de dezembro – este pedido de reforma tributária foi rejeitado com um cacerolazo na Plaza de Bolívar, no coração de Bogotá.

Os manifestantes se concentraram em frente ao Congresso da República para expressar sua discordância em um dia que acrescentaram como parte das ações contra as políticas do governo, pois acreditam que essa medida trará mais desigualdades para a população.

No protesto, os presentes denunciaram que, com essa suposta reforma, o governo de Duke busca apenas beneficiar «os grandes empresários» e «prejudicar os trabalhadores».

Nesse sentido, a Federação Colombiana de Trabalhadores da Educação (Fecode) afirmou que a iniciativa mencionada tem um impacto negativo na renda da nação por mais de 9,4 bilhões de pesos (um dólar equivale a 3.400 pesos), principalmente, produto da redução do imposto de renda de 32% para 30% para pessoas coletivas.

Relacionado:  Caso Rosneft: EUA fora de controle ataca a Rússia para sufocar a Venezuela

«É uma reforma desigual, ineficaz e regressiva. A Colômbia é o quarto país mais desigual do mundo. O projeto nada mais é do que uma redução na carga tributária e a geração de isenções para quem tem capacidade de pagar ”, afirmou Fecode, uma organização que faz parte do Comitê Stop.

Esta Federação acrescenta que a redistribuição de renda gerada pelo projeto não corresponde às necessidades dos colombianos, porque, embora os impostos sejam reduzidos aos mais ricos, os gastos fiscais, entendidos como o que não é mais percebido, terão que ser assumidos por todos. através da redução de subsídios, investimentos e gastos sociais em geral. «Então, quem mais precisa do Estado é quem pagará o ônus dessa medida.»

Relacionado:  Caso Rosneft: EUA fora de controle ataca a Rússia para sufocar a Venezuela

A Federação também alerta que essa reforma beneficiará famílias que têm capacidade de poupança e exclui colombianos que não têm meios financeiros para fazer compras, porque «o pagamento deve ser feito em entidades comerciais e eletronicamente, que servirão ao grandes empreendedores, que aumentarão sua renda enquanto o comércio informal, do qual milhões de pessoas dependem, não tem benefício”.

Outro ponto a destacar é a redução gradual da contribuição para a saúde feita pelos aposentados, que têm um salário mínimo de cerca de 877.000 pesos colombianos (US $ 261,25). A Federação indica que, apesar de «essa é a única coisa boa dessa reforma (…) não corresponde ao compromisso do Estado colombiano com todos os aposentados, portanto, aqueles que permanecerem fora desse limite continuarão aguardando o cumprimento total».

Propõem eliminar o Esmad da Colômbia

Depois que a oposição denunciou o alto comando da Polícia Nacional pelo assassinato do jovem Dilan Cruz, ele solicitou à Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) que investigasse este caso e os excessos da Força Pública durante a greve nacional, e avançou dois controlar debates quando as autoridades agirem em manifestações recentes; Já existe uma minuta do projeto que visa dissolver o Esquadrão de Motins Móveis (Esmad).

Precisamente, na segunda-feira, o senador Antonio Sanguino, autor do projeto, realizou uma audiência pública para compartilhar as razões pelas quais esse corpo policial especial deveria ser desmontado e reunir sugestões para nutrir o projeto que será arquivado em março de 2020.

A iniciativa, no momento, é composta por seis artigos que ditam a eliminação e o desmantelamento da Esmad; a revogação das resoluções que criaram esse grupo especializado e todos os regulamentos que deram vida ao seu funcionamento; obrigar as autoridades regionais e municipais a garantir protestos pacíficos e a criar mecanismos de mediação entre os cidadãos e a Força Pública; e esclarece que o uso da força policial só tem lugar em atos graves de alteração da ordem pública ou em situações de comoção interna.

Para o senador da Aliança Verde, a ação do órgão móvel não cumpriu sua missão na medida em que considera: “as ações de Esmad nas últimas semanas mostram que suas intervenções não são proporcionais nem preventivas, mas executadas com o para provocar civis e causar caos. São ações que não garantem a proteção dos direitos humanos, mas sua violação pelo dano físico, moral e emocional de manifestantes e não manifestantes».

«Seus procedimentos não contribuem para restaurar a chamada ordem pública pública», mas para degradá-la e afiná-la. Em suma, ele agiu fora da lei, viola os direitos fundamentais e se torna um autor que aprofunda o conflito social ”, explica a justificativa do projeto.

E, juntamente com sua análise, ele adiciona fatos com os quais ratifica, em sua opinião, argumentos suficientes para a eliminação desse comando. O parlamentar coleta um relatório de novembro de 2018 da Fundação para a Paz e Reconciliação da Colômbia que relatou 18 casos de mortes em Bogotá nos últimos anos, incluindo Nicolás Neira, de 15 anos, por uso excessivo da força pela Esmad.

Além das mortes infelizes na Colômbia, há casos de violações de direitos humanos, detenções arbitrárias, assédio, ameaças e ferimentos causados por esse órgão especializado.

E não acaba com a maior parte dos argumentos que tentarão convencer o Congresso mais tarde sobre a necessidade, na voz da oposição, de rebaixar Esmad. O projeto também coleta dados de um estudo do Centro de Pesquisa e Educação Popular (Cinep) durante a greve agrícola de 2013. Das 837 pessoas capturadas, 23% eram menores e desse total 57% foram processadas pelo crime de obstrução às vias públicas, uma ferramenta, como explica o documento, funcionava como um mecanismo de repressão.

Note-se também que entre 2002 e 2012 houve 512 detenções arbitrárias na Colômbia, 596 feridos e 73 casos de totura.

«Isso mostra a necessidade iminente de reestruturação, que inclui mecanismos para verificar o uso da força e o cumprimento de protocolos institucionais que realmente garantem o gozo e o gozo do direito constitucional à greve», diz na justificativa do projeto. Fortes discussões sobre o assunto já estão previstas, já que os partidos do governo na Colômbia, como o Centro Democrático, são fortes defensores da Força Pública. Por seu lado, vozes de independência dizem que a solução não é a compensação, mas a reestruturação da Esmad.

Comentarios

Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos , gracias :)

   Conocer más >
4,308,988FansMe gusta
320,815SeguidoresSeguir
371,051SeguidoresSeguir
17,600SuscriptoresSuscribirte

Edición Impresa El Ciudadano

Necesitamos de tu apoyo!

Por el periodismo comprometido con el medio ambiente y los movimientos sociales de Latino América y el mundo.

Tu donación es fundamental para mantener el equilibrio informativo y para que podamos seguir haciendo mejor periodismo en bien de nuestra sociedad.

¿Por qué necesitamos de tu aporte?
  • Tu donación ayuda a un equipo de más de 30 personas puedan concentrarse en generar contenido de calidad y siempre a favor de los pueblos.
  • Permites que tengamos un sitio web sin sobrecarga de anuncios publicitarios. Queremos evitar al máximo la aparición de marcas y que nuestro contenido siga siendo siempre libre.
  • Ayudas a que las luchas de grupos medioambientalistas, pueblos originarios y organizaciones sociales tengan siempre un espacio con oportuna y amplia cobertura noticiosa. *Datos Para Transferencia: Sociedad Periodística El Ciudadano Ltda. RUT. 76080231-K Cuenta Corriente 166-08438-07 Banco de Chile mail: [email protected]

Apóyanos y obtén tu ciudadanía :)

   Donar >

Los Más Leídos