Estudio Celag: crescente apoio a Luis Arce e rejeição de Áñez e seu clã do golpe

Os resultados da pesquisa podem ser mais amplos, já que o estudo terminou em 4 de março, um dia antes do ataque indiscriminado a uma escola primária cheia de crianças em El Alto pelas forças repressivas da ordem de Jeanine Áñez
Publicado en

Portugués

0 0


O candidato presidencial boliviano ao Movimento ao Socialismo (MAS), Luis Arce, não cede seu favoritismo eleitoral e lidera a intenção de votar em todas as pesquisas realizadas até o momento, antes das eleições de 3 de maio.

O mais recente é um estudo de opinião quantitativa do Centro Estratégico Latino-Americano de Geopolítica (Celag), denominado «Clima pré-eleitoral da Bolívia – março de 2020», cuja amostra era de 2.000 pessoas em idade legal e foi realizada de 10 a 4 de março, com Intervalo de confiança de 95%.

Mais uma vez, o vice-presidente do partido deposto, Evo Morales, tem o apoio mais popular.

Ao responder à pergunta: em quem você provavelmente votaria no presidente da Bolívia nas eleições de maio de 2020? 33,1% dos entrevistados responderam que votariam em Luis Arce no primeiro turno.

Em segundo lugar, a autoproclamada presidente interina Jeanine Áñez, com 20,5% de apoio. Enquanto isso, em terceiro lugar estava o ex-candidato presidencial Carlos Mesa, que perdeu para Morales nas eleições de 20 de outubro passado, com uma intenção de voto de 17,4%.

O ultra-direitista, segregacionista e excivista de Santa Cruz, Luis Fernando Camacho está em quarto lugar com 7,4%; seguido por Chi Hyung Chung (5,6%); o ex-presidente Jorge Tuto Quiroga (1,5%) e Feliciano Mamani (1,3%).

Quanto ao teto eleitoral, 39,6% dos entrevistados responderam que podiam votar no Arce, enquanto outros 57,9% disseram que não. No caso de Áñez, 40,6% indicaram que podiam votar e 56,8% que não.

Nesse mesmo item, 34,6% disseram que poderiam escolher a opção de Carlos Mesa, mas 62,5% não teriam intenção de fazê-lo. Enquanto isso, 24,2% disseram que poderiam votar em Camacho e 72,4% não estariam dispostos a fazê-lo.

Rejeito Jeanine Ánez

A segunda aparição de Áñez, candidata à coalizão Juntos, é uma novidade em relação às pesquisas anteriores, que colocaram o autoproclamada em terceira posição, atrás do candidato Carlos Mesa, da Comunidade do Cidadão.

No entanto, 64,6% responderam que o ex-senador não deveria ter se candidatado à presidência e outros 31% consideraram que ela está “em seu direito” de fazê-lo.

Quanto à avaliação da administração de Áñez e seu governo de fato, apenas 22% a consideram “boa”, enquanto 26,9% a classificam como “ruim” e outros 45,4% “regulares”.

No entanto, essas projeções sobre Áñez não incluem a rejeição retumbante que ele sofreu de muitos setores da sociedade, depois que suas forças policiais atacaram uma escola primária na cidade de El Alto em 5 de março, em sua obsessão por reprimir com violência, qualquer manifestação popular que exija paz, democracia e justiça.

Clima político e econômico da Bolívia

O estudo da Celag também avaliou o clima social, político e econômico da Bolívia, nesses meses anteriores às eleições de maio.

Os entrevistados foram convidados: Qual das seguintes palavras melhor descreve seu sentimento sobre a atual situação política e econômica do país? Para isso, 38,3% responderam esperança e confiança; 32,1% responderam “incerteza e indiferença” e 26,3% disseram “angústia e raiva”.

Atualmente, 72,6% dos cidadãos que participaram do estudo afirmaram que a situação política afetou negativamente o seu dia a dia. Desse total, 41,9% se sentem bastante afetados e 30,7% pouco afetados. Além disso, 26,8% disseram que o clima político não o afetou.

Em grande parte, a violência contra as mulheres, a insegurança nas ruas e o aumento do desemprego são as situações que geram maior angústia e raiva no povo boliviano.

Quando perguntado sobre a situação econômica de sua família nos últimos três meses, 41,9% disseram que permaneceram os mesmos; 25% indicaram que começou a piorar e 11,6% pioraram. Enquanto apenas 17,2% disseram sentir que estão começando a melhorar.

Segundo o relatório da Celag, 51,9% dos entrevistados acreditam que as privatizações são negativas para o funcionamento da economia, em comparação com 31,9% que as consideram positivas.

85,5% disseram que a política de vínculo social é necessária, enquanto apenas 11,7% não as consideram necessárias.

Além disso, 82,6% consideram que ainda existe racismo na Bolívia e que é uma questão que deve ser superada.

No entanto, no atual contexto político e econômico, 62,4% dos bolivianos estão preocupados com a perda de emprego nos próximos meses, enquanto 35,4% não estão preocupados.

Avaliação positiva por Luis Arce

Como os outros estudos publicados, a recente pesquisa da Celag revela a preferência de Luis Arce dentro do eleitorado sobre o restante dos candidatos à presidência.

De fato, a pesquisa da Celag revelou que 54,8% dos entrevistados valorizaram positivamente a gestão econômica durante o período em que o candidato do MAS atuou como Ministro da Economia: entre 2009 e 2017 e, em seguida, de janeiro a novembro de 2019.

Durante anos, Arce foi um dos homens de confiança de Morales. Em 2006, foi nomeado Ministro das Finanças durante o primeiro governo e, três anos depois, em 2009, assumiu o Ministério da Economia e Finanças Públicas.

Com a Arce à frente deste portfólio, iniciou-se o processo de nacionalização de hidrocarbonetos, além de liderar a implementação do Modelo Econômico-Social da Comunidade Produtiva, desenvolvido pelo governo Morales.

Dentro de seu legado está o crescimento do Produto Interno Bruto (PIB) e o aumento das reservas internacionais.

De fato, em 2013 a revista América Economía o colocou como um dos melhores ministros do setor na região da América Latina.

Em declarações recentes, Arce, que compartilha a fórmula eleitoral com David Choquehuanca como vice-presidente, condenou o aumento da dívida do governo de fato de Jeanine Áñez, após o golpe de estado perpetrado contra Morales.

“Em apenas três meses, o governo de fato endividará a Bolívia por quase 2 bilhões de dólares”, afirmou ele em sua conta no Twitter. “As hipotecas governamentais de fato nas próximas décadas e condenam a Bolívia à crise econômica”, acrescentou.

Se eleito presidente, Arce propõe retornar ao modelo econômico da comunidade para promover o desenvolvimento da Bolívia.

«A primeira coisa que devemos fazer é estabelecer e aprofundar um modelo social e econômico da comunidade, continuar com a tarefa redistributiva da renda, favorecer as camadas sociais menos favorecidas, mais esquecidas e discriminadas por vários anos no período neoliberal e nestes meses do governo de fato ”, ele disse.

Compártelo

Comentarios